Preta de alma embranquecida

Ando pesquisando sobre a negritude e a resistência é a máxima possível, estou à dias lendo artigos, vendo vídeos, trabalhos, teses, dissertações, recolhendo material, mas à medida em que vou lendo vou me confrontando com a Europa que habita em mim. Quarentena, em casa, lugar onde eu sou eu. As discussões com minha mãe aumentaram, confrontos com quem sou para o outro, o mais próximo de mim possível. Como em um espelho a minha mãe me confronta sobre convivência, o quanto que não sei viver com o outro, o quanto que em um mesmo espaço quero ser eu somente. No mesmo momento em que leio sobre filosofia africana, onde relata que o eu só existe a partir do outro, viver em comunhão, no sócio de fato, escuto de cientistas pretas falando sobre a individualidade trazida da Europa para a nossa sociedade.

Em uma tentativa de reconexão comigo, com África me confronto com o inimigo oculto, este não tinha face mas estava bem distante de mim e isso é certo. Ao menos era. Pude ver a totalidade europeia em mim, o quão branca sou, o quão branco são meus pensamentos e meus ideias. Um rasgo no peito. O que me feria, o que procurava distancia, estava tão próximo que não conseguia perceber. Doeu ler sobre filosofia africana e identificar na fala da minha mãe, em suas ações, em sua relação com o outro e com o mundo, tudo o que eu precisei pesquisar para entender. Penso no quanto de sabedoria que existe no que tenho de mais próximo de África: Minha mãe, minha ancestral viva. Lendo, encontro condutas, falas, sentimentos, que segundo ela, não sabe de onde vem, são dela diz. Na mesma medida em que deparo com a forma como me relacionava, me distanciando dessa conexão. O clamor à África, foi preciso ser feito primeiro para mim.

A separação da Europa é dolorosa, pois até ontem era o que eu era. A individualidade era o que almejava, a verticalidade, a sobreposição, o poder dominador, a frieza faziam parte de mim e o que mais me dói é perceber o prazer sentido por deter essas características, que não se distanciam repentinamente, é um processo, de desligamento e de retorno. Não conseguia dar continuidade as leituras, me peguei em momentos onde os olhos apenas passavam sobre a tela. Um bolo se instalava na garganta, não conseguia fazer conexão com o que estava lendo e com o que sou, com o que penso, isso doia. Renunciar a Europa em mim é um processo de dor, talvez pelo reconhecimento, mas em maior medida, é dizer da alegria de um reencontro. Uma sensação de pertencimento, de acolhimento. Vontade de deitar a cabeça no colo da África e receber um cafuné, um olhar de boas-vindas.

A medida em que leio e escrevo, penso em uma outra figura de referência de mulher negra: Minha avó materna, quantas saudades.


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

Mercado imobiliário dos EUA revela piora na desigualdade racial em uma década; entenda

Sharan White-Jenkins é uma mulher negra, proprietária de um...

Literatura africana em sala de aula: uma proposta didática

A relação entre história e literatura vem de longa...

para lembrar

Racismo Estrutural: Onde fica o Direito?

A ausência negra na prática da advocacia diz muito...

Cor da Pele

As pessoas tendem a elogiar os negros dizendo: Nossa,...

Meu corpo preto e meu dinheiro as marcas racistas não veem

O “Zara zerou” é mais um exemplo de como...

Geledés participa do Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas

Em mais uma atuação relevante no cenário internacional que...
spot_imgspot_img

Câmara do Rio de Janeiro promove encontro entre familiares de vítimas da violência do Estado

Pela primeira vez, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro promoveu o “Café das Fortes” que reúne mães e familiares de vítimas do genocídio...

Torta de climão

Conversa vai, conversa vem, dia desses uma conhecida relatou o desconforto que sentiu ao ser tratada como "a diferente" durante uma viagem ao exterior. –...

Mais de 600 pessoas negras foram mortas em MT em 2021, aponta Atlas da Violência

Mato Grosso registrou 672 casos de homicídio contra pessoas negras no ano de 2021, segundo os dados do Atlas da Violência 2023, que foram...
-+=