Perfil social, racial e de gênero das 500 maiores empresas do Brasil – 2010

Por: Reinaldo Bulgarelli

Hoje, 11 de novembro de 2010, o Instituto Ethos e o IBOPE lançaram a pesquisa sobre o Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas e suas Ações Afirmativas. Dados novos! Ficamos entre a felicidade de ver alguns números melhorarem e a tristeza de ver que tudo é muito lento.

Segundo cálculos rápidos durante o evento, as mulheres alcançarão os homens em cargos executivos daqui a 35 anos, mantido esse ritmo percebido nas pesquisas de 2001 a 2010 (uma década!).

Mas acredito que o cálculo não considerou que as mulheres são marioria na sociedade brasileira, que apresentam mais anos de escolaridade que os homens e que em breve poderão ser maioria na população economicamente ativa.

A sua filha está estudando? Você e ela estão inventindo numa educação da mais alta qualidade? Diga a ela que poderá atingir uma posição compatível com seu esforço em 35 anos. Alguém está disposto a esperar? É justo? Não é o mérito que deveria imperar, segundo discurso reinante?

Em relação aos negros (homens), mantido esse ritmo, são mais de 150 anos para se chegar às posições dos não negros em cargos executivos. As mulheres negras terão que esperar muito mais. Como dizer aos jovens negros que estão também estudando nas melhores faculdades do país que todo esse investimento e esforço resultará numa espera de mais de um século? Não é o mérito e o esforço individual que deveria reger as decisões no mundo empresarial? Ou será que há filtros que falam mais alto que uma gestão para o sucesso da empresa?

Os dados da pesquisa do Instituto Ethos têm nome: racismo, machismo, discriminação da pessoa com deficiência (o que tenho chamado de davincismo), homofobia e por aí vai.

O mérito, a capacidade para ocupar essas posições, o preparo ou a experiência parecem estar em baixa. Não parecem ser importante. O importante é ser Brad Pitti: homem, branco, casado, sem deficiência, adulto… Eu digo que são as “vagas desde que…”. Muitas empresas dizem que querem os melhores profissionais, desde que não sejam negros, mulheres, homossexuais, com deficiência, com menos de 25 anos, com mais de 35 anos…

É para isso que existe uma ferramenta de promoção de equidade, ou seja, de justiça, que se chama ação afirmativa. Elas têm a ver com o ritmo com que se quer mudar uma situação injusta. Podemos não fazer nada, apenas esperar que o tempo por si só trate de ampliar a consciência das pessoas. Não é possível que alguém defenda isso, mas podem ser as pessoas que hoje ocupam quase sozinhas as melhores posições do mercado de trabalho.

Podemos agir, estabelecer metas, criar programas de mentoring focado em mulheres, negros, pessoas com deficiência, entre outras ações afirmativas que ajudem a acelerar esses resultados.

Fiz a proposta no evento de publicarmos um manual sobre ações afirmativas para empresas, ajudando a conhecer o conceito, as formas de aplicá-lo na gestão empresarial e as experiências hoje em andamento no meio empresarial. Ações afirmativas não se resumem a cotas, mas compreendem um conjunto amplo de iniciativas baseadadas na necessidade da organização de incluir outras perspectivas na tomada decisões, na gestão dos negócios, no planejamento em um mundo em acelerado e profundo processo de mudança. A mudança mudou! Ela é mais rápida e profunda que antigamente. Quem poderá dar conta desse desafio? Apenas o Brad Pitti?

Desesperar, jamais! Esperar sem agir, nem pensar! Mesmo porque as ações afirmativas não tratam de ação social para os mais pobres. Seu foco é a justiça, válida tanto para a base da pirâmide como para a executiva altamente preparada que poderia ocupar uma vaga de executiva ou de presidenta e é deixa de lado porque não é homem. O foco da ação afirmativa é também melhorar, com justiça, o desempenho nos negócios. Justiça e sucesso nos negócios não são incompatíveis, muito pelo contrário.

Alguém que realmente goste da empresa e queira ver seu sucesso nos negócios não pode defender que apenas homens, brancos, sem deficiência… são capazes de produzir resultados. Talvez haja pessoas que estão tomando decisões sem ter tanto carinho assim pelo sucesso do negócio. Quem gosta da empresa, valoriza e promove a diversidade.

Veja o link para a notícia do Ethos e para a pesquisa, na qual colaboro como um dos especialistas consultados, e que está disponível na íntegra em pdf: Instituto Ethos – Notícias – Ethos e Ibope lançam pesquisa sobre o perfil das 500 maiores empresas do Brasil

Fonte: Diversos somos Todos

+ sobre o tema

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal...

para lembrar

Plataforma Cairo + 25 Brasil

fonte: REBRAPD Encontro Regional Sudeste, São Paulo, 5 e 6...

Veja íntegra do discurso de Dilma Rousseff sobre os 5 pactos

A presidente falou hoje ao país e propôs pactos...

Um espetáculo para derrubar Lula

Quando surgiram as primeiras acusações contra Lula no âmbito...

Indígenas são eleitos no Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste

Várias etnias ganham representação nas Câmaras e até em...

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar a identidade dos brasileiros. A nova CIN (Carteira de Identidade Nacional) representa o fim do RG e da impressão...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo religioso" no Brasil, um dos principais órgãos da ONU que lida com a situação da...

Trump se torna 1º ex-presidente condenado em ação criminal na história dos EUA

Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente considerado culpado pela Justiça em uma ação criminal na história dos Estados Unidos. O veredicto, divulgado nesta quinta-feira (30),...
-+=