‘Que a bondade dentro de mim seja sempre maior’, postou jovem jogador antes de morrer

O jovem jogador de futebol Dyogo Costa Xavier de Brito, de 16 anos, morto após uma operação policial na comunidade da Grota, no bairro São Francisco, em Niterói, fez uma publicação nas redes sociais há menos de um mês pedindo proteção e destacando os problemas que cercam a sociedade. “Que a bondade dentro de mim seja sempre maior que toda maldade ao meu redor”, diz o texto postado no perfil de Dyogo com uma foto do jovem na Praia de Itacoatiara, na cidade de Niterói.

Por Diego Amorim, do Extra 

Também nas redes sociais, familiares e amigos do adolescente postam frases de carinho em homenagem ao jogador da base do América. “Vai com Deus, Dyogo! Mais um anjo no céu”, “Nosso Deus está te recebendo de braços abertos” e “Que menino lindo, triste demais” são algumas das mensagens deixadas pelos usuários no perfil de Dyogo.

Uma das últimas publicações de Dyogo na web Foto: Reprodução/Redes Sociais

Familiares de Dyogo estiveram no Instituto Médico Legal de Niterói nesta terça-feira, por volta das 9h, para liberar o corpo e negam que havia confronto no momento do crime. O enterro será às 15h, no Cemitério São Francisco Xavier, Charitas. O corpo deixou o instituto em direção ao velório por volta das 11h desta terça-feira. Amigos e familiares organizam um ato pacífico como protesto pela morte.

— Vamos todos com camisas brancas e sujas de tinta vermelha, simbolizando sangue — conta um primo do jogador, sem se identificar.

No momento em que foi baleado, Dyogo ia para a casa de um amigo na Tijuca, bairro mais próximo à sede do América, clube pelo qual ele jogava nas categorias de base. O sonho do menino era ser jogador de futebol. Segundo Cristóvão Xavier, avô de Dyogo, o neto era um garoto iluminado. A mãe da vítima, a assessora administrativa Josyane Costa, também reforça que o filho era um jovem querido e amado por todos:

— Ele era um garoto muito especial, alegre. Não tenho o que falar — contou a mãe, muito emocionada, na hora de liberar o corpo do filho.

Cristóvão, que cuida do neto desde pequeno, conta que esta noite foi a mais difícil de sua vida. Dyogo morava com os avós paternos e o pai:

— Ele dormia comigo e com a avó dele, vivia jogando as pernas em cima da gente. Nós até falávamos que eram pesadas, brincando com ele. Mas esta noite não teve isso. Passei a noite pensando, toda hora vinham as lembranças. Tiraram o meu neto de mim, infelizmente.

O avô de Dyogo, Cristóvão Xavier, passava pelo local na hora e que decidiu parar e ver se a pessoa que estava baleada era seu neto Foto: Diogo Amorim

Em nota, a Polícia Civil destacou que policiais militares envolvidos na operação que acabou com a morte do rapaz serão chamados para prestar depoimento, assim como familiares de Dyogo. O avô do jovem, o primeiro a chegar no local do crime, foi ouvido nesta segunda-feira na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI).

+ sobre o tema

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

para lembrar

O primeiro dia no gabinete sem a vereadora Marielle Franco

“Oi, meninos.” A vereadora Marielle Franco passava pelo portão...

Polícia conclui que morte de Luana Barbosa foi causada por agressões

Negra, lésbica e periférica, a mulher foi morta após...

‘Enfrentamento ao racismo é indispensável’

O Atlas da Violência 2018 aponta que a taxa...

Brincar no telhado? Não para jovens negros!

Em texto, deputado federal Jean Wyllys comenta o caso do...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Massacre de Paraisópolis: policiais militares têm segunda audiência

O Tribunal de Justiça de São Paulo retoma, no início da tarde desta segunda-feira (18), o julgamento dos 12 policiais militares acusados de matar...
-+=