Polícia reconstitui agressão a vigilante negro no Carrefour de Osasco (SP)

Por: TATIANA SANTIAGO

Após quase um ano da agressão contra o vigilante Januário Alves de Santana, 40, no supermercado Carrefour em Osasco (Grande SP), será feita a reconstituição do crime, na manhã desta terça-feira. Santana, que é negro, afirma ter sido vítima de racismo.

Na época, a vítima foi espancada após ter sido confundida com um assaltante, quando tentava entrar em seu carro –um Ford EcoSport–, que estava parado no estacionamento, no dia 7 de agosto. O carro estava registrado no nome da mulher de Santana, que fazia compras no mercado com os dois filhos do casal.

A reconstituição está marcada para começar às 10h e terá a participação dos cinco seguranças que agrediram Santana e de dois policiais que insultaram o vigilante, ao invés de socorrê-lo. É a primeira vez que a vítima e os agressores se encontram.

“A burocracia do Estado faz com que a Justiça tarde”, diz o advogado de defesa Dojival Vieira. As imagens do circuito de segurança, encaminhadas para perícia na época, tiveram o laudo emitido somente em março deste ano.

Segundo ele, inicialmente, o caso foi registrado como lesão corporal, mas deveria ter sido apurado como tortura.

“Até agora o inquérito do caso não foi concluído. No início, foi classificado como lesão corporal dolosa, mas eu pedi que fosse incluído como crime de tortura”, diz Vieira. Com as agressões, o vigilante quebrou o maxilar e teve que passar por uma cirurgia. Ele não foi socorrido e foi dirigindo até o hospital.

O Carrefour informou que afastou a gerência de sua loja em Osasco (Grande São Paulo) e substituiu a empresa que prestava serviços de segurança para o supermercado após o relato do cliente.

A Polícia Militar abriu um procedimento interno para apurar se policiais que atenderam Santana foram negligentes na hora de prestar socorro ao vigilante após a agressão.

O inquérito está sendo apurado pela delegada do 9º DP de Osasco (Grande SP), Rosângela da Silva.

+ sobre o tema

Querido atleta branco

Foi com enorme desprazer que me deparei com a...

O Negro e o Jazz nos EUA

Resumo O tema deste projeto se deu por um interesse...

Número de crimes raciais cresce 65% na Grande SP

Somente nos cinco primeiros meses deste ano foram registradas...

Depressão em crianças e racismo

  461 estudos apontam a relação entre discriminação...

para lembrar

Quatro histórias sobre o racismo institucionalizado

Um manual da PM brasileira, os disparates criminosos...

Movimento negro apresenta livro sobre racismo em Ilhabela

A Prefeitura de Ilhabela receberá representantes do Conselho de...

Príncipe Harry diz que ‘preconceito inconsciente’ alimenta racismo

O viés inconsciente pode levar a um comportamento racista...

‘Trabalho de domésticas é resquício da escravidão’, diz Bianca Santana

Bianca Santana é uma das principais pensadoras do racismo...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=