Pesquisador lança livro que conta a história do povo africano e a evolução da negritude no Brasil

Hoje, dia 6 de março, o escritor e pesquisador Ademir Barros dos Santos lança o livro “África: nossa história, nossa gente” em Sorocaba. A cerimônia contará com uma roda de conversa sobre o tema “Autoestima negra x bullying”, sessão de autógrafos, apresentação do músico Carlos Madia e uma encenação teatral com os atores Vanessa Soares, Daiana Moura, Camila Rocha, Renata Ferraz e Marco Antonio Fera. O evento de lançamento acontece no Núcleo de Educação, Tecnologia e Cultura (ETC) do Campus Sorocaba da UFSCar e tem apoio da Secretaria de Cultura de Sorocaba (Secult).

por Lucas Montenegro de Sousa  via Guest Post para o Portal Geledés

“África: nossa história, nossa gente” é resultado de um projeto selecionado no concurso Ideias Criativas, da Fundação Cultural Palmares, cujo objetivo é promover a valorização da cultura afro-brasileira. O livro, segundo Ademir, procura atingir todo o público interessado na evolução da negritude, e por isso mesmo o autor prezou por uma linguagem acessível, “com a elegância possível, sem ser pedante ou excessivamente acadêmico”.

Editada pela Mirarte, a obra está dividida em três seções, conta o escritor, começando pela história da África, especialmente em seus aspectos sócio-filosóficos e culturais. Prossegue analisando a diáspora atlântica, sobretudo nas diferenças produzidas entre a negritude exportada e a que permaneceu no continente negro, enfatizando os embates com as nações que a escravizou; e encerra analisando a evolução da negritude no Brasil. “O livro pretende servir como apoio aos professores e demais formadores de opinião que pretendam tratar de negritudes de forma ampla ou, apenas, para cumprir a lei. Portanto, busca desmistificar algumas inverdades até agora postas como verdades absolutas no ensino oficial”, defende Ademir.

Para o pesquisador, a maior abertura ao diálogo na atualidade e a revisita histórica aos diversos tratamentos e processos de exclusão social aos quais os negros foram submetidos ao longo de muitos séculos trouxeram consigo uma força contrária a este movimento, produzindo atitudes discriminatórias que se difundem, inclusive, em nações que sequer se envolveram com a escravização africana, como a Rússia e Japão. “As possibilidades de maior discussão e de avanço social da negritude têm produzido reações adversas também recrudescidas e atingido locais inesperados”, pontua. Algo, por vezes, tão parte do cotidiano das pessoas, tão arraigado na cultura, “que há procedimentos racistas produzidos por racistas que sequer se sabem racistas”, enfatiza o autor.

O lançamento do livro será realizado também em outros nove municípios da região de Sorocaba. As rodas de conversa que compõem os eventos se propõem a dialogar abertamente com a comunidade e delas se pretende extrair pautas que possam ser adotadas e levadas adiante por meio de ações concretas. Em Sorocaba, a roda de conversa “Autoestima negra x bullying” terá como debatedores Ana Maria Souza Mendes, coordenadora do Núcleo de Cultura Afro-Brasileira (Nucab) da Universidade de Sorocaba (Uniso); Carlos Carvalho Cavalheiro, professor da rede municipal de Porto Feliz, pesquisador, folclorista, teólogo, escritor e mestrando em Educação pela UFSCar; José Rubens Incao, pesquisador pertencente à Academia Sorocabana de Letras e diretor da Biblioteca Infantil, representando a divisão de Patrimônio Histórico da Secult; e Maria Cristina Peres Vilas, representando a Secretaria de Educação de Sorocaba.

O evento de lançamento do livro “África: nossa história, nossa gente” tem início às 19 horas desta sexta-feira e a entrada é aberta a todos os interessados. A obra será comercializada no local a R$ 10, com um desconto de 70% sobre o preço de capa, que é de R$ 40. Contatos para aquisição do livro podem ser feitos pelos telefones (11) 2840-2044 e (11) 96382-5059. Na ocasião, Ademir Barros também apresentará dois livros de ficção de sua autoria, assinados sob o pseudônimo de Ed Mulato – “Restos” e “Dez Contos”, esse último com a capa desenvolvida pelo estudante Paulo Pistilli, da UFSCar. O Núcleo ETC da UFSCar fica na rua Maria Cinto de Biaggi, 130, bairro Santa Rosália, Sorocaba.

Sobre o autor

Morador de Sorocaba há 42 anos, Ademir Barros dos Santos pesquisa e ensina sobre História e Cultura de matriz africana no Núcleo de Cultura Afro-Brasileira (Nucab) da Universidade de Sorocaba (Uniso). Participa como colaborador na Atividade Curricular de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão (ACIEPE) “Formação de formadores para a educação das relações étnico-raciais”, coordenada no Campus Sorocaba da UFSCar pela professora Rosana Batista Monteiro, do Departamento de Ciências Humanas e Educação (DCHE), e na disciplina optativa “Relações étnico-raciais e educação” do curso de Pedagogia, como membro do movimento social negro de Sorocaba. Ademir integra ainda o grupo de estudos e pesquisa “Educação, Territórios Negros e Saúde” (ETNS) da UFSCar, liderado por Rosana.

– Matéria produzida por Lucas Montenegro, da Seção de Comunicação Social do Campus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

+ sobre o tema

Adriano e Ronaldo disputam Troféu Raça Negra

Dois jogadores dos clubes de maior torcida do Brasil...

Bumba meu boi é uma ópera popular reveladora do inconformismo

As festas juninas resistem, notadamente no Nordeste. Cada Estado...

Haitianos e o nó histórico das políticas imigratórias no Brasil

Vejam a coincidência: O episódio da leva de haitianos...

para lembrar

Nova princesa Disney não vai ter príncipe, mas amigos e aventura

Moana, nova princesa das animações da Disney, não vai...

Primeira juíza muçulmana e afro-americana dos EUA encontrada morta no rio Hudson

Sheila Abdus-Salaam tinha 65 anos. Corpo foi retirado da...

Joaquim Dias Cordeiro da Matta

Investigador, jornalista e poeta angolano, Joaquim Dias Cordeiro da...

No centenário de Mestre Didi, terreiro fundado por ele é tombado

Cerimônia acontece neste sábado, às 14h, no Ilê Asipá,...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=