A proteção ao mercado e o crime expresso pela cor

O Brasil, a cada dia que passa, evidencia ainda mais o seu grave e crônico racismo institucional. A proteção ao mercado e o crime expresso pela cor. Os episódios envolvendo crimes políticos e crimes do colarinho branco vem servindo para dar à massa da população uma óbvia e triste mostra disso.

Por Mônica Francisco, do Jornal do Brasil 

No Brasil real, o que se vê é uma crescente onda de justiçamento e clamor por cada vez mais e maior punição. O caso do jovem torturado e tatuado na testa, sem que de fato houvesse efetuado o furto de uma bicicleta, nos faz pensar se o que se execra é o crime ou a pobreza.

O superencarceramento retrata a distorção de uma sociedade e um judiciário que reflete o que há de mais conservador e insensível ao diferente.

Não há nenhuma identificação com a população do Brasil real e isso está muito patente na cor dos e das encarcerados e encarceradas. Reflete-se também na ausência de qualquer tipo de dignidade nos cárceres, pra não falar de presos e presas que nunca foram julgados, de famílias que ficam à míngua e crianças negras e pobres encarceradas com suas mães presas.

Se a dinâmica de proteção ao mercado  financeiro, que não é uma entidade etérea mas um conjunto de pessoas que tomaram decisões que ajudaram a produzir o que estamos vivendo, por parte da força-tarefa da Operação Lava Jato se constituir como fato numa possível delação do ex-ministro Antonio Palocci, teremos ainda mais elementos para afirmar que no Brasil o crime está expresso não na prática do delito, mas na cor da pele e local de moradia.

+ sobre o tema

Promotoria deve pedir júri popular para PMs por 9 mortes em Paraisópolis, em SP

Para evitar que fiquem impunes as nove mortes ocorridas em...

Alerta Negro!

Após 22 meses da violência racista, sexista e...

Caixa Econômica Federal se defende por mostrar Machado de Assis branco

Está no ar a campanha comemorativa pelos 150 anos...

para lembrar

Faltava falar das flores

Eu sou conversadeira, sempre fui. Minha mãe, Dona Anna,...

Morto em chacina seria testemunha de execução da polícia em SP

Uma das vítimas da chacina que ocorreu na madrugada...

Uma arma letal chamada ‘auto de resistência’ – Por: Paulo Teixeira

Apesar de todas as conquistas democráticas, o Brasil...
spot_imgspot_img

O amor com o sol da manhã

Eu gosto do amor, eu gosto de amar. Inclusive, já escrevi muito sobre o amor nestas páginas, algumas vezes de forma explícita, outras vezes...

Se o Estado perder o controle, o que vai restar?

Cinco pessoas foram mortas durante a 16ª operação policial do ano no Conjunto de Favelas da Maré, nesta terça-feira, 11 de junho. Uma das...

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...
-+=