Exposição virtual: Adé Dudu: Caminhos LGBT+ na luta negra

Com muita satisfação, anunciamos a abertura da Exposição “Adé Dudu: Caminhos LGBT+ na luta negra” no Google Arts & Culture

No dia 28 de junho, Dia Internacional do Orgulho LGBT+, apresentamos a exposição “Adé Dudu: Caminhos LGBT+ na luta negra”. A partir de arquivos privados, documentos públicos e entrevistas com remanescentes e apoiadores contruímos a história do “Adé Dudu: grupo de negros homossexuais”. O grupo construiu uma sólida reflexão e traçou importantes mecanismos de atuação para combater e evidenciar o preconceito contra os negros homossexuais em Salvador, nos anos 1980. A articulação entre os movimentos sociais do período, as formas de reprodução do racismo e da homofobia, as estratégias para combater o “duplo preconceito” e a cidade criada para vivenciar a homossexualidade estão presente ao longo da exposição, que ainda aborda a importância do direito à memória dos homossexuais negros que agiram, lutaram e existiram nessa sociedade racista e LGBTfóbica.

O material pode ser acessado em português e inglês e é mais um resultado da parceria entre a Rede de HistoriadorXs NegrXs, o Geledés e o Acervo Cultne!

Ao longo de todo 2021, muitas outras “Nossas Histórias” sobre vidas, lutas e saberes da gente negra serão contadas em salas de exposições virtuais!

Live

A Rede de Historiadorxs Negrxs convida todxs para a live de lançamento da exposição “Adé Dudu: Caminhos LGBT+ na luta negra”. O encontro acontecerá hoje, 28 de junho às 20:00, no YouTube.

Participam da Live:

Marcus V. de Oliveira (mediação)
Historiador, professor da educação básica e doutorando em História pela UFF. Integrante da Rede de Historiadxs Negrxs, do Laboratório de História Oral e Imagem e do podcast Atlântico Negro.

Ermeval da Hora
Professor, gestor escolar e artista plástico. Conselheiro do CELGBT da SJDHDS da Bahia, militante de terreiro de matriz africana, membro do Fórum Estadual LGBT+ da Bahia, membro do Coletivo Nacional LGBT+ do MNU e Coordenador LGBT + do MNU Salvador.

Wilson Mandela:
Professor, economista e advogado. Membro da FJUNNE (Frente de Juristas Negras e Negros), integrante do IANB (Instituto da Advocacia Negra Brasileira), membro da Comissão de Ética do Movimento Negro Unificado/Rio de Janeiro e integrante do Coletivo LGBTI do MNU.

+ sobre o tema

“Eu nasci e me criei aqui”: o processo de reconhecimento do território quilombola do Vale do Iguape

“Organizem-se, é em legítima defesa, porque não há mais...

Aguinaldo de Oliveira Camargo e as multifaces de um ativista

Nossas histórias, a história da gente negra está recheada...

Retrospectiva 2021 da coluna NOSSAS HISTÓRIAS – Aqui a gente conta!

Vamos começar este novo ano lembrando do que fomos...

Trajetórias e territórios negros na vila de Itu (1770-1840)

Quem visita a cidade de Itu, no interior do...

para lembrar

Liliam Thuram: “Quando cheguei a Paris, com nove anos, dei-me conta que era negro”

Antigo internacional francês, em entrevista ao jornal Marca, aborda...

“Ser líder negra é ser infinita, como toda grande força”, diz Neon Cunha

Geledés no Debate inicia 2019 entrevistando Neon Cunha, ativista,...

Exposição: “Águas de Mãe Iemanjá”

Exposição: "Águas de Mãe Iemanjá" Enviado para o Portal Geledés 

Exposição MÁSCARAS será aberta no Solar Ferrão, em Salvador

A exposição “Máscaras – entreATOS do acervo” será iniciada nesta quinta-feira (30), em Salvador, no Centro Cultural Solar Ferrão, localizado no Pelourinho. As obras fazem parte da coleção de Cláudio...

Exposição Pequenas Áfricas, no IMS Paulista, investiga as origens e transformações do samba urbano no Rio de Janeiro

A partir de 28 de outubro (sábado), o IMS Paulista apresenta a exposição Pequenas Áfricas: o Rio que o samba inventou.. A exposição reconstitui a cena cultural...

Cuidado não é tarefa de mulher

O que é "cuidado" para você? Mulheres negras, sejam cis, trans ou travestis, talvez tenham uma resposta mais complexa. Existe o tempo de ser cuidada. Para...
-+=