Quem mandou matar Marielle e por quê? 4 anos sem resposta é tempo demais!

Enviado por / FonteECOA, por Anielle Franco

Nesta segunda, completam quatro anos da perda brutal de Marielle e Anderson, mais um dia 14 de março, no qual, ainda que sofrendo com a saudade arrebatadora da minha irmã, continuamos de pé lutando por justiça. E não é de hoje! Desde 14/3/2018, quando Mari e Anderson foram brutalmente retirados de nós, temos recorrentemente lutado por justiça, pela memória e legado de Marielle e Anderson e, nos últimos tempos, pedido acesso à integralidade das investigações.

Diante das recorrentes mudanças na condução do caso e de provas de interferências externas, em julho de 2021, nossa família, junto à família de Anderson Gomes, ao Instituto Marielle Franco e às organizações da sociedade civil Terra de Direitos, Justiça Global, Coalizão Negra por Direitos e Anistia Internacional lançamos o Comitê Justiça Por Marielle e Anderson para acompanhamento das investigações do caso.

Nessa última semana, o Comitê se reuniu com uma série de autoridades sobre o processo para lutar por justiça para Marielle e Anderson: no dia 8 de março, o Comitê se reuniu com o juiz responsável pelo caso. Já no dia 9, foi a vez de se reunir com o 5º delegado à frente do caso para entendermos o porquê de mais uma troca. No dia 10, a reunião foi com o Ministro Schietti, do Superior Tribunal de Justiça. E hoje, no dia 14, também teremos uma série de reuniões importantíssimas: estamos na expectativa de sermos recebidos pelo governador do Estado, o qual não respondeu nosso pedido de reunião, mas, após organizações de direitos humanos terem denunciado tal ausência de retorno na mídia, a equipe do governador nos procurou para nos receber.

Muita coisa aconteceu desde março de 2018, e o que atualmente avaliamos como etapa necessária para conseguirmos justiça no caso é justamente que os representantes legais das famílias, ou seja, a Defensoria Pública e os advogados, tenham acesso à parte da investigação que trata dos mandantes, pois sabemos que é obrigação do Estado permitir aos familiares das vítimas participarem de maneira formal e efetiva da investigação conduzida pela polícia ou pelo Ministério Público.

Marielle é semente que continua germinando pelo Brasil a fora, inspirando diversas mulheres negras a ocupar espaços de poder que nos foram historicamente negados. Estamos lutando por Marielle e Anderson e, consequentemente, contra a omissão estatal na responsabilização do assassinato de diversos defensores de direitos humanos, cujos mandantes dos crimes não foram responsabilizados pelo Estado. A resolução do caso de Mari e Anderson é importante para o futuro da democracia do país!

Assim, continuaremos de pé, honrando a memória de Marielle e lutando por justiça! Para que as mulheres negras não sejam nunca mais interrompidas em suas trajetórias políticas!

+ sobre o tema

Michelle Obama revela que fez fertilização in vitro para gerar suas filhas

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama revelou que...

Sororidade seletiva: travestis, transexuais e os limites da categoria mulher

Há algum tempo venho reparando um crescimento de discursos...

para lembrar

Do preconceito à promoção do direito

Enquanto texto atribuído a universitários prega violência contra colegas...

Bill Cosby e Roman Polanski são expulsos da Academia do Oscar

Decisão foi tomada esta quinta-feira após uma votação dos...

Negras são as principais vítimas de violência no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - A mulheres negras têm mais...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=