Prisão é demais para ‘ato que durou só 20 minutos’, diz pai de estuprador nos EUA

Inacreditável.

O pai de um ex-aluno da renomada Universidade de Stanford, condenado na última semana por estuprar uma menina desacordada, resolveu fazer um “apelo” pelo afrouxamento da pena do jovem. Segundo Dan Turner, o estudante não merecia ser preso por um ato “que durou 20 minutos“.

Por: Gabriela Bazzo, do HuffPost Brasil

Brock Turner, 20, foi condenado a seis meses de prisão e três anos de liberdade condicional. A pena foi considerada branda inclusive por autoridades judiciais. A condenação foi anunciada no dia 2 de junho. Condenado por três crimes, Turner podia passar até 14 anos na prisão.

O rapaz também deverá participar de um programa de recuperação para condenados por crimes sexuais e ficará cadastrado, pelo resto da vida, em um banco de dados que compila identidades de criminosos sexuais.

Responsável pela determinação da pena, o juiz Aaron Persky, ex-aluno de Stanford,disse que a prisão vai ter um “impacto severo” no jovem, e argumentou que foi leniente por conta das “referências positivas” e da ausência de histórico criminal do rapaz. A carta de seu pai também foi levada em conta (leia a íntegra, em inglês). “Eu acho que ele não representa perigo para os outros”, disse o juiz, de acordo com o Guardian.

Promotor de Santa Clara e encarregado da acusação, Jeff Rosen afirmou à BBC que a pena é desproporcional ao crime. “A pena não leva em consideração a verdadeira gravidade desse crime sexual, ou o trauma da vítima. Um estupro em um campus não é diferente de um estupro fora de um campus. Estupro é estupro”.

Em sua defesa, o pai do jovem ainda diz que ele “não tem histórico criminal e nunca foi violento com ninguém, incluindo em suas ações na noite de 17 de janeiro de 2015”,data em que estuprou uma jovem desacordada. “Sua vida nunca vai ser aquela que ele sonhou e lutou tanto para alcançar”.

Dois estudantes flagraram Turner estuprando a jovem atrás de uma lixeira – ele tentou fugir, mas foi detido pelos dois rapazes, que esperaram a chegada da polícia. Ela estava desacordada, mas o condenado insiste em dizer que ela consentiu o ato sexual.

Quem também resolveu se manifestar foi a garota estuprada por Turner, que não foi identificada.

“Você não me conhece, mas você já esteve dentro de mim, e é por isso que estamos aqui hoje”, começa o texto. Diante da repercussão do caso, a âncora da CNN Ashleigh Banfield dedicou mais de 20 minutos do seu programa nesta segunda-feira (7) para ler o depoimento da jovem na íntegra.

“Eu fiquei ali, examinando o meu corpo debaixo da água, e decidi que não queria mais meu corpo. Eu estava aterrorizada, não sabia o que tinha acontecido, se ele tinha sido contaminado, por quem tinha sido tocado. Eu queria tirar o meu corpo como um casaco e deixá-lo no hospital com todo o resto”.

 

+ sobre o tema

Bancada Feminina no Senado – Informações Observatório da Mulher

Com as oito mulheres que foram eleitas para o...

A sombra de seu sorriso, por Sueli Carneiro

Era final da década de 70 e durou por...

Japão concede visto diplomático a gay brasileiro casado com cônsul dos EUA

Segundo diplomata, "funcionários do governo nos recebem como um...

Bandeirinha está sendo vítima de abuso

Uma das bases para manter intactos os preconceitos mais...

para lembrar

Proibição da divulgação da homossexualidade na Rússia preocupa comunidade internacional

À semelhança do que ocorre em outros países, na...

Justiça racial: sociedade e Estado em prol da igualdade

Por muito tempo, discriminação foi tema ignorado por Marcia Lima...

Magno Malta quer revogação de portaria que oficializa aborto

O senador Magno Malta (PR-ES) anunciou em Plenário, nesta...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=