Pesquisa revela que dois terços dos brasileiros viram uma mulher ser agredida

Pelo menos dois a cada três brasileiros já presenciaram uma mulher sofrer violência. É o que revela a pesquisa Visível e Invisível: a vitimização de mulheres no Brasil, realizada pelo Instituto Data Folha, Instituto Avon e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, apresentado nessa terça-feira (9), em Brasília.

No Compromisso e Atitude

A pesquisa teve abrangência nacional e foi realizada em fevereiro de 2017. De acordo com o estudo, 66% dos brasileiros presenciaram uma mulher sendo agredida física ou verbalmente em 2016; 73% da população acredita que a violência contra as mulheres aumentou nos últimos 10 anos; 51% da população viram mulheres sendo abordadas na rua de forma desrespeitosa e 40% das mulheres entrevistas já sofreram algum tipo de assédio.

Acesse aqui a apresentação e o relatório analítico do estudo “Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil”

A secretária especial de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes, participou da apresentação. “Fizemos uma pesquisa, em parceria com Instituto Maria da Penha, que apresentou dados complementares. Quando falamos de violência contra a mulher, o número de pessoas que afirmam é pequeno, mas quando é explicado o que é compreendido como violência pela Lei Maria da Penha, os números aumentam bastante, são alarmantes”, afirmou.

Segundo a secretária, o que a pesquisa revela é uma melhor perspectiva do que é violência, e ao mesmo tempo é um instrumento valioso de conscientização da sociedade de mudança de comportamento.

“Quando falamos que a cada hora 503 mulheres foram vítimas de violência física no Brasil, percebemos que mais mulheres estão reconhecendo a violência que sofrem, o que possibilita a ajuda para quebrar esse ciclo de violência”, explica Fátima.

Uma ação do governo para combater a violência que está sendo articulada é a Rede Brasil Mulher de uma ampla mobilização nacional que deverá ser anunciada nos próximos dias. “Estamos construindo junto com vários parceiros da sociedade civil, governos, judiciário e institutos internacionais uma ampla mobilização de enfrentamento, prevenção à violência e promoção da igualdade entre mulheres e homens”, conta a secretária.

Treinamento

A apresentação da pesquisa faz parte do Programa “Respostas Eficazes à Violência Contra as Mulheres”, realizado pelo Instituto Avon, pela ONG americana Vital Voices e pelo Fórum Brasileiro da Segurança Pública. O evento acontece em Brasília de 8 a 11 de maio. Participam representantes de cinco estados que fazem parte da Rede de Enfrentamento da Violência contra a Mulher.

+ sobre o tema

A Insustentável Leveza do Ser

Somos todos Negxs! Aline Dias Semana passada vi uma noticia na...

A Naturalização: estupro e pedofilia na mídia

Apesar de o tema implorar por um textão, com...

para lembrar

Mato Grosso do Sul: Começa hoje campanha pelo fim da violência contra a mulher

A Secretaria Municipal de Assistência Social promove, a partir...

Látex NÃO!

Por Rafuska Q, começou essa petição para Movimento Primavera...

‘Eu, mulher negra, não posso frequentar certos espaços’

Foi numa mesa de um boteco, ali no bairro...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=