Programa com apoio da ONU quer garantir 3.000 lideranças negras até 2030

Plataforma já tem 170 mil profissionais negros cadastrados e que poderão passar por processos seletivos

A 99jobs colocou no ar plataforma que servirá de vitrine para o programa 10.000 Trainees Negros, que pretende, até 2030, incluir 3.000 profissionais negros em cargos de liderança em grande empresas que atuam no Brasil.

Em 2023, a expectativa de Eduardo Migliano, CEO da 99jobs, é conseguir intermediar 250 contratações por meio do programa. Numa etapa de aquecimento, 80 posições foram preenchidas ainda em 2022. A expectativa é escalar os números ano a ano, conforme mais empresas passem a participar e dar prioridade à redução das desigualdades em suas seleções.

A iniciativa é apoiada pelo Pacto Global da ONU no Brasil, dentro dos objetivos de desenvolvimentos sustentáveis (os ODS) definidos pela organização. Segundo Migliano, o pacto soube que a plataforma tinha um trabalho voltado para a redução das desigualdades nos processos seletivos e os convidou para liderar o programa.

As seleções vão usar o banco de talentos negros que vem sendo construído pela plataforma 99jobs nos últimos anos. As empresas poderão escolher entre dois tipos de processos seletivos, um exclusivo. A outra possibilidade será a organização de uma espécie de consórcio de companhias, por meio do qual as empresas fariam uma grande chamada para o programa.

Migliano diz que o diferencial deste para outras seleções específicas para profissionais negros é a inclusão de um programa de liderança, por meio do qual haverá encontros, discussões e o que a 99jobs está chamando de trilha de ancestralidade. “Até porque eles ainda vão trabalhar em organizações hegemonicamente brancas”, diz.

As vagas selecionadas por meio programa não poderão ser nos segmentos de diversidade e inclusão das empresas. Migliano diz que a ideia é garantir que esses profissionais se tornem líderes e possam ascender em todas as áreas, e não somente naquela reservada ao tema nas companhias.


Joana Cunha – formada em administração de empresas pela FGV, foi correspondente da Folha em Nova York e repórter de Mercado.

+ sobre o tema

Índios usam mídias sociais para fortalecer voz própria

Mobilização viabiliza reivindicação das causas ligadas aos indígenas  ...

De onde vem o dinheiro das Ongs?

Reportagem especial O Dinheiro das ONGs, do Observatório...

Estudo aponta que um a cada seis idosos sofre algum tipo de abuso

Um novo estudo publicado pela revista "Lancet Global Health" aponta...

para lembrar

Oportunista, Globo agora aposta na #copadascopas

Com o Brasil nas semifinais depois de uma atuação...

Eleições 2018: 10 ações urgentes contra as desigualdades no Brasil

Oxfam Brasil lista conjunto de medidas de enfrentamento das...

SP inicia campanha de vacinação contra paralisia infantil na segunda

A partir da próxima segunda-feira (27) crianças até cinco...

Dez ativistas entrevistam Fábio Mesquita, diretor do Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatites Virais

Atendimento na atenção básica, testes vendidos em farmácias, tratamento...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=