sexta-feira, novembro 26, 2021
InícioQuestão RacialCasos de Racismo“Preta imunda”, cantam alunos em hino na faculdade de medicina da USP

“Preta imunda”, cantam alunos em hino na faculdade de medicina da USP

Para justificar o racismo da canção, entoada pela bateria do curso, os uspianos argumentam: “Nosso mestre de bateria é negro”. Além disso, os estudantes afirmam, em sua defesa, que a música é antiga “o racismo e preconceito eram comportamentos corriqueiros”

Por Redação no, SpressoSP

Alunos da Batesão, bateria da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto estão sendo acusados de racismo. O grupo compôs e tem cantado um hino que chama mulheres negras de “preta imunda”. Não bastasse a ofensa racial, os estudantes ainda entoam versos como “loirinha bunduda” e “morena gostosa.”

A aberração foi denunciada pelo Coletivo Negro da faculdade e será levado até a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), nesta terça-feira (11). A canção é cantada durante jogos universitários e, sem pudor algum, sua letra foi distribuída aos alunos calouros.

“A batesão assume seu lugar de senhor dos escravos, pega o chicote e violenta mais uma vez as mulheres negras, se não pelo estupro, pela subjugação do nosso corpo”, afirma o Coletivo Negro. O vice-diretor da Faculdade de Medicina, professor Hélio Cesar Salgado, soltou uma nota repudiando a música.

A Batesão publicou uma nota, em seu perfil no Facebook, tentando justificar a canção. No texto, os estudantes afirmam que “o cancioneiro, pequeno livro com músicas foi criado há muito tempo”, quando “o racismo e preconceito eram comportamentos corriqueiros.”

RELATED ARTICLES