Protestos em St Louis: “A vida dos negros também conta”

Manifestações para protestar contra o racismo e a violência policial terminam nesta segunda-feira.

Milhares de pessoas manifestaram-se ao fim do dia de sábado em St Louis (Missouri) para protestar contra o racismo e a violência policial, recordando a morte de um jovem negro por tiros disparados por um polícia branco em Ferguson no passado mês de Agosto. O protesto já estava marcado há semanas mas aconteceu poucos dias depois de um incidente semelhante (“polícia branco mata jovem negro”) num outro subúrbio da cidade.

Os manifestantes, cerca de 5000 pessoas segundo um jornalista da AFP, escreveram em cartazes e t-shirts “justiça para todos”, “não disparem” e “a vida dos negros também conta”. Frente ao contingente policial que acompanhou o protesto, muitos manifestantes apresentaram-se com as mãos no ar, outros de joelhos com as mãos atrás das costas.

Um grupo de mulheres levou uma enorme bandeira branca onde estavam fixados pequenos recortes de papel representando mãos e corações coloridos, em sinal de solidariedade com todas as mulheres que perderam os filhos em situações de violência policial em Ferguson, subúrbio de St. Louis onde o jovem Michael Brown, de 18 anos, foi morto a tiro no dia 9 de Agosto.

Segundo a polícia, o agente Darren Wilson matou o jovem Brown depois de ter sido atacado e de este lhe ter tentado tirar a sua arma de serviço. Mas as testemunhas garantem que Michael Brown estava desarmado e tinha as mãos no ar quando foi morto.

Na noite da passada quarta-feira, em Shaw, outro subúrbio de St. Louis, outro jovem de 18 anos foi morto a tiro por um polícia branco. As circunstâncias desta última morte ainda estão a ser investigadas, mas as autoridades garantem que o jovem estava armado e disparou contra o polícia antes de ser morto. Uma prima do jovem garante que ele estava desarmado.

As manifestações com o lema Fim-de-semana de resistência e Outubro em Ferguson começaram na sexta-feira e só terminam nesta segunda-feira. A multidão de sábado, composta por pessoas de várias gerações, na maioria negros mas também alguns brancos, desfilou ao longo de um percurso de 19 quilómetros entre Ferguson e o centro de St. Louis.

“Toda a gente aqui é pacífica, calma e respeitosa. Um bom dia para todos”, escreveu o chefe da polícia de St. Louis, Sam Dotson, na sua conta do Twitter.

Fonte: Publico

+ sobre o tema

para lembrar

Precisava isso? – Por Hamilton Borges Walê

Por Hamilton Borges Walê*data: 05/08/2009fonte: lista discriminacaoracial Semanas passam e...

Desembargador Paulo Rangel ministra palestra na Defensoria Pública sobre menoridade penal

Enviado para o Portal Geledés O auditório da Fundação Escola...

Futebol, violência policial, classe social e racismo – Artigo de Pedro Almeida

Para aqueles que seguem atentamente o futebol, especialmente nos...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Instituto Odara lança dossiê sobre a letalidade policial que atinge crianças negras na Bahia

O Odara - Instituto da Mulher Negra torna público o documento “Quem vai contar os corpos?”: Dossiê sobre as mortes de crianças negras como consequência...

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...
-+=