Racismo ambiental: África na rota dos lixos do ocidente

 

A quantidade de resíduos produzidos no mundo nos últimos trinta anos cresceu três vezes mais do que a população. Pior, a quantidade de lixo tóxico aumentou várias vezes mais e ameaça o ambiente em diversas regiões do mundo, como África.

Brasília – A população mundial produz atualmente mais resíduos do que consegue acolher e tratar. E cria todos os anos lixos tóxicos, como o nuclear, que ninguém quer. Como sempre, são os mais vulneráveis os mais prejudicados, e África tem-se transformado no caixote do lixo do mundo industrializado.

A quantidade de resíduos produzidos no mundo nos últimos trinta anos cresceu três vezes mais do que a população. Pior, a quantidade de lixo tóxico aumentou várias vezes mais e ameaça o ambiente em diversas regiões do mundo, como África.

O continente tem sido nas últimas décadas um autêntico caixote do lixo das nações industrializadas. Nigéria, Costa do Marfim, Gana, Benim ou Somália são verdadeiros locais de depósito de resíduos tóxicos de diversos países industrializados do hemisfério norte, para quem sai mais barato a sua exportação do que o seu tratamento. Mas a Guiné-Bissau e Moçambique também já receberam carregamentos do exterior. O Ocidente, na sua estratégia de desenvolvimento assente no consumismo e na globalização, vende a África os seus produtos, e ainda exporta, muitas vezes ilegalmente, os desperdícios indesejáveis que resultaram da sua fabricação. Isto apesar da legislação internacional, que já existe.

Questão global que só encontra soluções se entendida como tal, os resíduos continuam a ser um problema pouco valorizado na generalidade dos países africanos. As lixeiras são o principal destino de todo o género de desperdícios, incluindo os urbanos, industriais e tóxicos. O ambiente é duramente afetado, e a saúde pública é colocada em risco. Além do despertar para a consciência do problema, que nem sempre existe, as soluções passam por financiar projetos dedicados especificamente aos resíduos. O que não é fácil nos tempos que correm.

 

 

Fonte: Africa21

+ sobre o tema

Bolt visita projeto social no Rio e “perde” corrida para criança

Mais bem humorado do que durante a entrevista coletiva...

Novembro Negro tem programação unificada na UFMG

Espetáculos culturais, rodas de conversa sobre percurso de alunos...

para lembrar

Morre aos 75 anos o ator Nelson Xavier

O ator Nelson Xavier, de 75 anos, morreu na...

Samba rock marca presença na VIII Feira Preta Cultural

A maior feira de cultura negra de São Paulo...

Beyoncé e Jay-Z fazem Museu do Louvre bater recorde de visitas

Guia de visitação baseado em clipe dos The Carters...

Fátima Oliveira, uma nova estrela no Orun

É com grande pesar que informamos o falecimento de...
spot_imgspot_img

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...

Graciela Soares se inspira na obra de Carolina Maria de Jesus para o lançamento de single inédito

A partir do 7 de junho, a cantora e compositora Graciela Soares apresenta nas principais plataformas de áudio o seu primeiro single autoral Despejo, confira o link do...

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...
-+=