Apenas 5% das vagas afirmativas de emprego são direcionadas para negros, aponta pesquisa; veja setores com mais oportunidades

Enviado por / FontePor Marta Cavallini, do G1

Esses 5% das vagas estão dentro das cerca de 1% das oportunidades afirmativas na plataforma de seleção Gupy.

Pesquisa da plataforma de recrutamento e seleção Gupy entre as cerca de 600 mil oportunidades publicadas no site, em 2022, mostra que aproximadamente 1% são vagas afirmativas. Dentro desse total, as direcionadas especificamente para pessoas negras representam 5%.

As vagas afirmativas são destinadas aos chamados grupos minorizados, como pessoas negras, indígenas, LGBTQIA+, pessoas com deficiência, mulheres e profissionais com idade acima dos 50 anos para levar a inclusão e equidade a essas parcelas de trabalhadores comumente desfavorecidos.

A população negra hoje é o segundo maior alvo das ações afirmativas realizadas pelas empresas na plataforma, ficando atrás das pessoas com deficiência, alvo de cerca de 70% das vagas.

Os 25% restantes são distribuídos da seguinte forma: 8% para mulheres, 3% para comunidade LGBTQIAP+, 0,8% para indígenas, 0,7% para mulheres negras e o restante para todos os grupos de diversidade.

As grandes empresas, com mais de mil funcionários, foram responsáveis por 91% das vagas afirmativas publicadas em 2022 na plataforma da Gupy.

De acordo com a plataforma, trata-se de uma tendência que vem crescendo nos últimos anos: em 2020, empresas de 5.001 a 10.000 pessoas colaboradoras foram responsáveis por 23% das vagas publicadas, o que representa um crescimento de 27% em apenas um ano e meio.

Além disso, analisando as contratações por setor, os maiores responsáveis pelas vagas afirmativas publicadas na Gupy em 2022 são Varejo (27%); Logística (23%) e Serviços Financeiros (7%).

Já os setores que mais geraram vagas afirmativas para pessoas negras em 2022 foram:

  1. Serviços Financeiros: 17,83%
  2. Tecnologia: 13,95%
  3. Bancos: 10,85%
  4. Educação: 10,08%
  5. Tecnologia da Informação e Comunicação: 8,53%
  6. Produção Digital: 6,98%
  7. Negócios Imobiliários: 6,20%
  8. E-commerce: 5,43%
  9. Varejo: 4,65%
  10. Telecomunicações: 6,98%
  11. Indústrias em geral: 1,55%
  12. Química e Petroquímica: 1,55%
  13. Agronegócio: 1,55%
  14. Jurídico: 1,55%
  15. Comunicação: 1,55%
  16. Seguros: 0,78%

Ainda segundo dados da plataforma da Gupy, em 2018, todas as contratações afirmativas foram direcionadas para pessoas com deficiência, reflexo da Lei 8.213/91 que garante a contratação e inclusão de PCDs.

Esse cenário começou a mudar apenas em 2019, quando surgiram as primeiras vagas afirmativas para pessoas de outros grupos de diversidade, até então não orientadas para populações específicas.

44% das empresas não têm meta para contratar minorias

A pesquisa feita ainda com a participação de 1.000 empresas mostra que 30,28% das empresas realizam ações afirmativas nos processos seletivos, enquanto 26,22% estudam oferecer futuramente. Outros 23,37% já ofereceram vagas afirmativas de forma pontual.

No entanto, 44,31% das empresas não têm metas de contratação de grupos minorizados, o que mostra que diversidade está caminhando para ser uma frente estratégica na maioria das empresas.

Apenas 28,86% das empresas têm metas de contratação de grupos minorizados, independentemente de função e cargo. E outros 26,63% têm metas limitadas por cargos ou por grupos de diversidade específicos.

Tamara Braga, head de Diversidade & Inclusão da Gupy, afirma que esse cenário se dá pelo fato de que muitas empresas ainda não veem diversidade como uma frente estratégica, o que faz com que as iniciativas levem mais tempo para serem implementadas.

“Enquanto diversidade não for um dos assuntos do conselho das empresas, ainda veremos profissionais de RH e de diversidade buscando implementar algumas iniciativas muito importantes, mas que não recebem a devida atenção por não ser uma prioridade do negócio”, observa.

Para ela, o cenário já está mudando. Ela cita outro dado da pesquisa que mostra que 55,49% das empresas estão olhando para diversidade e inclusão como uma frente estratégica com metas ou caminhando para isso.

“Na Gupy, por exemplo, oferecemos para as empresas uma solução de diversidade para o recrutamento. Por meio dela, é possível realizar ações afirmativas e ter acesso a dados que permitam identificar quais etapas de um processo seletivo estão barrando a diversidade, o que permite aplicar ações corretivas”.

+ sobre o tema

Leila Velez: Empreendedora e persistente

Nascida em 1974, no Rio de Janeiro, Leila Velez...

Getúlio Vargas, Lula e os direitos trabalhistas

Ex-presidente alerta que projeto de terceirização faria país retroceder...

Apple não quer mais mulheres nem negros nas chefias

Mulheres, negros, minorias em geral ficam bem no papel,...

Edital seleciona projetos de promoção de direitos de adolescentes negros

Fonte: Blog do Andrey Sgorla Propostas de projetos...

para lembrar

Elisa Lucinda: “As portas estão fechadas para os negros”

Em entrevista em vídeo, a atriz, cantora e escritora...

Desigualdade racial permanece evidente no mercado audiovisual

Negros até aparecem nas telonas, mas poucos ocupam papel...
spot_imgspot_img

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou que o Estado do Rio de Janeiro e o município do Rio se abstenham de apreender e...

Estudo mostra o impacto do fator racial materno no desenvolvimento infantil

O ganho de peso e o crescimento dos filhos está diretamente relacionado ao fator etnorracial das mães. Isso é o que mostra uma pesquisa desenvolvida pelo Centro de Integração de Dados...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...
-+=