Pesquisa mostra perfil empreendedor das favelas

Nova pesquisa do Data Favela, parceria do Data Popular com a CUFA (Central Única das Favelas), mostra que de cada dez moradores das favelas do país, quatro têm vontade de empreender e 55% pretendem abrir um negócio próprio nos próximos três anos, e que o volume de pessoas com intenção de empreender nas favelas é quase o dobro do que na população em geral (23%). A grande maioria dos moradores de favela com intenção de empreender planeja montar um negócio dentro da favela

No Brasil 247

O instituto Data Favela, parceria do Data Popular com a CUFA (Central Única das Favelas), apresenta hoje (3), em São Paulo, os dados da nova pesquisa que fez para o Sebrae.

Entre os dados estão que de cada dez moradores das favelas do país, quatro têm vontade de empreender e 55% pretendem abrir um negócio próprio nos próximos três anos, e que o volume de pessoas com intenção de empreender nas favelas é quase o dobro do que na população em geral (23%). A grande maioria dos moradores de favela com intenção de empreender planeja montar um negócio dentro da favela (63%). O negócio de maior interesse é abrir uma loja de roupa (opção de 20%), seguida de salões de beleza (13%).

Renato Meirelles, presidente do Data Popular, diz que a pesquisa mostra mudança no perfil do empreendedor da favela. Se antes a maioria empreendia por necessidade, hoje apenas um terço do que pensam em empreender têm essa motivação. Dois terços querem abrir o próprio negócio por oportunidade. “Hoje empreender é a chance de o trabalhador da favela conseguir ganhar mais dinheiro. Ele sabe que tem um teto de crescimento com carteira assinada, devido à baixa escolaridade”, diz Meirelles.

Ainda segundo o Data Favela, o número de moradores em idade economicamente ativa nas favelas com carteira assinada aumentou de 47% em 2013 para 53% este ano. “A maior parte daqueles que querem empreender tem carteira assinada.”

O instituto Data Favela entrevistou 2 mil moradores de favelas em fevereiro. Foram entrevistados moradores de 63 favelas, localizadas em nove regiões metropolitanas e mais o Distrito Federal (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Curitiba, Porto Alegre e Brasília).

 

Clique aqui para ler a reportagem completa na Folha de S. Paulo.

+ sobre o tema

Estratégias de enfrentamento ao racismo global – Um evento de Geledés em NY

Em resposta ao desafio da Segunda Sessão do Fórum...

Pacto Fórum Justiça – Rio de Janeiro

PACTO FÓRUM JUSTIÇA – RIO DE JANEIRO Reunidos nos...

20 anos do ECA: iniquidades e violência são grandes desafios

O escritório do Fundo das Nações Unidas para a...

“Os homens avançam mais rápido na carreira porque não têm o trabalho doméstico nas costas”

Hildete Pereira de Melo é economista da Universidade Federal...

para lembrar

O transplante de medula óssea para anemia falciforme

Sob emoção indescritível li que o Brasil incluiu no...

Profissionais relatam casos de racismo no mercado de maquiagem

Por Elisa Soupin no Yahoo Faça o teste: procure no...

Comissão Arns recebe Prêmio Eny Moreira de Direitos Humanos

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo...

‘Índio bom é índio morto’

Na volta de um passeio a cavalo, cerca de...
spot_imgspot_img

Câncer de pênis: Brasil é considerado o país com maior número de casos do mundo; veja os 6 sinais mais comuns da doença

O Brasil é considerado o país com maior incidência de câncer de pênis no mundo, em especial nas regiões Norte e Nordeste. Este tumor representa...

Geledés participa da 54ª Assembleia Geral da OEA

Com o tema “Integração e Segurança para o Desenvolvimento Sustentável da Região”, aconteceu entre os dias 26 a 28 de junho, em Assunção, Paraguai,...

Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos abre inscrições para sua 46ª edição

As inscrições para a 46ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos estão abertas de 20 de junho a 20...
-+=