Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

Enviado por / FonteUOL, por Jeferson Tenório

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre do racismo. A postura de Vini Jr. diante da violência que vinha sofrendo é, sem dúvida, um marco histórico na luta contra o racismo no futebol mundial.

O jogador serve de exemplo ao não se calar. Se posicionou contra as ofensas racistas durante os jogos. Foi chamado de macaco por um estádio inteiro, penduraram um boneco enforcado com o número da sua camisa e, mesmo quando o presidente da Liga Espanhola o acusou de manchar a imagem do Real Madrid, o jogador levou às últimas consequências para que os torcedores fossem punidos.

Torcedores são condenados por racismo contra Vini JrImagem: Getty Images

Assim como Rosa Parks, ativista negra que em 1955, no Alabama (EUA), se recusou a ceder um lugar no ônibus para uma pessoa branca, ou ainda quando Martin Luther King liderou um movimento para que negros pudessem entrar numa piscina num hotel em 1965, Vini Jr. entra para o rol de nomes icônicos que se recusaram a naturalizar o racismo.

O caso Vini Jr. deveria servir de inspiração para o Brasil. O racismo no futebol se naturalizou assim como em todos os setores da sociedade. Já existem projetos de lei que estabelecem penalidades por casos de preconceito por raça, cor, etnia, religião ou nacionalidade em eventos esportivos.

No entanto, dificilmente os episódios levam a prisão de torcedores racistas. Assim, a não aplicação de punição para esses torcedores eleva a sensação de que tudo pode em nome do time.

Endurecer a lei que criminaliza atitudes racistas no futebol poderia inibir e, ao mesmo educar, as pessoas. O estádio não pode ser mais visto como um lugar em que vale tudo, um lugar onde se pode dizer tudo em nome de um extravasamento da paixão esportiva.

Os xingamentos racistas não são frutos do “calor da hora”. São frutos de uma mentalidade preconceituosa que se aproveita do racismo recreativo para naturalizar a violência.

A condenação dos torcedores também não deixa de ser uma resposta importante para uma Europa que caminha para o aumento da extrema-direita no parlamento. Os países têm tomado um rumo perigoso nas políticas sobre imigração, por exemplo, aumentando o racismo e xenofobia.

Neste sentido, o futebol como um espaço em que movimenta milhões de pessoas pode servir de veículo para uma conscientização em massa.

+ sobre o tema

Polícia prende membros de grupo skinhead no centro de SP

Cinco jovens suspeitos de fazer parte de um grupo...

BBB 21: desserviço e contribuição ao ódio racial

O BBB 21 nos trouxe uma série de armadilhas....

para lembrar

‘Eu Não Sou Negro’ abre a janela para discutir sobre o Racismo

Aproveitando que o RACISMO é o tema em evidência,...

5 Filmes que mostram o problema do racismo no mundo

Que tal ficar por dentro dos filmes que trazem...

Grupo da ONU sobre afrodescendentes visita o Brasil

  O Grupo de Trabalho de Especialistas da ONU sobre...

Cotas são uma conquista do povo brasileiro

É preciso que fique claro, que as cotas atuais...
spot_imgspot_img

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...
-+=