Poesia contra racismo vence 1º Festival de Poesia de São Paulo

Duro não é o Cabelo, é o sistema. E não alisa, quebra na emenda. Entenda a persistência de mantê-lo crespo na essência. É bonito, é política, é resistência”.

 

No Folha de São Paulo 

Com esses versos, o poeta Akins Kintê foi ovacionado e venceu o 1º Festival de Poesia de São Paulo, cujo encerramento aconteceu em outubro, no Centro Cultural São Paulo. O evento também contou com uma programação paralela em diferentes locais da cidade, incluindo Fábricas de Cultura.

A iniciativa do festival surgiu do coletivo ‘Correspondência Poética’, que atua desde 2009 na pesquisa e difusão da literatura periférica. O grupo promove diferentes atividades, como a entrega de poemas nos terminais de ônibus.

“Tinha festival de curta metragem, teatro, música, de tudo, menos de poesia. São Paulo está se tornando referência no Brasil inteiro, então tinha que ter uma premiação para essa poesia que está fazendo tanto pela periferia”, justifica Alisson da Paz, 29, membro do Correspondência Poética.

Com financiamento do Programa VAI, da Secretaria Municipal de Cultura, Alisson e mais dois membros do coletivo organizaram o festival. Entre agosto e setembro, eles receberam 150 inscrições de poesias, enviadas pela internet por meio de vídeos.

Uma primeira seleção, realizada pelos escritores Binho, Marcelino Freire e Sérgio Vaz, escolheu 30 poetas para participar do evento de encerramento do concurso, que aconteceu no dia 22 de outubro.

No dia do festival, todos se apresentaram e a mesa julgadora, formada por Raquel Trindade e Rosa Maria Falzoni, definiu os 13 premiados. Akins Kinte, o primeiro colocado, ganhou o prêmio principal de 3 mil reais; aos demais foram entregues valores menores. As poesias dos 30 participantes serão distribuídas nos terminais de ônibus da cidade.

Premiados do 1º Festival de Poesia de São Paulo (Créditos: Lívia Lima)
Premiados do 1º Festival de Poesia de São Paulo (Créditos: Lívia Lima)

Cleber Arruda, 33, é correspondente da Brasilândia
@CleberArruda
[email protected]

Lívia Lima, 27, é correspondente de Artur Alvim
@livialimasilva
[email protected]

+ sobre o tema

Fundo Rotativo Solidário beneficiará empreendedores do Fórum da Economia do Negro de Fortaleza (CE)

Por: Karol Assunção   Adital – Empreendedores/as da capital cearense organizados...

Raça e Cor – Eu visto esta camisa! Raça, cor e etnia no SUS

O Projeto Identidade trata da questão de direitos humanos,...

para lembrar

Vereadora alvo de ofensa racista: ‘Disseram que era liberdade de expressão’

Em entrevista ao UOL News, a vereadora Paolla Miguel (PT-SP)...

Não queremos mais Marielles

Às vésperas do Dia Internacional dos Direitos Humanos, vereadores negros...

Supervisor acusa vereador de Embu das Artes de racismo: “Todo preto fede”

O supervisor Izac Gomes, de 57 anos, acusou hoje...

Cotas no ensino superior: uma política bem-sucedida

Para um país que historicamente se pensava como uma...
spot_imgspot_img

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim como Lélia Gonzalez e Sueli Carneiro, autora importante para entendermos o Brasil de hoje e...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...
-+=