Exposição virtual: Adé Dudu: Caminhos LGBT+ na luta negra

Com muita satisfação, anunciamos a abertura da Exposição “Adé Dudu: Caminhos LGBT+ na luta negra” no Google Arts & Culture

No dia 28 de junho, Dia Internacional do Orgulho LGBT+, apresentamos a exposição “Adé Dudu: Caminhos LGBT+ na luta negra”. A partir de arquivos privados, documentos públicos e entrevistas com remanescentes e apoiadores contruímos a história do “Adé Dudu: grupo de negros homossexuais”. O grupo construiu uma sólida reflexão e traçou importantes mecanismos de atuação para combater e evidenciar o preconceito contra os negros homossexuais em Salvador, nos anos 1980. A articulação entre os movimentos sociais do período, as formas de reprodução do racismo e da homofobia, as estratégias para combater o “duplo preconceito” e a cidade criada para vivenciar a homossexualidade estão presente ao longo da exposição, que ainda aborda a importância do direito à memória dos homossexuais negros que agiram, lutaram e existiram nessa sociedade racista e LGBTfóbica.

O material pode ser acessado em português e inglês e é mais um resultado da parceria entre a Rede de HistoriadorXs NegrXs, o Geledés e o Acervo Cultne!

Ao longo de todo 2021, muitas outras “Nossas Histórias” sobre vidas, lutas e saberes da gente negra serão contadas em salas de exposições virtuais!

Live

A Rede de Historiadorxs Negrxs convida todxs para a live de lançamento da exposição “Adé Dudu: Caminhos LGBT+ na luta negra”. O encontro acontecerá hoje, 28 de junho às 20:00, no YouTube.

Participam da Live:

Marcus V. de Oliveira (mediação)
Historiador, professor da educação básica e doutorando em História pela UFF. Integrante da Rede de Historiadxs Negrxs, do Laboratório de História Oral e Imagem e do podcast Atlântico Negro.

Ermeval da Hora
Professor, gestor escolar e artista plástico. Conselheiro do CELGBT da SJDHDS da Bahia, militante de terreiro de matriz africana, membro do Fórum Estadual LGBT+ da Bahia, membro do Coletivo Nacional LGBT+ do MNU e Coordenador LGBT + do MNU Salvador.

Wilson Mandela:
Professor, economista e advogado. Membro da FJUNNE (Frente de Juristas Negras e Negros), integrante do IANB (Instituto da Advocacia Negra Brasileira), membro da Comissão de Ética do Movimento Negro Unificado/Rio de Janeiro e integrante do Coletivo LGBTI do MNU.

+ sobre o tema

Nas margens da liberdade: lutas negras em igarapés e rios amazônicos

No dia 24 de setembro de 1870, na freguesia...

Representação e empoderamento de mulheres negras no ensino de História

O presente texto é fruto das reflexões de minha...

Transgressões e atrevimentos políticos na trajetória da pianista Tânia Maria

Atenção! Repitam comigo, por favor: Tânia Maria. Mais alto:...

Uma história negra com certeza: a escrita histórica nos jornais negros paulistanos

No ensolarado sábado de 24 de outubro de 2020,...

para lembrar

Autorias negras: por que estudá-las?

Gostaria de iniciar este texto com uma questão: por...

Branqueamento, indígenas e o tráfico de escravos

Em sua tese de livre docência, John Monteiro afirmou...

Clóvis Moura: um intérprete do Brasil

As ciências humanas brasileiras nos fornecem uma gama de...

Cidadania e Gente Negra no Brasil – uma incompatibilidade construída

Para o bem e – por mais estranho que...

Mulheres negras e trabalho doméstico: uma biografia de Laudelina de Campos Melo

Este texto tem por objetivo evidenciar D. Laudelina de Campos Melo como uma referência histórica que nos ajuda a refletir sobre o passado e...

O Pioneirismo haitiano nas lutas pela liberdade no Atlântico

Quando falamos em liberdade, igualdade de direitos, cidadania, democracia, países europeus e os Estados Unidos são facilmente acionados como lugares pioneiros e espaços de...

A “mulata trágica”: repensando a categoria mulata no Brasil

O século XXI tem sido o século das imagens. Disputas de narrativas tem se dado no contexto das redes sociais, em que imagens viralizam...
-+=