Quem são as mulheres negras na política?

Na escola e na universidade, junto as colegas costumava mobilizar abaixos assinados e cartas abertas, solicitando ou mesmo reclamando algo que considerava de interesse coletivo.

por Francielle Costacurta  via Guest Post para o Portal Geledés

Esse foi o caminho inicial na carreira política que muitas mulheres ganharam espaço. Porem muitas jovens possuem certa resistência em ascender na pirâmide do poder.

Pois não se identificam com aquela seção politica e economica do jornal, mostrada com homens de terno e uma rivalidade masculinizada, parecendo mais comentaristas de futebol, justificando se foi falta ou não.

Para uma pessoa com conhecimento mais aprofundado e detalhista sabe que: Tentam mostrar que a formação de opinião política é coisa de homen de perfil privilegiado. Mas sabemos que não é bem assim.

E a mulher que participa de reuniões de Ongs, movimentos sociais, partidos, ou executivas de alto escalão e ate mesmo lideres religiosas, sabe que os tempos mudaram. Ou começaram a mudar em alguns espaços de interesse politico, que possuem ações de protagonismo feminino além da figuração feminina, como as primeiras damas com a escova em dia.

No Brasil ainda é pequena a notoriedade da representação política feminina principalmente em grandes cargos governamentais como o senado ou parlamento. A presidência é uma excessão pioneira no Brasil o Chile e a Argentina, também passaram, pela relação de estranhamento de gênero.

E as lideres enfrentam questionamentos da “postura adequada de uma mulher”; se é heterossexual ou se esta bem vestida para a cerimonia? Não defendo que o poder de gestão feminina é melhor ou tem um diferencial que acrescenta se for eleita. Mas vale a pena conhecelas de perto.

Estudar uma representante política, não é diferente do que curtir uma banda de rock. Lemos sobre a sua biografia, vamos ao seu show ou vemos a sua fala, acompanhamos as novidades no feed de noticias, sobre as ações que tem feito e ainda comentamos no nosso grupo como ela no auge da governança, poderia proceder melhor e até desistir de tal intento.

Pronto e nem doeu nada, isso é uma juventude feminista e consciente. Não só na overdose das informações que confere apoio ou indignação nas eleições.

Já a participação política partidária, é mais interessante ainda. Pois é uma aprendizagem constante. São politicas publicas que sabemos em primeira mão, são grupos de varios interesses que se encontram em uma marcha (passeata), trabalhadoras, donas de casa, quilombolas, LGBT e muito mais.

Com a finalidade de construir, reconstruir e expressar ideias. Esse processo demanda, negociação com as pessoas e plenárias sobre a prioridades de pautas. Não que seja fácil, trabalhar em grupo. Para a mulher que começa a militância é duas vezes mais difícil, para quem já foi oprimida ou sofre algum tipo de retaliação pela “costumeira” violência de genero.

Mas só quem fica nas reuniões, sabe o prazer que tem a atividade intelectual, interativa e a organização para a conquista de ações ideais e concretas que podem conferir um bem viver, contemplando você mulher negra.

Conheça mais sobre as autoridades que fazem visibilidade a nossa causa, negritude, cultura e comunidades em vulnerabilidade social.

Benedita Souza da Silva Sampaio- Ex empregada domestica, graduada em serviço social e proveniente da periferia, teve uma carreira meteórica sendo a 1º senadora negra em 1992) e prosseguindo em outros cargos de vida política ate o ano de 2010.
Maria Olivia Santana – A vida publica para a Maria Olivia, começa cedo a participar da militância estudantil. É no movimento negro que ela passa a integrar cargos importantes como dirigente da Unegro e em 2015 assumiu a Secretaria de Politica para as Mulheres.
Leci Brandão da Silva– Atual Deputada Estadual reeleita em 2014 pelo Estado de São Paulo, acumula o ofício de cantora renomada. A sua pauta de trabalho é focada em negritude, racismo e difusão da cultura.

+ sobre o tema

Conheça a vereadora que desbancou políticos tradicionais e bateu recorde de votação em BH

Pela primeira vez na história de Belo Horizonte, uma...

Estudante branco agride mulheres negras durante Virada Antirracista na UFSC

No dia de protesto antirracismo na UFSC, hoje (25), o...

Sobre o maçante e doloroso assunto “Solidão da mulher negra”

Tem um ponto a respeito do maçante e doloroso...

Rihanna sobre rivalidade com Beyoncé: ‘Não coloquem mulheres negras umas contra as outras’

Beyoncé recebeu 9 indicações ao Grammy 2017, consagrando-se a...

para lembrar

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Encontro discute direito de mulheres negras

Um Seminário ocorrido no Rio Grande do Sul, discutiu...

A presença de uma Juíza Negra no STF é uma questão de coerência, reparação histórica e justiça

A Constituição Federal, estabelece como objetivo da República Federativa...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=