PF prende acusados de aliciar mulheres de 7 Estados para prostituição

A Polícia Federal começou a desmantelar nesta quinta-feira (15) uma quadrilha acusada de aliciar adolescentes e mulheres pobres para abastecer prostíbulos do interior do Brasil. O grupo, segundo a PF, chegava a “recrutar” meninas em portas de escolas. A PF estima que ao longo de um ano pelo menos 80 foram exploradas pela quadrilha.

Por: CRISTIANO MACHADO

Seis pessoas foram presas em três Estados –Tocantins, origem da investigação, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. De acordo com a PF, as adolescentes eram recrutadas também em praças e lanchonetes e as mulheres maiores de idade, em boates e bares de pelos menos sete Estados (MA, PA, TO, PI, CE, BA e SP).

 

O delegado da PF Gustavo Almeida Bubolz disse que algumas recebiam promessas falsas de emprego e, ao chegar no destino, eram surpreendidas e obrigadas a contrair dívidas e, sem poder pagar, acabavam sendo obrigadas a se prostituir. “Outras recebiam claramente a proposta [de prostituição]”, afirma o policial, responsável pela operação batizada de Ateneia, em referência à uma deusa grega que já nasceu adulta.

 

De acordo com ele, a polícia começou a investigar o grupo em janeiro de 2009, após a denúncia da mãe de uma das vítimas. “Ela se dizia preocupada porque a filha não mandava mais notícias”, disse. Menor de idade, ela saiu de Araguaína (440 km de Palmas) e foi levada para Parnaíba (422 km de Campo Grande e 1.629 km distante de sua casa). O emprego seria “cuidar de um idoso”. Chegando lá, porém, a realidade era outra: a menina foi obrigada a se prostituir.

 

Entre os presos está uma dona de casa de prostituição em Paranaíba e seu filho, acusado de falsificar os documentos e administrar os bordéis. Os nomes dos acusados não foram divulgados. “Ainda não há condições de identificarmos se a maioria é menor ou maior por causa dos documentos falsos.”

Os presos são acusados de tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, formação de quadrilha e manutenção de casa de prostituição.

 

Rodízio

Os policiais descobriram ainda que as garotas eram obrigadas a se mudar constantemente dos prostíbulos em Frutal (MG), Aparecida do Taboado e Parnaíba (MS). O objetivo do “rodízio” era oferecer aos clientes garotas diferentes.

 

As vítimas maiores de idade foram levadas de volta para suas casas. Já as menores foram encaminhadas à Justiça e Conselho Tutelar.

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

O que a labareda chama

Sou das metáforas. E estou em luto, como qualquer...

4 suspeitos de torturar e matar Dandara são presos no Ceará

"Todo atentado contra a vida é um crime hediondo,...

Não matem nossos jovens, por Sueli Carneiro

Fonte: Jornal Correio Braziliense - Coluna Opinião Há poucos meses...

Senado vota projeto que estende Lei Maria da Penha a namorados

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado...

para lembrar

Um estupro é registrado a cada 15 minutos entre mulheres na Índia

Mulheres relataram 34 mil casos em 2018. Deste número,...

Ava DuVernay será 1ª negra a dirigir filme de US$ 100 milhões

Ava DuVernay fará história com seu novo projeto, Uma Dobra...
spot_imgspot_img

Exposição e livro lembram os 30 anos da morte de Lélia Gonzalez

Os 30 anos de morte da pesquisadora e militante Lélia Gonzalez, um dos nomes mais importantes do pensamento antirracista brasileiro, serão lembrados na mostra Lélia...

Elogio ao estupro e ódio às mulheres

Nem sempre é fácil dizer o óbvio. Mesmo porque, quando essa necessidade se impõe é fundamental entender as razões que estão por trás dela. Mas...

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...
-+=