“Preta imunda”, cantam alunos em hino na faculdade de medicina da USP

Para justificar o racismo da canção, entoada pela bateria do curso, os uspianos argumentam: “Nosso mestre de bateria é negro”. Além disso, os estudantes afirmam, em sua defesa, que a música é antiga “o racismo e preconceito eram comportamentos corriqueiros”

Por Redação no, SpressoSP

Alunos da Batesão, bateria da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto estão sendo acusados de racismo. O grupo compôs e tem cantado um hino que chama mulheres negras de “preta imunda”. Não bastasse a ofensa racial, os estudantes ainda entoam versos como “loirinha bunduda” e “morena gostosa.”

A aberração foi denunciada pelo Coletivo Negro da faculdade e será levado até a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), nesta terça-feira (11). A canção é cantada durante jogos universitários e, sem pudor algum, sua letra foi distribuída aos alunos calouros.

“A batesão assume seu lugar de senhor dos escravos, pega o chicote e violenta mais uma vez as mulheres negras, se não pelo estupro, pela subjugação do nosso corpo”, afirma o Coletivo Negro. O vice-diretor da Faculdade de Medicina, professor Hélio Cesar Salgado, soltou uma nota repudiando a música.

A Batesão publicou uma nota, em seu perfil no Facebook, tentando justificar a canção. No texto, os estudantes afirmam que “o cancioneiro, pequeno livro com músicas foi criado há muito tempo”, quando “o racismo e preconceito eram comportamentos corriqueiros.”

+ sobre o tema

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da...

Brasil finalmente considera mulheres negras em documento para ONU

Finalmente o governo brasileiro inicia um caminho para a...

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas...

Instituto Geledés promove evento sobre empoderamento econômico para população negra

O Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

John Legend chamado de “macaco” por fotógrafo

Foi a mulher do artista, Chrissy Teigen, quem revelou...

Dizem que `num´pega, mas um dia ainda vão aprender que pega

Domingo passado, folheando revistas velhas, bati o olho numa...

O Preconceito Racial e suas Repercussões na Instituição Escola

INTRODUÇÃO por: Waléria Menezes A sociedade brasileira caracteriza-se por uma pluralidade...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=