Preta, pretinha, não liga para o que dizem essas pessoas e só abaixe a sua cabeça, quando for para colocar a coroa.¹

Recentemente o Instituto da Mulher Negra – Geledés, realizou a pesquisa “A educação de meninas negras em tempos de pandemia: O aprofundamento das desigualdades”. Embora o estudo tenha como local de pesquisa a cidade de São Paulo, seus resultados chamam a atenção para a situação da educação das meninas negras em todo o país.

O texto desta semana buscará refletir sobre alguns dos resultados alcançados pela pesquisa que devem ser percebidos por mulheres negras adultas, em especial àquelas consideradas lideranças. É evidente que o compromisso com os direitos e cuidado das meninas negras, e de todas as crianças e adolescentes, é de responsabilidade coletiva, exatamente como determina o artigo 227 da Constituição Federal, entretanto, é notório que as mulheres negras têm um olhar mais sensível, humano e próximo à realidade das meninas negras, seja porque um dia já foram meninas negras , seja porque elas irão herdar  o legado social das conquistas alcançadas pelas mulheres negras.

Neste sentido, destacamos 5 resultados que nos convidam a refletir ainda mais sobre o papel das mulheres negras, não apenas na representatividade, mas também no cuidado, na proteção e na defesa dos direitos de meninas negras:

1.   Meninas negras acessam menos a Internet. Segundo a pesquisa “estudantes negros têm 2,3 vezes menos acesso à Internet por celular (14%) do que os brancos (6%)”. Isto significa, que as poesias escritas às meninas negras, como “Menina Melanina” da Mel Duarte, que nos lembra de abaixar a cabeça apenas para colocar a coroa, e até mesmo este texto, que no seu plano de fundo é uma carta de amor às meninas negras, elas terão menos chances de acessar do que qualquer outra adolescente na mesma idade.

2.   Meninas negras têm menos tempo e oportunidades para estudar. A pesquisa aponta que “57,1% dos meninos brancos estudam 3 vezes ou mais por semana, enquanto 56,2% das meninas brancas, 38,8% dos meninos negros e 34,1% das meninas negras”. Ter menos tempo e oportunidade de estudar está diretamente ligado ao próximo resultado apontado pela pesquisa e que também merece destaque.

3.   Meninas negras são as maiores vítimas do trabalho infantil. De acordo com a pesquisa “as crianças negras representam 62,7% das vítimas do trabalho infantil e, quando desagregamos por categorias de trabalho, são 73,5% no trabalho doméstico, área que também concentra 94% de meninas”. Todo dia 12 de junho é marcado pelo Dia Nacional e Internacional de Combate ao Trabalho Infantil, a invisibilidade desta data também reforça e agrava a invisibilidade das meninas negras vítimas do trabalho infantil.

4.   Meninas negras têm mais professoras negras e isso mostra que as mulheres negras, mais uma vez, são as que mais possuem contato e estão próximas das meninas negras, mesmo na sala de aula. Os resultados mostram “que a maioria do grupo de docentes desta pesquisa são mulheres (77,85%), sendo as mulheres negras (44,97%) quase metade do total de docentes, seguidas de mulheres brancas (32,21%), homens negros (14,09%) e homens brancos (7,38%)”. Neste sentido, cuidar de quem cuida nunca fez tanto sentido. É dizer: mulheres negras cuidadas  com saúde, proteção e educação, significa que meninas negras também terão melhores condições de serem cuidadas e protegidas.

5.   Meninas negras não têm suas especificidades de raça e gênero consideradas pelas organizações da sociedade civil. Por fim, a pesquisa identificou que “há um silenciamento das organizações da sociedade civil nos debates sobre os desafios para o enfrentamento do racismo e do sexismo desde a primeira infância. Nas respostas das instituições pesquisadas sobre as questões de raça/cor e gênero, apresentadas anteriormente, observamos que, de modo geral, estas instituições consideram que as questões vinculadas à raça e gênero produzem desigualdades na vida de crianças e adolescentes negras e negros, mas essas questões são secundarizadas. Há um aumento dos efeitos psicossociais do racismo; e que a pandemia ampliou a vulnerabilidade das meninas negras”. Este resultado aponta que as expressões “nós por nós”, “sou porque somos” ou “tudo que nós tem é nós”, não são apenas frases bonitas que compõem canções de resistência, mas sim princípios e mantras de sobrevivência dos nossos corpos desde a infância.

Os resultados desta pesquisa, ainda que concentrados na cidade de São Paulo, revelam, na verdade, a prática e a realidade cotidiana de milhares de meninas negras por todo o Brasil. A pesquisa também destaca a importância e a urgência de uma ”abordagem interseccional comprometida com a justiça social, e que impulsione uma agenda para a construção e intervenção social em favor das meninas negras”. Neste sentido, o que se busca é encontrar mecanismos e ferramentas para que as mulheres negras, também vistas socialmente como a base da sociedade, em especial as mulheres negras vistas como lideranças, possam colaborar com esta construção e intervenção que propõe a presente pesquisa.


 ¹ Trecho da poesia “Menina Melanina” da poeta e artista Mel Duarte.

 ² Advogada, Líder do Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco apoiada pelo Fundo Baobá.

 ³ Graduada em Direito e coordenadora da Clínica de Direitos da Criança e do Adolescente, vinculada à FDUSP.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Contrução identitário e a importância da educação das relações étnico-raciais na infância

Os espaços de educação infantil são característicos pela ampliação...

Os campos e a cor: Um caso de racismo por semana no futebol brasileiro em 2017

Enquanto a bola rola nos gramados nacionais, um monstro...

Oxfam Brasil contrata Assistente Executivo(a)

Oxfam Brasil contrata Assistente Executivo(a) para dar apoio à...

para lembrar

Em SP, só aluno do 1º ano terá aula de espanhol

O governo de SP anunciou ontem que apenas alunos...

Desmoralizaram os professores

Apenas 2% dos estudantes do ensino médio querem ser...

MEC edita dois livros sobre questões étnico-raciais

O Ministério da Educação, por meio da Secretaria de...

Sobram mais de 7 mil vagas no Sisu, aponta balanço do MEC

O Mistério da Educação (MEC) divulgou nesta quarta-feira um...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...
-+=