Primeiro DJ do Brasil agita noite em Rio Preto

Aos 83 anos, Osvaldo Pereira é uma referência para todas as gerações e tribos das pick-ups no País

Do Diário da Região

Foto: Felipe Larozza

Numa época em que não havia DJs hypados como Alok ou David Guetta e a cena do hip hop nem tinha arrebentado na periferia, Osvaldo Pereira, 83 anos, botava todo mundo para chacoalhar nos ‘bailes mecânicos’ que se despontaram na capital paulista no final dos anos 1950.

Uma referência para todas as gerações e tribos das pick-ups, o primeiro DJ do Brasil se mantém na ativa animando os mais diferentes tipos de evento, dos bailes da terceira idade às festas de música eletrônica.

Seu Osvaldo inspira uma programação especial voltada para idosos que o Sesc Rio Preto realiza nesta quarta-feira, 24. E, claro, com a presença do próprio DJ, que promete conduzir o público por uma viagem musical no tempo.

Ele chegou às ‘festas americanas’ (como eram chamadas as festas que rolavam em apartamentos e residências paulistanas na segunda parte da década de 1950) do Edifício Martinelli, no centro de São Paulo, por conta de uma paixão de infância: o rádio.

Criado na roça, no sul de Minas, Seu Osvaldo acompanhava a irmã aos bailes e adorava ouvir os programas de rádio. Ele até se lembra da primeira vez que viu um aparelho, que naquela época era cobiçado como a TV de última geração dos dias de hoje. “Minha mãe era lavadeira e eu entregava as trouxas de roupas para ela. Um dia, passando em frente ao bar da vila, tinha um rádio na Voz do Brasil. Fiquei encantado ao ouvir O Guarani (de Carlos Gomes) na abertura. E fiquei me questionando como a música tinha chegado até ali, por onde ela passou”, conta em entrevista ao Diário.

Foto: Felipe Larozza

Ao se mudar para São Paulo, em 1946, na adolescência, descobriu um curso de rádio por correspondência e começou a trabalhar numa loja que montava e consertava rádios e aparelhos de som. Não demorou muito para começar a montar seus próprios aparelhos e a animar festinhas que rolavam em bairros.

“Quando construí meu primeiro aparelho, fui chamado para tocar num piquenique, que é o que chamam de rave hoje. Logo depois, um pessoal começou a realizar ‘domingueiras’ no Edifício Martinelli, e me chamou pra tocar”, relembra Seu Osvaldo, que ficou por um bom tempo longe das pick-ups, retomando o trabalho apenas em 2003, quando a jornalista Claudia Assef o procurou para contar sua trajetória no livro Todo DJ Já Sambou: A História do Disc-jóquei no Brasil (Conrad).

“Fui chamado para tocar no evento de lançamento do livro, em uma praça, com dois toca discos e um fone de ouvido. Nossa, foi como voltar no tempo. Desde então retomei essa atividade”, conta ele, que também trabalhou por 12 anos na indústria de eletrônicos Philco, onde se aposentou.

Analógico X digital

Quando Seu Osvaldo despontou nos bailes mecânicos, o som que animava as festas era o jazz norte-americano, além de ritmos como o bolero e o samba canção. Hoje, o repertório dele também envolve décadas de 1970 e 80. Mas também tem espaço pra coisas, digamos, mais atuais. “Meus dois filhos também são DJ, e eles me ajudam a ficar inteirado dessa música de hoje. Eles são minha versão internauta (risos).”

Os discos de vinil continuam acompanhando o DJ pioneiro, mas ele também se garante com um notebook, que traz armazenado mais de 4 mil músicas. “É mais prático e facilita no transporte. Eu nunca imaginava que a música poderia ser armazenada assim. É uma revolução total”, opina.

A história de Seu Osvaldo também é contada no curta-documentário Orquestra Invisível Let’s Dance, lançado pela diretora Alice Riff em 2016. O filme será exibido antes da apresentação do DJ. Além de algumas cenas raras, o curta ainda mostra uma entrevista com o mestre Tony Hits sobre os bailes blacks da década de 1970 e o racismo nas baladas.

Serviço

  • Orquestra Invisível Let’s Dance, de Alice Riff. Hoje, às 20h. Noite do Vinil com DJ Osvaldo Pereira. Hoje, às 20h30. Sesc Rio Preto (Av. Francisco das Chagas Oliveira, 1333). Gratuito

+ sobre o tema

Michelle Obama e Hillary homenageiam Sojourner Truth negra que lutou contra escravidão

Washington, 28 abr (EFE).- Michelle Obama e Hillary Clinton...

Escritor Itamar Vieira Junior é o entrevistado do Trilha de Letras

O segundo programa inédito da nova temporada do Trilha de...

Ntxuva, o xadrez africano, ensina matemática de forma lúdica

Pelas ruas de Maputo, Moçambique, uma cena se repete....

para lembrar

Recontando histórias em Insubmissas lágrimas de mulheres, de Conceição Evaristo

Maria Carolina de Godoy* Escritora, professora, ensaísta e pesquisadora, Conceição...

Crime Racial em Cuba Mais um preso em greve de fome

Crime racial Enrique Patterson Publicado em 26 de fevereiro de 2010,...

Cabelos curtos com Dreadlock

Estou seriamente pensando em fazer dread, estou deixando meu...

Paranaguá inicia “Ecos da Negritude” visando todo o Litoral do Paraná

Com a presença do cônsul do Senegal para o...
spot_imgspot_img

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

Iza anuncia que terá uma menina e o nome será Nala

O primeiro bebê de Iza e Yuri Lima já teve o sexo revelado: será uma menina. A cantora contou a novidade aos fãs na noite desta segunda-feira (13),...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...
-+=