Racionais MC’s: revolução do Rap nacional em 30 anos de história

Mano Brown, Ice Blue, KL Jay e Edi Rock são os Racionais MC’s e marcaram a história da música popular brasileira e a identidade do Hip Hop nacional, fazendo parte da trajetória da juventude negra e periférica dos anos 90.

Por Gabriella Mesquita, Do Brasil de Fato

O grupo trouxe em sua primeira coletânea, intitulada Consciência Black, músicas como Pânico na Zona Sul e Tempos Difíceis, que escancarou a desigualdade social brasileira, o genocídio e a marginalização da população negra e pobre. As letras traziam reflexões sobre a violência policial na favela, negritude e política para uma geração inteira que cresceu ao som dos Racionais.

A turnê “Racionais 3 Décadas” comemora a vitória e a expansão do Hip Hop

Um dos principais Djs do cenário nacional e integrante do grupo, KL Jay, hoje com 50 anos de idade, fala da contribuição dos Racionais para a formação de uma nova mentalidade, mais consciente e de olhos bem abertos para as injustiças veladas que acontecem nas periferias.

“Eu acho que os Racionais influenciaram de uma maneira muito boa uma geração aqui no Brasil, mudou uma mentalidade e revolucionou. O termo salvar, eu acho que é um pouco apelativo. A gente ouve isso dos pretos, brancos, pobres, ricos, “vocês salvaram minha mente”. Então, os Racionais tem uma grande participação na mudança de mentalidade e isso vale mais do que a fama. O que me deixa contente, não me envaidece, é o respeito, a moeda mais cara”, explica KL Jay.

Depois de oito discos e 30 anos de carreira, o grupo volta aos palcos com uma turnê especial que passará por dez cidades do Brasil, com início em Florianópolis, em 20 de julho e encerramento em São Paulo, no dia 12 de outubro. O show Racionais 3 Décadas – turnê 2019 comemora sobretudo a vitória e a expansão do Hip Hop no Brasil e reúne em seu setlist a união de músicas de toda a trajetória do grupo.

A realidade da juventude das quebradas foi representada pelos versos de álbuns como o Sobrevivendo no Inferno de 1997, que resiste ao tempo como um dos discos mais importantes do Brasil. Em 2018, O CD ganhou uma versão impressa, com suas letras registradas em um livro que leva o mesmo título do disco, publicado pela Companhia das Letras.

Por tamanho impacto na literatura e na história da música popular brasileira, o conteúdo do livro intitulado “Sobrevivendo no inferno” integra a lista de obras obrigatórias para a prova da Unicamp, em 2020.  O professor de literatura brasileira da Universidade Federal de Pernambuco, Acauam Oliveira é autor do prefácio do livro e explica o que o grupo traz musicalmente nessa turnê.

“O show está numa pegada mais dançante, mais Black Music, melodioso e acompanhando várias das mudanças recentes do Rap, como o trabalho do Emicida e do Baco, que são mais dançantes e melodiosos, e combinou a linguagem das músicas antigas com as mais recentes. Isso tem tudo a ver com aquilo que os próprios Racionais vem falando tem um tempo, de que o Rap precisa voltar para o baile e para a pista.  Porque para o Rap se comunicar com a quebrada precisa voltar a dançar e tal e isso é uma coisa que o Mano Brown, o Edi Rock, O Kl Jay e o Ice Blue estão falando”.

Ao longo dos últimos anos, o Rap nacional passou por diversas mudanças e questionamentos. Abordagens de pautas identitárias como a transfobia, o feminismo, a homofobia e a gordofobia, por exemplo, que não eram vistas no ritmo, hoje sobrepõem o machismo e a misoginia de algumas letras.

Grandes nomes do Rap nacional como Karol Conka, Tássia Reis, Brisa Flow, Preta Rara, Criolo, Emicida e Baco Exu do Blues, por exemplo, acabam marcando um novo cenário e incluindo mais representatividade para o gênero musical no Brasil.

Acauam explica como a inclusão de temas atuais geram mudanças também no posicionamento dos Racionais, que passam por uma apropriação dessas pautas. A música “Mulheres Vulgares” do grupo, hoje não é mais cantada e passagens machistas são ponderadas ao vivo em seus shows.

“Do final dos anos 80 e 90 para 2010, o sujeito que faz Rap mudou. Com outro tipo de debate que não tinha nos anos 90. O público mudou e se ampliou, assim como as pautas e junto com isso, o ritmo se abriu para várias questões identitárias que não estavam em pauta nos anos 90. A mulher era sempre tratada como algo a ser excluído, era marginalizada dentro do movimento Hip Hop, a questão LGBT só aparecia de forma negativa. Esse debate identitário que é novo, pelo menos em termos de popularização, ele encontra um eco no Rap que não tinha antes”.

O Dj KL Jay conta que as mudanças na música dos Racionais também acompanham essa nova geração, com batidas novas e mais modernas, músicas menores e diversifica os assuntos das letras. Ele explica que o público sempre espera que as músicas falem de opressão ou política, mas o crescimento musical do grupo também permite cantar as vitórias.

+ sobre o tema

Festival ‘Na janela: Jornadas antirracistas’ reúne escritores e ativistas

Entre sexta (26/6) e domingo (28/6), a Companhia das...

Congo Belga: independência x ditadura

Um dos processos mais sangrentos de independência aconteceu...

para lembrar

Quilombola brasileira revela emoção de primeira visita à África

Por: Mirella Domenich   Um grupo de quilombolas - descendentes dos...

RETRATO DAS DESIGUALDADES DE GÊNERO E RAÇA – IPEA

RETRATO DAS DESIGUALDADES DE GÊNERO E RAÇA...

Frederick Douglass, o filho de uma escrava com um branco que se tornou líder abolicionista

Frederick Douglass, um escravo fugitivo de 23 anos de...
spot_imgspot_img

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Spcine marca presença no Festival de Cinema de Cannes 2024 com ações especiais

A Spcine participa Marché du Film, evento de mercado do Festival de Cinema de Cannes  2024 e um dos mais renomados e influentes da...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...
-+=