Radicalismo inaceitável

Enviado por / FonteO Globo, por Atila Roque

A invasão do Capitólio há duas semanas foi um ataque sem precedentes às instituições democráticas nos EUA. A ascensão de Donald Trump à Presidência e sua crescente popularidade junto às bases eleitorais republicanas deixaram o país refém de um líder carismático, tributário de um fundamentalismo religioso abertamente misógino, racista e xenófobo. No entanto a ação violenta de manifestantes apoiados pelo presidente foi a chance que alguns setores do Partido Republicano estavam esperando para esvaziar a influência de Donald Trump e afastar a legenda — e os americanos — desse radicalismo inaceitável. A posse de Joe Biden e Kamala Harris amanhã oferece uma oportunidade para valorizar o papel das instituições democráticas na gestão dos conflitos políticos. A polarização e o tudo ou nada político já mostraram que podem ser fatais para a democracia nos Estados Unidos e no mundo.

O Brasil parece deparar com um dilema semelhante: como não repetir nas eleições presidenciais de 2022 o clima tóxico que resultou na vitória de Jair Bolsonaro? A hipótese mais plausível seria uma candidatura independente, capaz de angariar apoio entre as forças da esquerda, da direita e do centro.

O problema é que ainda não existe uma candidatura natural que ocupe esse espaço. Permanecemos, aparentemente, prisioneiros da polarização.

Diante desse impasse, convém olhar com atenção para o que se passa na sociedade civil. O ano de 2020 foi um momento de visibilidade e fortalecimento de uma rede diversa de iniciativas, que se mostraram capazes de tecer alianças acima de diferenças ideológicas ou de interesses de classe e proporcionaram uma resposta à crise causada pela Covid-19. A mobilização de ativistas sociais, empresários, fundações privadas, lideranças comunitárias, veículos de comunicação, entre outros, provou que a sociedade é capaz de fazer da sua diversidade um suporte para responder com eficácia às emergências da pandemia, agravadas por nossas históricas desigualdades, em particular as decorrentes do racismo estrutural que marca tão profundamente nosso país.

Noutros momentos, vimos mobilizações similares trazerem consequências importantes para o avanço da democracia e da política de redução das desigualdades. Um ótimo exemplo é a Ação da Cidadania Contra a Fome e Pela Vida, liderada pelo saudoso sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, que, em meados dos anos 1990, foi capaz de mobilizar mais de 40 milhões de pessoas em ações de combate à fome, impulsionando políticas governamentais que geram frutos até hoje.

Para isso, as forças políticas e as instituições precisam cumprir a sua parte e exercer, sem hesitação, suas responsabilidades constitucionais. A democracia é uma construção coletiva permanente, a exigir diálogo e cooperação, mas também a cobrar responsabilidade (e punição) diante de crimes cometidos por governantes e autoridades públicas, sem exceção. A lição que veio dos EUA não deve ser esquecida.

Atila Roque é historiador e diretor da Fundação Ford no Brasil

+ sobre o tema

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo...

Trump se torna 1º ex-presidente condenado em ação criminal na história dos EUA

Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente considerado culpado pela...

Um compromisso nacional

Alfabetizar todas as crianças foi colocado desde o início...

para lembrar

Pochmann: “sociedade que deu origem ao PT não existe mais. Estamos com um retórica envelhecida”

Estamos vivendo uma mudança de época profunda na história...

Alckmin e Kassab em apuros, azar de Serra

Por: Ricardo Kotscho   De uma hora para outra, os paulistanos...

Fátima Oliveira: A caminho das reparações da crueldade escravocrata

Não dei conta de acompanhar as duas sessões do...

Mapa aponta que quase meio milhão de cariocas passam fome

A insegurança alimentar grave é realidade em 7,9% das casas na capital fluminense. Em números absolutos, são 489 mil pessoas que passam fome. Cerca de 2 milhões de cariocas convivem...

STF intima governo de SP a se manifestar em ação sobre edital de câmeras

O presidente do STF, Luís Roberto Barroso, intimou o governo de São Paulo a se manifestar em até 72 horas sobre ação que questiona edital que...

Alfabetização de crianças retoma nível pré-pandemia, mas quase metade de alunos no 2º ano ainda não sabe ler e escrever

O governo federal afirmou nesta terça-feira que 56% das crianças alcançaram em 2023 o patamar de alfabetização registrado no período pré-pandemia, em 2019. Com...
-+=