Protesto contra abuso sexual chama a atenção de usuários do Metrô

A estação da Sé abrigou, nessa terça-feira (02), um protesto em defesa das mulheres que são abusada sexualmente no transporte público. O ato aconteceu no final da tarde, com a participação de professores, estudantes, militantes da causa feminista, entre outras personalidades, e durou aproximadamente uma hora. O motivo foi o ocorrido da última quarta-feira (27), quando um homem ejaculou na calça da repórter Caroline Apple, em pleno vagão, e o Metrô declarou nada poder fazer.

por Jayane Condulo no Rotineiras

Foto: Fabiana Santos
Foto: Fabiana Santos

Apesar de pacífica, a manifestação enfrentou algumas barreiras. Em menos de meia hora, seguranças do Metrô foram tirar satisfações e tentar proibir qualquer tipo de protesto dentro da estação. Intimidações por parte do Metrô também já haviam sido previstas pela organizadora do evento, a jornalista Patricia Paixão, que soube argumentar de forma muito precisa e convincente com os seguranças que tentavam afastar os manifestantes.

Atraindo olhares curiosos de quem passava, os cartazes traziam frases como “Deixem meu corpo em paz” e “o metrô é público, meu corpo não”, reforçando a hashtag: #eunãomereçoserabusada. Como resposta, alguns aplaudiam, outros liam disfarçadamente, e muitos paravam para tirar foto com um dos cartazes e deixar seu apoio ao ato.

PLP 2.0 – Aplicativo para coibir a violência contra a mulher

O protesto foi organizado e divulgado através do Facebook, unindo as mais diferentes pessoas lutando pelos mesmos direitos. É importante ressaltar que haviam homens apoiando a causa, com cartazes e forte defesa contra o abuso sexual feminino. Diziam estar ali por suas mães, irmãs, parentes e amigas, e se declaravam totalmente contra todo tipo de machismo no país.

Foto: Fabiana Santos
Foto: Fabiana Santos

Os participantes lutam por melhorias na segurança do metrô, punição para os agressores, e conscientização da população. Eles afirmam que casos como o da repórter Caroline Apple acontecem diariamente, mas o Metrô não divulga, nem toma as providências necessárias.

leia também:Repórter do portal R7 é vítima de abuso sexual no metrô de SP

Confira abaixo, mais fotos do evento.

Foto: Fabiana Santos

+ sobre o tema

DJ Lah, Alckmin e quem reagiu está morto

por Renato Rovai Segue um relato-reportagem, a meu...

Ajude a identificar quem está depredando o País

Os protestos que tomaram conta do País nas...

Natal: Descaso com a cultura popular

É preciso que fiquemos alertas aos tempos que se...

Menina é apedrejada na saída de culto de candomblé no Rio

Rio de Janeiro, 16 - Uma menina de 11...

para lembrar

ONU traça retrato de discriminação e ‘racismo subtil’ em Portugal

Por Joana Gorjão Henriques As pessoas de origem...

Com lei de cotas, sobe de dois para 19 número de procuradores negros na cidade de SP

Atualmente, 25% do quadro de servidores da prefeitura é...

Bahia honra sangue negro e assume ponta contra elitização do futebol

O desenvolvimento do futebol está associado com os movimentos...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=