PUC-SP terá cotas para professores e quer 37% de docentes negros em seis anos

Enviado por / FonteTerra

Universidade anuncia que os próximos concursos a partir do segundo semestre deste ano vão selecionar apenas pretos e pardos; índice atual é de 5,34%

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) aprovou nesta quarta-feira, 26, uma meta de ter 37% de seus professores negros em seis anos. Atualmente esse índice é de 5,34%. Para isso, os próximos concursos a partir do segundo semestre deste ano vão apenas selecionar docentes pretos e pardos.

A iniciativa é inédita entre grandes universidades brasileiras. O índice de 37% é uma referência à porcentagem de negros na cidade de São Paulo segundo o IBGE. Nos últimos anos no País, e depois da lei da cotas aprovada em 2012, aumentou o número de instituições com políticas afirmativas no ingresso de alunos. Mas o mesmo não ocorreu entre funcionários e professores.

A Universidade de São Paulo (USP), como afirmou ao Estadão no início da sua gestão o atual reitor Gilberto Carlotti Junior, também estuda ter cotas raciais em seus concursos para professores.

Recentemente, a instituição lançou uma bolsa de pós doutorado, de R$ 8 mil, para pesquisadores negros e criou uma lista de docentes pretos que poderão ser chamados para compor bancas de seleção de professores. O objetivo, segundo a nova pró-reitoria de Inclusão e Pertencimento da USP é incentivar que as bancas tenham, pelo menos, 40% de sua composição formada por representantes de grupos minoritários, como pretos, pardos e indígena. A USP tem hoje 5.412 docentes, 129 se autodeclararam pretos e um indígena

Na PUC-SP, cada unidade terá que chegar aos 37% e o programa pode ser prorrogado se a quantidade não for atingida, segundo a pró-reitora de Cultura e Relações Comunitárias, Monica de Melo. “É uma medida de reconhecimento e reparação e que também agregará saber à universidade, propiciará uma mudanca de bibliografia, com mais autores negros”, disse. “Somos hoje uma universidade branca.”

A instituição não tem uma política afirmativa para ingresso de alunos negros no vestibular, mas, segundo ela, “é algo que tem que caminhar”. São atualmente 12 mil alunos de graduação e pós na PUC-SP.

Os novos professores negros que serão contratados entrarão em vagas que podem ser abertas por aposentadorias, demissões ou demandas específicas de unidades. Nos últimos seis anos, a PUC contratou 170 docentes. O quadro atual é de 1.200, portanto, para chegar ao índice de 37% serão necessárias mais de 400 contratações. “No imaginário das pessoas pode parecer que não há tantos docentes doutores para concorrer às vagas, mas acho que vamos nos surpreender”, afirmou Monica. Segundo ela, os candidatos às vagas poderão se autodeclarar negros, mas uma comissão externa também fará a identificação.

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

Uso de meios digitais na educação pode melhorar aprendizagem

A inclusão de recursos digitais em salas de aula...

Candidato poderá desistir de vaga no Sisu; MEC institui lista de espera para sistema

Os candidatos que concorrem a vagas em instituições federais...

4,1 milhões de crianças e jovens estão fora da escola, diz MEC

Mais de 4,1 milhões de crianças e jovens em...

Dicas para lidar com o racismo na sala de aula

Não é fácil abordar a questão do racismo na...
spot_imgspot_img

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

Encontro anual do SETA definiu ações e estratégias para uma educação antirracistae emancipatória.

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou do planejamento anual Projeto SETA  (Sistema de Educação Por Uma Transformação Antirracista) em Paraty, Rio de Janeiro....
-+=