quarta-feira, outubro 27, 2021
InícioQuestões de GêneroMulher NegraPesquisa mostra violência política sofrida por mulheres negras durante campanha

Pesquisa mostra violência política sofrida por mulheres negras durante campanha

Simony dos Anjos, de 34 anos, é uma mulher negra e candidata à Prefeitura de Osasco, em São Paulo, pelo PSOL. Dos seis candidatos homens, Simony é a única postulante feminina e negra no município. Ela relata que, durante a campanha, sofreu ataques virtuais com mensagens LGBTfóbicas, sexistas e racistas em um grupo de Whatsapp exclusivo para trocar informações sobre a candidata. O ataque a Simony não é um caso isolado. Um levantamento feito pelo Instituto Marielle Franco com apoio da Terra de Direitos e Justiça Global contabilizou que 78% das candidatas negras relataram ter sofrido ataques virtuais no período eleitoral.

De 21 a 28 de outubro, 142 mulheres negras candidatas pertencentes a 93 municípios (em 21 estados) e 16 partidos responderam a um questionário para analisar o cenário da violência política eleitoral neste ano. De acordo com o relatório, os principais autores dos ataques virtuais são grupos não identificados (45%), candidatos ou grupos militantes de partidos políticos adversários (30%). Também foram identificados grupos misóginos, racistas e neonazistas (15%).

Doutoranda em Antropologia pela Universidade de São Paulo (USP), ela declara que a corrida eleitoral está sendo desafiadora pelo movimento conservador contra a sua candidatura, marcado por comentários preconceituosos nas redes sociais.

— Disputar espaço como mulher negra não é apenas uma briga política, mas também pela diversidade no poder político. O primeiro ataque que sofri foi no Whatsapp da campanha, quando números desconhecidos dispararam insultos racistas e misóginos. Além disso, também sofro com as fake news. Por ser evangélica progressista, espalham que “coloco fogo em igreja” e sou “abortista”. Infelizmente, um crime virtual pode desencorajar mulheres negras na política, especialmente pela falta de apoio jurídico para combater os ataques de ódio — comenta Simony, que até o momento não fez nenhuma denúncia.

Medo de denunciar

Candidata ao cargo de vereadora no Recife, em Pernambuco, Lucilene Matos (PCdoB), de 42 anos, denuncia que os ataques ultrapassam o ambiente virtual e extrapola ao ambiente partidário:

— Os ataques começaram desde o processo de filiação ao partido, há seis anos, em uma negação dos corpos negros. Hoje estou sem material e sobrevivo somente de doações. Eles não querem o rosto de mulheres negras neste processo, o discurso é romantizado — diz Simony.

— Além disso, quando lancei minha candidatura como mulher negra, mãe solo e lésbica, sofri ataques virtuais e no próprio município — argumenta, complementando que não denunciou por falta de informação, amparo jurídico e recurso financeiro.

Ainda de acordo com o Instituto, apenas 32,6% das candidatas relataram ter denunciado os ataques virtuais, enquanto 29% responderam não querer denunciar e 17% afirmaram ter medo em compartilhar o ocorrido.

blank
Candidata ao cargo de vereadora no Recife, em Pernambuco, Lucilene Matos (PCdoB) denunciou os ataques que sofreu (Foto: Imagem retirada do site O Globo)

Entre as candidatas que participaram da pesquisa, 31% afirmaram ter denunciado em plataformas digitais, enquanto 29% relataram ter denunciado ao partido político e o mesmo percentual em registros como boletim de ocorrência. Ainda assim, 70% das candidatas disseram que a denúncia não se traduziu em mais segurança para o exercício da sua atividade política.

Mestra em Ciência Política na Universidade de São Paulo e pesquisadora sobre representação política feminina, Hannah Maruci afirma que as mulheres negras sofrem a intersecção das violências de gênero e raça. Para ela, trata-se de uma barreira muitas vezes ignorada para a entrada desse público na política institucional.

— A violência política contra mulheres negras incorpora várias formas. Ela pode acontecer no formato de ataques virtuais que buscam deslegitimar a presença dessas mulheres nos espaços de poder, mas também ser praticada pelo próprio partido, quando este subfinancia essas candidaturas.

Na avaliação da especialista, é preciso que as instituições estejam preparadas para combater a violência contra mulheres negras na política:

— A subvalorização dessas mulheres é grave, pois faz com que a distância entre o maior grupo demográfico da população, que são as mulheres negras (28%) e os homens eleitos em cargos legislativos (quase 90%) se agrave. Nesse sentido, observo que o ato da denúncia seja importante, mas muitas mulheres sentem medo de sofrer represália do partido ao fazê-la. Por isso, lançamos a campanha #MeuPrimeiroAtaque. O objetivo da iniciativa é expor e combater a violência sistêmica contra mulheres negras na competição eleitoral — diz a co-fundadora do coletivo A Tenda das Candidatas.

Diretora do Instituto Marielle Franco, Anielle Franco, almeja que os dados se tornem um instrumento de elaboração de políticas públicas:

— Historicamente as mulheres negras que se colocam à disposição para concorrer ao pleito institucional têm sido recebidas por violências e opressões estruturais de raça, gênero e classe. Em nosso estudo, identificamos que cerca de 8 a cada 10 mulheres candidatas comprometidas com a pautas antirracistas já sofreram algum tipo de violência virtual, por outro lado, do total de mulheres que sofreram violência política nestas eleições, apenas 32% efetuou denúncia — diz e complementa:

— Em meio a todos os indicadores, espero que os números ajudem a visibilizar esse cenário no país e impulsione as autoridades públicas a pensar em medidas efetivas e imediatas de combate a essa violência que afeta mulheres negras das mais diferentes formas.

Foto em destaque: Reprodução/ O Globo

RELATED ARTICLES