O texto de Lado a lado e a sublevação do senso comum sobre as assimetrias raciais no Brasil – Por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva
O capítulo de Lado a lado, veiculado no entardecer do primeiro sábado de março, do ano da vitória de 2013, entrou para os anais da teledramaturgia brasileira. Eram inacreditáveis, insondáveis, imprevisíveis, cenas como aquelas na Rede Globo, onde a liberdade de expressão tem sido tão limitada.
Na primeira cena antológica, Isabel (Camila Pitanga) amparada por Afonso (Milton Gonçalves) conta a Elias (Cauê Campos) que a moça dos doces, sua avó, Constância (Patrícia Pillar) é a bruxa da história. Quando indagada por Elias sobre por que Constância não gostava dela, Isabel diz que era pobre. Elias, o menino esperto, tem resposta para tudo e diz que não são mais pobres e que Constância pode ter mudado, ter-se arrependido, faz tanto tempo que ela o roubou da mãe. O diálogo é mais rico e dramático do que esta síntese. A memória recente apagou detalhes, haja vista que a analista foi para o espaço e me tornei simples telespectadora, sem caneta e caderno à mão.
A cena descrita foi muito feliz ao captar a ignomínia do racismo, já anunciada por Isabel em capítulos anteriores. Como é que a mãe explica a uma criança que ela vale menos porque é negra, contrariando todo o empenho dela, a mãe, para tratá-lo como menino especial. Se bem observarmos, Elias e Melissa (Eliz David) vestem-se de maneira diferente de todas as outras crianças do morro, comem outra comida em suas respectivas casas, têm outros hábitos e acessos. Melissa é branca e rica, Elias é como as crianças do morro, mesmo tendo se tornado de classe média.
O novo é a explicitação de que não interessa ter recursos econômicos e simbólicos frente ao racismo, você continua sendo negro e por isso, considerado inferior, manipulável. Elias é aquele que deveria crescer escondido para não envergonhar a família branca da avó. Aquele que não foi assassinado na hora do parto porque num rudimento de humanidade, a vilã resolve trocar a criança viva por outra morta, comprada de uma mãe infeliz e miserável qualquer. Isabel, Afonso, tia Jurema (Zezeh Barbosa), Zé Maria (Lázaro Ramos) e o restante do núcleo negro, incluindo as comparsas de Constância, parecem ser os únicos a compreender a monstruosidade da baronesa em toda sua extensão. Ela pagou alguém para comprar uma criança morta, usada para substituir outra, nascida viva, caso alguém tenha esquecido.
A segunda cena abre com Isabel dizendo ao pai: “negro, porque você é negro! Eu não consegui dizer ao meu filho que a avó o roubou de mim porque ele é negro.” É um diálogo de dois negros em carne-viva, dilacerados pelo racismo o que se ouve a seguir, às sete da noite, como uma lua linda dando o ar da graça pela janela. De quebra, o pai conservador parece compreender que o ofício da filha, de empresária e dona de um teatro, cujas atividades acontecem também à noite, é um trabalho digno.
Noutra cena do capítulo magistral, Laura (Marjorie Estiano) aceita a proposta de Edgar (Thiago Fragoso) de que ela seja a testemunha responsável por reabrir o processo de rapto de Elias, considerando que ela, mulher branca, filha da vilã, ouviu a megera confessar a Isabel e Afonso (dois negros que nada valem e diretamente interessados no litígio) que, realmente, raptara o recém-nascido Elias. Bingo! O mocinho advogado e a mocinha filha da vilã entenderam o papel estratégico que tinham a desempenhar naquela situação. Edgar honra alcunha de ser um dos melhores advogados do Rio de Janeiro de então e Laura agirá de acordo com sua consciência ética e sua noção imparcial de justiça.
Na última cena do dia memorável, Laura trava luta corporal com a mãe para entregar uma matéria sobre corrupção no Judiciário para o jornal de Guerra (Emílio de Mello). Reportagem assinada por ela, Laura Vieira, não por Paulo Lima, seu fantasma e, ainda melhor, incriminando o promotor Coimbra, responsável pelo arquivamento do processo de Constância, mediante polpudo suborno.
Arre Frederico, foi um capítulo de tirar o fôlego. Que os orixás mantenham Ali Kamel em estado hibernal. Caso esteja acordado, pode apenas ser uma no cravo, outra na ferradura. Lógica global, enquanto pipoca a chamada para a próxima novela.
Que Lado a lado crie raízes fortes, floresça e frutifique, pelo menos entre seus seguidores e seguidoras que a tem levado para o debate sobre relações raciais nas escolas públicas, em universidades, em trabalhos de conclusão de curso, artigos, monografias e dissertações sobre mídia e representação social.

+ sobre o tema

Lancellotti, Varella, Suplicy e outros

Minha filha me pergunta qual é o nome do...

Abdias concorre ao Premio Nobel da Paz 2010

Por: PLÍNIO FRAGA Pouco ousado, Lula não foi até o...

Daniel Munduruku: “Índio é invenção total, folclore puro”

Tatiana Mendonça Volta e meia, o paraense Daniel Monteiro Costa,...

para lembrar

Encontro nacional de Ocupação da Política!

O projeto Este é um chamado para um encontro. Um encontro...

Governo antecipa Bolsa Família e aluguel social para cidades fluminenses atingidas pela chuva

O governo federal vai antecipar o pagamento do benefício...

O sono da memória

Seria bom se as ideias viessem sempre acompanhadas de...

Defender Lula não é ser petista, é ser justo. Por Luiz Gonzaga Beluzzo

O economista Luiz Gonzaga Beluzzo, em artigo artigo especial,...

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses passado pela corrupção institucional, te faltaria um pedaço importante de percepção desta terra de mártires...

“Inácia” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.5

— Senhora, senhora! Eu corri atrás da zungueira para entregar-lhe um galho seco e sem cheiro que caíra da bacia que carregava na cabeça....

“Cadê o Roque Santeiro que estava aqui?” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.4

Eu já tinha ouvido falar do Roque Santeiro, mas, quando li Jaime Bunda, fiquei encantada, decidi conhecê-lo. Ir até a Sambizanga tornou-se uma meta...
-+=