Produção de casamentos foca na cultura afrobrasileira

A  quebra das padronizações são muitas vezes elementos importantes para inovar e trazer a tona discussões sobre as diferenças. Foi assim com a Igbeyawo Casamento Afro, uma startup focada na cultura afro-brasileira.

Do Catraca Livre 

“Criamos essa empresa a partir da experiência da organização do nosso próprio casamento, onde encontramos dificuldades de realizá-lo da forma como sonhávamos: com turbante ao invés de deixar os cabelos lisos, descalços, com um vestido que remetesse a nossa ancestralidade e uma conta de orixá na mão, ao invés de um terço¨, conta Thaisa Calixto dos Santos Barros, 31, educadora e criado da Igbeyawo.

ifa9

Foto: ifa9

 

“Escutei diversas vezes: já que foi assim, por que você não casou em um terreiro? Existe então um modelo de casamento? Existe uma religião dominante? Por que determinados símbolos culturais são aceitáveis nesse rito e outros não? Estou falando de cultura e não só de religião”, diz Thaisa.

ifa12-1024x683

Ifa

Segundo a educadora, a empresa é uma proposta afirmativa frente ao racismo simbólico e procura por meio da esfera social do casamento afirmar e reconhecer a ancestralidade negra brasileira. “Entendendo que essa história nos foi negada e que isso ressoa de diversas formas na vida do homem e da mulher negra”, completa.

Em 2015, estão sendo organizados três casamentos. A empresa também lançou a Igbeyawo Feiras Afro, projeto itinerante que pretende circular cinco capitais brasileiras e assim reunir as diversas faces do afroempreendedorismo num só local com cultura, arte, gastronomia, estética, moda, dança e literatura.

“Nosso objetivo assim é ocupar o mundo dos negócios com a nossa cor e cara, encorajando microempreendedores, artesãos, artistas de todos os tipos a buscarem seu espaço também como fornecedores de casamentos”, diz a educadora.

A sede da primeira versão da feira foi a cidade de Salvador, na Bahia, e a próxima será no Rio de Janeiro, no dia 20 de setembro, no Parque da Bola Rio (estádio do Maracanã) em parceria com a Pegada Forte Produções. “A  cada edição teremos o Prêmio Igbeyawo que irá homenagear os grandes nomes negros (artistas no geral, acadêmicos, intelectuais, parlamentares, entre outros) da contemporaneidade de cada cidade sede da Feira”.

 

 

 

 

 

+ sobre o tema

Sonia Guimarães, a primeira mulher negra doutora em Física no Brasil: ‘é tudo ainda muito branco e masculino’

Sonia Guimarães subverte alguns estereótipos de cientistas que vêm...

Contra retrocesso em leis eleitorais e pelos direitos das mulheres negras

Na última semana, o Congresso Nacional entrou em recesso...

Coletivo de cientistas negros faz live sobre representatividade midiática da mulher negra; confira

O Coletivo Nacional de Cientistas e Intelectuais Negros vai...

para lembrar

‘Nega do cabelo duro…’:Música de Luiz Caldas gera discussão em festa

A música “Fricote”, de Luiz Caldas (“Nega do cabelo duro, que...

O corpo das mulheres como campo de batalha

Peça encenada no Rio debate, em intenso contato com...

Governo cria Comitê de Cultura LGBT

A ministra da Cultura Marta Suplicy (PT) criou o...

Monogamia para quem precisa – Por: Maíra Matos

Uma resposta ao artigo “A evolução do cafajeste (3): É...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=