Produtores sergipanos elaboram Mostra de Cinema Negro

“É preciso quebrar as barreiras impostas pelo modelo de mercado hollywoodiano e inserir o cinema negro nas principais salas comerciais do Brasil”. Engajando este tipo de pensamento, produtores e cineastas Sergipanos estão elaborando, pela primeira vez, a 1º Mostra de Cinema Negro de Sergipe – Egbé. Datada para acontecer entre os dias 6 e 9 de abril, a exibição de curtas-metragens sobre a juventude negra, mulher e ancestralidade afro-brasileira visa promover uma reflexão e debate sobre o pouco espaço que tem esse tipo de produção nos principais roteiros de exibições cinematográficas do mundo.

no Infonet

grande-produtores-cinema-negro

Organizado pela Cineclube Candeeiro em parceria com a Ong Cacimba de Cinema e Vídeo, a mostra tem a frente ainda nomes como o do produtor João Brazil e da cineasta e produtora Luciana Correia. Para ela, as produções audiovisuais da ocasião trazem um conteúdo pautado há décadas em militâncias de movimentos sociais, religiosos e grupos de mulheres e são, na sua visão, a principal “arma” na superação dos preconceitos existentes no mercado cinematográfico.

“Esse tipo de produção tem muito mais representatividade social do que estamos acostumados a ver. Filmes que tratam do empoderamento da mulher negra, quebra de estereótipos, combate ao racismo, debate sobre o sexismo e genocídio, além da ascensão dos jovens negros das periferias. Esse tipo de produção não pode ficar na gaveta, precisa ter uma ampla exibição”, compreende Luciana.

E um dos curtas com maior destaque para o evento é “O corpo é meu”, da própria Luciana. A produção, segundo a cineasta, contou com a colaboração de várias amigas do curso de audiovisual da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e foi coroada com um prêmio, menção honrosa e especial na Venezuela, num festival de cinema feminista.

Segundo a organização, a Mostra será dividida entre três temas: Cinema, gênero e raça – o empoderamento da mulher negra; Cinema e juventude negra – acesso dos jovens das periferias às universidades e reflexão sobre genocídio; e Cinema, religiosidade e ancestralidade afro-brasileira – intolerância religiosa contra fiéis do candomblé e umbanda. As exibições acontecerão no Centro Cultural de Aracaju e no Sesc nas sedes do Centro, bairro Siqueira Campos e município Nossa Senhora do Socorro. A programação completa e detalhes do evento você pode acompanhar pela Fanpage Egbé.

+ sobre o tema

Heloisa Pires – O Pescador de histórias

As ilustrações de Élon Brasil O Pescador navega...

Heloisa Pires Lima – A criação literária como um fio condutor

No meu caso, a criação literária é um...

‘Lima Barreto, ao terceiro dia’ conta vida e obra do escritor

Com texto de Luiz Alberto e direção de...

Seleção exibirá faixa contra armas, drogas, violência e racismo em partidas

Faixa exibida pela Seleção Brasileira nos últimos jogos...

para lembrar

Funk ostentação é Hip Hop, mas o Hip Hop não é só isso

Branded Head, Hank Willis Thomas, 2003. O funk ostentação é...

Blocos afro completam 40 anos no carnaval de Salvador

  O batuque dos tambores, o colorido das fantasias, a...

10 inovações tecnológicas desenvolvidas na África

Apesar dos recursos limitados, a África passou a ter...

Morre o cantor Jair Rodrigues aos 75 anos

    Morreu o cantor Jair Rodrigues, aos 75 anos. De acordo...
spot_imgspot_img

Novas imagens de Jaafar Jackson como Michael Jackson em cinebiografia chocam web: ‘É o próprio MJ’

Se tem uma cinebiografia que está chamando a atenção dos fãs de cinema ultimamente, essa com certeza é "Michael", longa inspirado na obra e vida de Michael Jackson. Para...

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve operária no recrudescer da ditadura militar no Brasil. Contagem semeia Lula em São Bernardo do...

Festival Visões Periféricas anuncia filmes selecionados 

O FESTIVAL VISÕES PERIFÉRICAS confirma a realização da 17ª edição, de 20 a 26 de março, com formato presencial e online e gratuito para todo o Brasil,...
-+=