Quem plantou, quem colheu, quem aguou? – O protagonismo feminino no meio rural

AVE MARIA DAS QUEBRADEIRAS

“Ave palmeira

Que sofre desgraça.

Malditos: derruba, 

Queima, devasta.

Bendito é teu fruto 

Que serve de alimento

E o leito da terra, 

Ainda dá sustento.

 

Santa mãe brasileira,

Mãe do leite verdadeiro.

Em sua hora derradeira,

Rogai por todas as quebradeiras. Amém”.

Essa é a oração oficial entre as quebradeiras de coco babaçu. E ela ecoa além dos muros dos espaços religiosos. Sob os fortes “tac, toc, tec”, som produzido pelo fruto sendo quebrado, o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu, o MIQCB, aparece como forma de resistência das mulheres trabalhadoras, agroextrativistas e cidadãs, entre os estados do Maranhão, Pará, Piauí e Tocantins. São cerca de 400 mil mulheres organizadas no movimento, desde 1991, que seguem o ritmo intenso de “Quebramos, tiramos o azeite. Produz o sabão, o carvão. Da amêndoa tiramos o leite de coco…e colar, brincos, pulseiras”. A bandeira dessas mulheres? Livre acesso aos babaçuais, à terra, equidade de gênero, preservação das palmeiras e qualidade de vida da mulher no campo.

O meio rural muitas vezes reproduz a lógica da subordinação das mulheres ao trabalho doméstico, da invisibilidade ao protagonismo feminino, da ausência de autonomia acerca das atividades do campo e, por fim, da mulher fortemente associada à reprodução e ao cuidado. E é do eco das reivindicações das mulheres no ambiente urbano, que começam a surgir movimentos femininos no meio rural, no período posterior a ditadura militar. Movimentos de Mulheres Trabalhadoras Rurais (MMTRs), mais tarde alterado para Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), o MIQCB e tantas mais organizações que vão representar indígenas, quilombolas, pescadoras, e extrativistas.

No entanto, como já é de se esperar desse Estado e dos grandes detentores de poder, que repreendem violentamente manifestações originárias de grupos marginalizados, o meio rural é marcado por constantes e sangrentos conflitos. Margarida Maria Alves, líder sindical – a primeira mulher a presidir um sindicato de trabalhadores rurais – e responsável pela luta dos trabalhadores na Paraíba, foi assassinada em 1983. Mesmo após várias ameaças, as palavras “Da luta não fujo. É melhor morrer na luta do que morrer de fome”, demonstravam seu grau de politização e força.

Foi em sua homenagem que a Marcha das Margaridas, ocorrida inicialmente no ano 2000, reuniu cerca de 20 mil trabalhadoras rurais, em Brasília. Desde então, a Marcha das Margaridas consolidou-se como movimento de luta e de recordação das reivindicações pelos direitos das trabalhadoras rurais, ocorrendo de quatro em quatro anos. Ao longo desses anos, as pautas foram se somando e adaptando. As primeiras levantavam a bandeira do combate à fome, à pobreza e à violência sexista. Depois, reivindicavam desde o reconhecimento de trabalhadoras rurais enquanto profissão, a reforma agrária, acesso a políticas de saúde, educação, crédito e assistência técnica, até segurança alimentar e nutricional. A Marcha das Margaridas reúne, atualmente, 100 mil mulheres.

Como aliados às reivindicações femininas no ambiente rural, a agroecologia e os circuitos curtos de comercialização inserem-se como importantes possibilidades de mudanças da estrutura excludente das mulheres no campo. A primeira delas trata-se de um olhar alternativo à produção agrícola, alicerçada em práticas sustentáveis, sem resíduos químicos ou contaminações, que atuem em favor da segurança alimentar e nutricional. A segunda abrange a valorização da comercialização de produtos que passam por um ou nenhum intermediário, ou seja, feiras, cestas de alimentos orgânicos, pequenos mercados. Essa configuração estreita os laços entre quem produz – e como produz – e quem consome, de forma que os saberes locais e suas protagonistas sejam visibilizadas. Com os circuitos curtos, abriram-se oportunidades de fortalecimento da autonomia da mulher, uma vez que tais oportunidades requerem maior participação nas decisões de comercialização e produção, com maior controle social e financeiro. Apesar disso, segundo dados do Censo Agropecuário do IBGE, mesmo com o aumento na participação das mulheres no campo – de 13% para 19% entre 2006 e 2017 –, 81% dos produtores rurais é representado pelo sexo masculino.

Como desfecho, cabe trazer a importância do termo multifuncionalidade. Como o próprio nome sugere, a ideia é que sejam atribuídas novas funções à agricultura, para além do “produzir alimentos e fibras”. Espera-se, portanto, que essa multifuncionalidade compreenda a relação entre a agricultura familiar e a manutenção da biodiversidade, dos recursos naturais e das paisagens rurais. Que o campo e agricultura possam ser entendidos como um espaço de reprodução socioeconômica das famílias, que permitam a segurança alimentar da sociedade e das próprias famílias rurais, e que seja também um espaço favorável para a manutenção da vida no campo. Cabe, então, pensarmos:

 Você que tem fome, quando consome, sabe que mulher que produz? Seu nome, sobrenome, pronome e oração?

Referências

Site: Repórter Brasil – Quebradeira de Cocos Babaçu; Por Xavier Bartaburu e colaboração de Ana Mendes e Carolina Motoki; 27 de janeiro de 2018.

Site: Comissão Pastoral da Terra (CPT) – Do coco babaçu à emancipação: o poder das quebradeiras do Maranhão; Cristiane Passos: Assessora de comunicação da CPT Nacional

CARRAZZA, Luis Roberto; SILVA, Mariane Lima da; ÁVILA, João Carlos Cruz. Manual Tecnológico de Aproveitamento Integral do Fruto do Babaçu. Brasília – DF. Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN). Brasil, 2012.


** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

A eterna resenha entre o griot, o professor e a cineasta

Um professor e uma cineasta sentam em um bar...

132 anos da Abolição da Escravatura: Estamos livres?

No dia 13 de maio de 2020 a Abolição...

O vírus chegou mas a água do morro ainda NÃO

Os desafios que as comunidades periféricas vêm passando nos...

Como e quando você se tornou feminista?

Recentemente fui convidada para conversar com adolescentes negras/os, estudantes...

para lembrar

Documentário Une famille (Uma família): Incesto, silêncio e o pé na porta de Christine Angot

O documentário Une famille, realizado por Christine Angot, escritora...

Pensando cá com minhas máscaras

No imaginário da minha infância, nas minhas brincadeiras de...

Eles combinaram de matar, nós combinamos de não morrer. A importância do novembro negro.

Em 2002 Racionais Mcs lançou o tão atual “Negro...

Sambas, quintais e Arranha-Céus: as micro-áfricas em São Paulo

O livro “Sambas, quintais e Arranha-Céus: as micro-áfricas em...

Dar conta de tudo não é uma possibilidade

“Poderia ter feito melhor”. Com a mesma certeza de que dois e dois são quatro, essa ideia já fez, ou ainda faz parte da...

A importância do Feminismo Negro para o movimento feminista brasileiro

Ao recorrermos a historia veremos que é a partir dos anos 1970 que as organizações de mulheres negras ganharam força no Brasil, reivindicando duplamente...

Educação matemática no samba que faz escola

Que as escolas de samba nos presenteiam todo ano com o maior show da terra – como Didi e Mestrinho eternizaram no samba-enredo da...
-+=