Piauiense Esperança Garcia é reconhecida como a primeira Advogada do Brasil

Em 2017, a OAB-PI reconheceu Esperança Garcia como primeira advogada do Piauí. A voz de Esperança Garcia é um brado pela luta contra o racismo e pela igualdade de gênero, raça e classe no país

Esperança Garcia foi reconhecida como a Primeira Advogada do Brasil pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) durante Sessão Ordinária do ano realizada manhã desta sexta-feira (25). Segundo a OAB-PI, o Conselho aprovou também a construção do busto da advogada no átrio do prédio sede.

Esperança Garcia foi uma mulher negra escravizada no século XVIII, no município de Oeiras, no Centro Sul do Piauí. Ela nasceu na fazenda Algodões, propriedade que pertencia a padres jesuítas brasileiros, onde aprendeu a ler e escrever. Aos 16 anos, se casou e teve seu primeiro filho.

A conselheira federal Silvia Cerqueira lembra da trajetória para o reconhecimento de Esperança. (Foto: Reprodução/OAB/PI)

A Conselheira Federal da OAB-PI, Élida Fabrícia, destacou a importância desse momento. 

Ela foi uma mulher negra escravizada, submetida a diversas agruras advindas de sua condição vulnerável. Mas nada disso a deteve na busca de seus ideais. Essa luta começou há muitos anos no Piauí, quando em 2017 conseguimos o reconhecimento na Seccional. Agora, o reconhecimento vem da OAB Nacional, em uma verdadeira reparação histórica dos prejuízos que a Advocacia negra e feminina já sofreu”, disse.

Ainda conforme Élida Fabrícia, esse reconhecimento serve também de exemplo para advocacia brasileira. “Como mulher e Conselheira Federal, não consigo mensurar a emoção desse momento. Não contenho as lágrimas, afinal Esperança é exemplo, não somente para a Advocacia de todo o Brasil, mas também para todas as mulheres que saem de casa todos os dias em busca de suas realizações e conquistas. Ela nos inspira a estarmos sempre em processo de superação”, completa.

Símbolo de resistência, Esperança Garcia lutou pelo Direito e sua natureza jurídica foi vista logo cedo, quando, no dia 6 de setembro de 1770, escreveu uma petição ao então Governador da Capitania de São José do Piauí denunciando os maus-tratos que ela e sua família sofriam, tendo sido inclusive separada de seu marido e impedida de batizar os filhos. Essa carta foi considerada o primeiro Habeas Corpus feito por uma mulher. A carta foi encontrada em 1979 no arquivo público do Piauí. 

Primeira advogada do Piauí

Em 2017, a OAB-PI reconheceu Esperança Garcia como primeira advogada do Piauí. A voz de Esperança Garcia é um brado pela luta contra o racismo e pela igualdade de gênero, raça e classe no país.

O legado de Esperança também representa um combustível para alimentar a coragem e a resistência do povo brasieliro. Ela compõe memórias de lutas do povo negro e dá voz aos que foram historicamente calados.

+ sobre o tema

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...

Luiza Bairros lança programas de combate ao racismo na Bahia

O Hino Nacional cantado na voz negra, marcante, de...

Barbados se despede de rainha Elizabeth e dá a Rihanna título de heroína

Rihanna foi nomeada heroína nacional de Barbados durante uma...

para lembrar

Sete lições de liderança que aprendi com mulheres negras

Que lições as mulheres negras que ocupam a cena...

Diretora do Instituto Marielle quer mais mulheres negras na política

Desde fevereiro deste ano, o Instituto Marielle tem nova...

Saiba quem é Vera Lúcia Santana, que pode ser a primeira juíza negra do TSE

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) indicou a...

Revolucionária, Serena Williams dá adeus às quadras e deixa enorme legado

Serena Williams já tinha avisado: ela é péssima em...
spot_imgspot_img

Editorial Terra de Direitos: Um Supremo Tribunal Federal diverso fortalece a democracia

Com a aposentadoria de Rosa Weber, a terceira mulher a integrar o Supremo Tribunal Federal (STF), em setembro, os debates sobre a próxima indicação...

Lula deveria nomear uma mulher negra para o STF, diz Angela Davis

"Lula deveria ter nomeado uma mulher negra para a suprema corte brasileira, mas não qualquer mulher negra", diz a filósofa e ativista negra feminista Angela...

Ministra Anielle Franco fala sobre racismo em cargos públicos e defende mulher negra no STF: ‘Ia ser histórico’

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, afirmou nesta quinta-feira (29), em São Paulo, que ainda é preciso lutar contra o racismo na política e,...
-+=