Preciso comprar sapatos – Por Fernanda Pompeu

Com tanta oferta de calçados – genéricos, de marca, feito em Franca, made in China, made in trabalho escravo – fica difícil relembrar a simbologia de ter os pés descalços. Mas volta e meia, pessoas mais velhas contam histórias envolvendo sapatos.

Outro dia mesmo, uma senhora me narrou uma passagem comum a crianças pobres. Disse ela: “Minha irmã e eu dividíamos um único calçado. Ela estudava de manhã, eu à tarde. Daí, eu esperava por ela na esquina da escola. Então eu calçava os sapatinhos e minha irmã seguia descalça para nossa casa.”

No começo do século XX, o centro do Rio de Janeiro, então capital federal, foi sacudido por uma grande reforma. Para dar lugar à Avenida Central, hoje Avenida Rio Branco, foram demolidas centenas de casas e desalojadas milhares de pessoas. A concepção arquitetônica vinha, é claro, da Europa.

Pronta a reforma, o prefeito Pereira Passos baixou uma série de restrições. Entre elas, ficava proibido andar descalço pelas ruas do centro. Houve quem interpretasse a proibição como um desejo de civilizar os sem-alpargatas. Outros entenderam que ao proibir os “pés descalços”, a elite carioca estava expulsando os pobres do então cartão-postal da capital do país.

Uma vez estive em Curaçao, no Caribe, para escrever um roteiro de vídeo que vendia as belezas da ilha aos turistas brasileiros. Minha simpática cicerone contou a história da famosa ponte móvel Rainha Emma, construída nos anos 1880. A ponte é só para pedestres e se abre para a passagem de transatlânticos e petroleiros.

Pois quando a ponte ficou pronta, as autoridades decidiram cobrar pedágio dos transeuntes. Mas por justiça, quem estivesse descalço não precisaria pagar. “Sabe o que aconteceu?”, ela me perguntou.

Respondi no ato: “Todo mundo tirou os sapatos para atravessar de graça.” Ela esclareceu: “Muito ao contrário. Quem não tinha calçados pedia emprestado ou até alugava um par.” Fiquei surpresa. Naquele momento pensei: como as culturas podem ser diferentes.

Depois, refletindo, acho que encontrei uma melhor explicação. A de que ninguém gosta de ostentar a própria pobreza. Ninguém quer exibir para o mundo os pés descalços pela impossibilidade de comprar um simples chinelo.

 

 

Fonte: Yahoo 

+ sobre o tema

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

Procurador-geral da República, Janot, pede prisão de Renan, Sarney, Jucá e Cunha

Janot também pediu afastamento de Calheiros da presidência do...

No Governo Dilma as mulheres estão reclamando de barriga cheia?!

Fátima Oliveira Estela e Gracinha tomavam uma fresca na calçada...

para lembrar

Número de mulheres eleitas prefeitas no 1º turno aumenta 31,5% no país

Candidatas alcançaram posto em 663 cidades, mas apenas uma...

Em prédio novo, escola de SP não possui itens básicos para estudar.

Prédio novo também continha sobras de material de construção...

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

A Guiana ganhou na loteria e está prestes a...

Mano Brown e Iceblue gravam com Fernando Haddad

por Walber Silva O candidato a prefeitura de São...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=