Por que a Globo desistiu da nudez da Globeleza? Por Nathali Macedo

Digo sempre que temos nos contentado com pouco.

Ficamos felizes quando vamos a algum lugar e não somos assediadas, ganhamos o dia quando a mídia nos trata com o mínimo de respeito, ficamos satisfeitas, frequentemente, com migalhas.

Por Nathali Macedo, para DCM

Eis que, depois de mais de vinte anos, a Globo decide vestir a Globeleza. Depois de mais de duas décadas vendendo o carnaval brasileiro como “bundas pretas disponíveis” e reforçando o estereótipo colonial e fetichizante que pesa sobre os ombros da mulher negra.

Substituíram a mulata tipo exportação por um retrato romantizado da miscigenação brasileira, e pensam que nós temos motivos para comemorar.

Sejamos honestos: não está fácil pra ninguém, nem mesmo para a Globo (em termos de audiência, não de repasses de dinheiro público, é claro). A nova geração tem desligado os televisores e mantido uma relação de felicidade e liberdade com a Netflix.

As opções para sabotar a Globo são infinitas. Pra muita gente, sabotar a Globo tem sido, na verdade, quase um instinto natural. Ninguém mais tem razões para aturar celebração televisiva ao turismo sexual.

Vestir a Globeleza não foi um ato de empatia, foi estratégico – admitir isso sequer dói, de tão óbvio.

Uma grande emissora precisa fazer, ainda que num teatro muito mal encenado, o que o seu público espera dela. A Globo entendeu isso há algum tempo, embora tenha se saído muito mal no intento: já teve até Fernanda Montenegro protagonizando beijo lésbico, como se a emissora se importasse com questões relevantes como a lesbofobia (e, no caso da Globeleza, como machismo e racismo).

É pouco, como o gol de honra após a goleada da Alemanha, o que não significa que seja ruim, que seja a prevalência da caretice sobre a liberdade – nudez nem sempre é sinônimo de liberdade (nesse caso específico, era da mais articulada violência).

Deixamos de ter uma mulher nua para representar o carnaval aos olhos da Globo? Ótimo, mas isso certamente não será suficiente para que eu gaste meu tempo com telejornais tendenciosos e novelas previsíveis.

+ sobre o tema

Racismo científico, definindo humanidade de negras e negros

Esse artigo foi pensado para iniciar um diálogo sobre...

“Pérola Negra: Ruth de Souza” traça panorama da carreira da atriz

Mostra que entra em cartaz no CCBB traz 25...

Mylene Pereira Ramos: a juíza que defende maior diversidade na magistratura

“Em nossa sociedade, fatores como raça e condição social,...

para lembrar

Jovem preta é afastada de bebê após nascimento em maternidade de Florianópolis

Manifestantes fizeram um ato na tarde desta sexta-feira (30),...

Discriminação é comum, porém velada, dizem negras desempregadas

Para atendente, oportunidades de emprego são maiores para os...

Eu, mulher, psicóloga e negra

Quando nossa comissão editorial resolveu ouvir psicólogos negros, para...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=