Guest Post »

Presidente da Nigéria encontra pela 1ª vez meninas que fugiram de cativeiro do Boko Haram

A pedido da ativista paquistanesa Malala, Goodluck Jonathan também se reuniu com pais das estudantes que ainda estão sequestradas

O Presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, se reuniu pela primeira vez nesta terça-feira (22/07) com alguns pais das mais de 200 estudantes que foram sequestradas pelo grupo terrorista islâmico Boko Haram em 14 de abril na cidade de Chibok. O encontro também contou com a presença de algumas garotas que conseguiram escapar dos extremistas.

Segundo o The Guardian, pelo menos 11 dos pais das sequestradas já morreram desde o sequestro em massa: sete em virtude de um ataque extremista na região neste mês e os outros quatro de ataques cardíacos e outras doenças que a comunidade de Chibok atribui ao trauma do incidente em abril.

De acordo com o porta-voz da comunidade de Chibok, Lawan Abana, havia 177 pessoas na reunião da delegação de Jonathan. Segundo um repórter da Associated Press, o evento contou com 51 das 57 meninas que escaparam nos primeiros dias após o sequestro.

Malala Yousafzai

Na segunda passada (14/07), a jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai — que ficou conhecida por lutar pelos direitos das mulheres à educação e por sofrer um atentado do Talibã – foi à capital, Abuja, onde se encontrou com algumas das estudantes que conseguiram escapar dos terroristas e com pais de meninas ainda reféns

“Perguntei ao presidente se era possível ele encontrar os parentes e essas meninas, para incentivá-los e assegurar-lhes que suas filhas vão voltar”, declarou a jovem, segundo AFP.

A adolescente de 17 anos Malala e Goodluck Jonathan, durante reunião no palácio do líder em Abuja (capital) no último dia 14 de julho
A adolescente de 17 anos Malala e Goodluck Jonathan, durante reunião no palácio do líder em Abuja (capital) no último dia 14 de julho

Durante meses, os pais das garotas pediram para ver o líder nigeriano, mas ele só consentiu após encontro na última semana com Malala. Jonathan justificou que havia recusado a reunião com os pais por acreditar que a campanha internacional #BringBackOurGirls serviu para politizar os sequestros e, consequentemente, criticar seu governo.

Atual líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, aparece em vídeo reivindicando a autoria de um ataque na Nigéria
Atual líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, aparece em vídeo reivindicando a autoria de um ataque na Nigéria

No encontro, ainda esteve presente o governador Kashim Shettima de Estado de Borno, de onde as meninas foram raptadas. Shettima acusou Jonathan de não fazer o suficiente para salvar as estudantes e irritou o governo com as suas acusações de que os combatentes do Boko Haram estão melhor armados e mais motivados do que o Exército da Nigéria.

Alguns dos pais fizeram declarações públicas pedindo para Jonathan negociar com os sequestradores. Pela troca das meninas, o Boko Haram exige a libertação de membros do grupo detidos — o que o líder nigeriano recusou.

 

Fonte: Opera Mundi

Related posts