Quem pode parar a dor

“Quem pode parar a dor?” foi uma resposta incisiva dada pela escritora porto-riquenha Yolanda Arroyo Pizarro a uma pessoa que estava na plateia. Era uma mesa-redonda num congresso de escritoras africanas em Acra, Gana, em maio de 2013. Após a explanação de cada escritora que compunha a mesa, uma jovem ganesa – também escritora – solicitou a palavra, questionou por que mulheres escritoras africanas e da diáspora narravam histórias de sofrimento e dor e, por fim, recebeu aquela resposta de Pizarro.

Enviado por Cássio Serafim via Guest Poste para o Portal Geledés 

A intervenção de ambas as escritoras gerou muitos posicionamentos por parte de outras participantes. Em um momento, o debate parecia encaminhar-se para corroborar a constante presença da dor nas narrativas de escritoras africanas e a urgência de expressá-la.

No entanto, apesar de sermos conscientes da capacidade de a literatura expressar muitos sentimentos para além da dor, quando Pizarro lançou aquela questão, referia-se às dores causadas durante anos, décadas, séculos de infortúnios impostos ao continente africano por parte de empresas colonizadoras europeias, mas não apenas. A escritora porto-riquenha aludia especialmente aos sofrimentos infligidos às mulheres, especialmente negras, por meio de vários sistemas de dominação.

Depois de um intenso debate, Pizarro retomou a palavra e acrescentou à sua resposta inicial a célebre frase da escritora Audre Lorde: “O silêncio não te protege”. Se as dores existem em decorrência de acontecimentos passados sobre o indivíduo ou uma coletividade, a recordação e a expressão das feridas psíquicas abertas podem ser os primeiros e talvez mais importantes meios de começar o processo de cura.

Logo, se sabemos que o silêncio não nos protege, somente nós podemos parar ou mitigar as nossas dores. Se a escrita oferece um momento de intervenção e a possibilidade de construir alianças de solidariedade, como diz Yvonne Vera, em seu prefácio à coletânea Opening Spaces: Contemporary African Women’s Writing, a literatura, portanto, pode tornar-se num remédio e numa arma para resistir, transformar, libertar(-se) das dores do passado e evitar um futuro flagelado por injustiças históricas.

Notas:
1. Para conhecer o trabalho literário de Yolanda Arroyo Pizarro, visite o seguinte endereço: «http://narrativadeyolanda.blogspot.pt/».
2. O congresso de mulheres escritoras africanas e da diáspora a que me refiro é o Yari Yari NTOASO: Continuing the Dialogue, que aconteceu em Acra, Gana, de 16 a 19 de maio de 2013.
3. Vera, Yvonne (Ed.). Opening Spaces: Contemporary African Women’s Writing. Harare, Zimbabwe: Baobab Books, 1999.
4. O texto foi originalmente publicado no blogue do autor: «cassioserafim.com».

+ sobre o tema

Crescendo Negra: O assédio de todos os dias

Ilustração feita com exclusividade por Ana Carolina Matsusaki (Nã) por...

Loiras geladas, negras encorpadas e a publicidade de cerveja – Por: Jarid Arraes

O álcool é um forte componente da cultura brasileira...

para lembrar

Museu da Pessoa Apresenta: Izabel Mendes da Cunha

Izabel conta para o Museu da Pessoa sobre como...

Violência contra mulher: mais da metade dos estados não repassou dados

Dezoito estados e o Distrito Federal (DF) não forneceram...

Casais que vivem juntos mas não têm vida sexual

Número de casais que deixam de manter relações está...

Sobre o filme Corra! e a constante descolonização do nosso pensamento

Corra! para muitos não passará de um suspense, mas...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=