Projeto de Geledés para educação de meninas negras é contemplado em edital do British Council

O projeto “Meninas Negras Vão Além: enfrentando a evasão escolar” visa combater a desigualdade educacional de meninas negras que foram fortemente impactadas pelo fechamento das escolas

O Geledés – Instituto da Mulher Negra foi contemplado no edital “Meninas Que Vão Além”, iniciativa do British Council, por meio do programa do governo britânico UK-Brazil Skills for Prosperity, que fomenta projetos de equidade de raça e gênero na educação.

“Ser contemplado no edital demonstra a importância de contemplar ações específicas voltadas para a garantia dos direitos educativos das meninas. É sobre o olhar que está pensando as desigualdades entre as meninas e as diferentes possibilidades na sociedade a partir do pertencimento racial, da renda e das localidades de moradia”, afirma Suelaine Carneiro, coordenadora de Educação e Pesquisa em Geledés. 

A pesquisa “A Educação das Meninas Negras em Tempos de Pandemia: o aprofundamento das desigualdades”, realizada pela instituição em 2021, revelou o quanto a desigualdade educacional no país se agravou com a chegada da pandemia do novo coronavírus, que atingiu principalmente as estudantes pretas e pobres que residem em regiões periféricas. 

Durante o período pandêmico, apenas 58,54% das meninas negras conseguiram realizar suas atividades escolares, enquanto 92,86% dos meninos brancos o fizeram. Além disso, apenas 60,98% das meninas negras tiveram acesso aos materiais didáticos, enquanto meninos brancos tiveram acesso em 100%. 

Acreditando que a educação é uma ferramenta importante no combate a desigualdade racial e de gênero, o projeto “Meninas Negras Vão Além: enfrentando a evasão escolar” visa combater a desigualdade educacional de meninas negras que foram fortemente impactadas pelo fechamento das escolas.

Com o retorno do ensino presencial, a iniciativa irá reforçar a importância da continuidade das atividades escolares e da educação para o desenvolvimento da sociedade.

As jovens terão acesso a uma metodologia exclusiva que as incentiva a buscar estratégias de superação pessoal através da educação. Serão contempladas meninas do Ensino Fundamental II da rede pública de educação da grande São Paulo, com especial atenção às meninas negras, imigrantes e mães.

“A gente precisa discutir a permanência delas e, assim como de toda a população negra, nos índices mais desfavoráveis da nossa sociedade. A gente não vai alterar a sociedade enquanto grande parte de sua parcela viver em situações de extrema vulnerabilidade. O olhar do projeto para as meninas negras é uma forma de contribuir com mudanças efetivas”, conclui Suelaine. 

A iniciativa ‘Meninas Negras Vão Além’ é um desdobramento do projeto “Defesa do direito à educação de meninas negras”, apoiado pelo Fundo Malala e desenvolvido por Geledés, com ações formativas de enfrentamento às desigualdades de gênero e raça junto à Secretaria Municipal de Educação.

O apoio do Fundo Malala é voltado para ações formativas junto à secretaria para diagnóstico de desigualdades de gênero e raça e elaboração de planos de ação intersetoriais de promoção da equidade, e, com o apoio do Conselho Britânico.

+ sobre o tema

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

para lembrar

Precisamos levantar a bandeira do protagonista da educação

Quando defendemos grupos de interesse, colocamos de lado o...

Precisamos Falar do PNE e dos Direitos Educativos da População Negra

Semana de Ação Mundial   Por: Suelaine Carneiro -  Socióloga, feminista,...

Oxfam e FNPI lançam bolsa de jornalismo sobre desigualdade

Bolsa de US$ 5 mil está com inscrições abertas...

Apenas 49% dos jovens concluíram ensino médio até 19 anos em 2013

O índice, no entanto, vem apresentando melhora ao longo...
spot_imgspot_img

FGV e Fundação Itaú oferecem bolsas de mestrado em comunicação digital e cultura de dados

A FGV-ECMI (Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getúlio Vargas) vai oferecer 30 bolsas integrais para o mestrado em comunicação digital e...

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas cívico-militares na rede estadual e municipal de ensino foi aprovada na noite desta terça-feira (21) na...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem sido objeto de debate em diversos contextos nacionais e internacionais, mobilizando famílias, a sociedade e...
-+=