Quilombinho forma professores para ensinar cultura dos negros

O curso gratuito foi iniciado na semana passada e conta com 60 professores da rede municipal

Por: Leila Gapy

Toda vez que os professores mencionam a participação dos negros na história e cultura brasileira, Luana Manoel Borges Garcia, de 11 anos, estudante do 5º ano do ensino fundamental, sente-se desconfortável. “Meus professores me citam quando mencionam a escravidão ou os poucos negros bem-sucedidos da história. Não me sinto bem pela raridade ou relação com a tristeza e sofrimento sofridos pelo povo negro”, afirma. Foi pensando em mudar essa realidade que transcende o tempo e fazer valer a lei federal 11.645 – que desde 2003 prevê a inserção da história e cultura afro e indígena no currículo educacional -, que o Centro Cultural Quilombinho idealizou e iniciou o 1º curso “Relações Étnico-raciais”.

O curso gratuito, composto por 60 horas divididas em sete sábados/aula, foi iniciado na semana passada e conta com a parceria da Secretaria de Educação de Sorocaba, através da participação 60 professores da rede municipal de ensino. “Nós temos uma lei que obriga as escolas públicas a inserir a história afro-brasileira e africana nos currículos escolares. Os assuntos devem ser abordados em disciplinas como Educação Artística, Literatura e História do Brasil. Porém, a lei ainda não é aplicada. Não há diretrizes ou penalidades. Mas diante da necessidade explícita, nós optamos por fazer a nossa parte”, explica Mariana Martha de Cequeira Silva, coordenadora pedagógica do Centro Cultural Quilombinho e responsável pela organização do curso.

Ela assume que não há pesquisa específica sobre a quantidade de negros e pardos matriculados nas escolas sorocabanas. Mas destaca a percepção sensorial desenvolvida na entidade. “Nós sabemos que no Brasil os negros e pardos são maioria, mas que em Sorocaba são minoria. Sabemos também que há poucos estudantes negros no ensino particular e que esse número cresce na rede pública, embora aqui os brancos prevaleçam. Porém, quando olhamos os dados criminais e/ou pejorativos, como menores apreendidos, pessoas assassinadas, os negros e pardos são maioria”, observa. A coordenadora pedagógica está certa. Segundo o Censo 2010, pela primeira vez a população brasileira deixou de ser predominantemente branca.

Nos dados daquele ano, última pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), as pessoas que se declararam brancas somaram 47%, enquanto nos demais censos sempre estavam acima de 50%. De acordo com os dados, a população negra é de 7%, mas a parda totaliza 43%, enquanto a indígena soma 1% e a amarela 2%. Sorocaba, que soma 586 mil habitantes, não tem os dados detalhados do censo 2010, mas os gráficos acompanham a evolução do Estado, que também é semelhante aos nacionais. Mas apesar dos dados, foram os relatos como do menino Rafael de Araújo Costa, de 10 anos, estudante do 4º ano do ensino fundamental, que justifica a idealização do curso, garante Mariana.

É que Rafael, declarado branco, também sente-se constrangido quando o assunto é a história afro-brasileira. Ele incomoda-se devido a empatia pelos amigos negros. “Eu não vejo diferença alguma entre brancos e negros. Mas quando o professor começa a falar sobre a escravidão, não gosto muito”, assume. Segundo Mariana, estes sentimentos descritos pelos estudantes são compartilhados por muitos outros, há muito tempo. “Quando eu estudava, na década de 1980 e 1990, já era assim. É preciso mudar a forma do brasileiro se relacionar com a vasta influência da história e cultura africana e negra”, destaca ela, que formou-se em pedagogia na Universidade de São Paulo (USP).

Para ela, o objetivo não é esquecer a escravidão, mas aprender a falar o quanto os negros construíram, a importância do trabalho braçal no Brasil Colônia. “Precisamos destacar a importância desta influência na culinária. Devemos deixar de mencionar as danças e batuques com origens profanas e exaltar sua raiz, lá na África, seus significados. O importante é fazer com que o aluno negro ou pardo deixe de se sentir à margem da história e passe a sentir-se integrante dela. Valorizado”, defende a coordenadora, que acrescenta: “E às vezes os professores não fazem isso porque não sabem como”. Por conta disso, o curso organizado pelo Quilombinho visa ensinar a história africana e como inserí-la na sala de aula.

Além da mudança na forma de mencionar a história, elevar a cultura afro-brasileira por meio de eventos lúdicos, como utilizar o hip hop, também deve ajudar. “Esse é o caminho da igualdade”, defende Mariana. Por essa razão, professores, doutores, pesquisados da cultura afro e integrantes do Quilombinho desenvolverão nos próximos sábados os temas: a lei federal 11.645; o racismo; a história africana; a presença negra no Brasil e em Sorocaba; a escola, currículo e africanidades; e o afro-brasileiro de todo dia. O primeiro curso, programado pela entidade, teve apenas 60 vagas disponibilizadas.

Mas a monitora do Quilombinho, Maiara Fernanda de Souza Cruz, de 18 anos, é uma das pessoas que fazem o curso. Além de ter vivenciado a abordagem pejorativa da historia africana em sala de aula, ela deseja aprender a valorizar a memória afro-brasileira. “Estamos tão acostumados com a predominância branca que nem percebemos que há outra forma de ver nossas origens e importância”, argumenta. Segundo a coordenação, há projeto para abertura do 2º curso “Relações Étnico-Raciais”, mas ainda não há parceiros para o custeio. Informações na sede da entidade, na rua Caramuru, 203, Vila Leão. Telefone (15) 3018.8090 ou [email protected].

 

 

Fonte: Jornal Cruzeiro

+ sobre o tema

Filme de Wagner Moura sobre Marighella abre seleção de atores

Filme de Wagner Moura sobre Marighella abre seleção de...

Adiamento da ação que questiona terras quilombolas visa desmobilizar luta, diz líder

O STF suspendeu, nesta quarta, o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade...

Novembro Negro tem programação unificada na UFMG

Espetáculos culturais, rodas de conversa sobre percurso de alunos...

para lembrar

Semana da Consciência Negra 2011-Revista Conexão Afro – Porto Alegre

Semana da Consciência Negra 2011 O Gabinete de Políticas Públicas...

Reunião para Fórum de Clubes Sociais Negros é realizada em Salto

Reuniões preparatórias para decidir sobre os clubes sociais das...

A partir de amanhã, jovens afrodescendentes se reúnem em Encontro Nacional

No marco do Ano Internacional dos Afrodescendentes, o Movimento...

Bahia e Rio de Janeiro realizam seminários sobre promoção da igualdade no contexto dos grandes eventos esportivos

Debates acontecem segunda, 03/10, em Salvador, e terça-feira, 04/10,...
spot_imgspot_img

Quilombo de Mãe Bernadete é reconhecido pelo governo federal

A comunidade Pitanga dos Palmares, da líder quilombola Mãe Bernadete, assassinada em agosto do ano passado na Bahia, foi reconhecida e declarada como Comunidade Remanescente de Quilombo pelo...

Quem foi Beatriz Nascimento, pioneira nos estudos sobre quilombos

Beatriz Nascimento é uma das intelectuais mais importantes do Brasil. Historiadora, ela foi pioneira nos estudos sobre as comunidades quilombolas no país. No ano passado,...

Inscrições abertas para compor banco de itens do Saeb

As inscrições para credenciamento de colaboradores interessados em compor o Banco de Colaboradores do Banco Nacional de Itens (BC-BNI) do Sistema de Avaliação da...
-+=