PM contabiliza 21 mortos em confrontos no Rio; entre as vítimas há 3 PMs e 3 moradores

Fonte: Folha Online –

A Polícia Militar confirmou nesta segunda-feira que ao menos 21 pessoas morreram durante os confrontos com traficantes ocorridos neste fim de semana em favelas da zona norte do Rio. Entre as vítimas estão três policiais militares, três moradores e 15 suspeitos.

 

Um dos PMs mortos é o cabo da PM Izo Gomes Patrício, um dos ocupantes do helicóptero abatido no último sábado (17) por traficantes e que morreu na manhã de hoje, no hospital. Outros dois PMs morreram na ocasião, quando a aeronave foi atingida por tiros e explodiu após um pouso forçado.

 

Os confrontos na zona norte do Rio começaram na madrugada de sábado. Em disputa pelos pontos de venda de drogas, traficantes do morro São João –controlado pelo Comando Vermelho– e aliados invadiram o morro dos Macacos, controlado pela ADA (Amigos dos Amigos).

Os tiroteios causaram pânico entre moradores das favelas atingidas.

 

No sábado, a violência se espalhou e, além dos confrontos no morro dos Macacos, ao menos 12 veículos foram incendiados em bairros da zona norte. De acordo com a polícia, o objetivo dos criminosos era desviar a atenção do morro dos Macacos.

 

Segurança


Também nesta segunda-feira, o Ministério da Justiça negou que detentos do presídio de Catanduvas (PR) tenham ordenado a invasão ao morro dos Macacos.

 

A declaração do ministério contraria informação dada mais cedo pela Secretaria de Segurança Pública do Rio, que afirmou que a invasão ao morro foi articulada por chefes da facção CV (Comando Vermelho), que estão na unidade federal.

 

Após os confrontos, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), afirmou que o Estado vai receber R$ 100 milhões da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública) nos próximos seis meses para equipar as forças de segurança e que a polícia vai ganhar novo helicóptero blindado.

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou nesta segunda-feira os atos de violência registrados no Rio e afirmou que o governo federal está disposto a ajudar o Estado no que for preciso para “limpar a sujeira que essa gente [criminosos] impõem ao Brasil”.

 

Desde o início da manhã de hoje, a Policiais militares do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) e de vários batalhões da corporação realizam uma operação nas favelas de Manguinhos, Mandela e Jacarezinho, na zona norte do Rio, para tentar prender os traficantes envolvidos nos ataques criminosos. Diversas vias foram bloqueadas para passagem de veículos e pedestres.

Matéria original

+ sobre o tema

Após 3 meses, Anvisa decide que uso de máscaras volta a ser obrigatório em aeroportos e aviões no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu nesta...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Em pleno carnaval, Garis paralisam Rio de Janeiro – por Douglas Belchior

  De Douglas Belchior Haiti? África do Sul? Não. É Rio de...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

para lembrar

Cigana rouba a cena em posse de ministros

Homens em terno escuro e mulheres usando tailleur se...

Em toda a América Latina, mulheres lutam contra violência na política

Atualmente, a América Latina é líder global em cargos...

Predominantes na classe C, negros movimentaram R$ 760 bilhões em 2012

De cada 100 pessoas que entraram na classe C...

Kanye West é bom apesar das polêmicas que cria

Kanye West entrou para o hall dos encrenqueiros...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=