RECIFE: Negro discriminado no mercado

Fonte: Diário de Pernambuco –

A Agência Condepe/Fidem e o Dieese divulgaram, ontem, a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) sobre a desigualdade entre negros e não-negros no mercado de trabalho da Região Metropolitana do Recife (RMR), no período entre 2004-2008.

Negras ainda são mais prejudicadas, com taxa de desemprego de 24,7%. Foto: Helder Tavares/DP/D.A Press

O estudo concluiu que raça e gênero ainda fazem diferença quando os assuntos são renda e emprego. A pesquisa percorreu 60 mil domicílios diferentes nos dois anos. Os órgãos de pesquisa lembram que o segmento dos negros consiste em negros e pardos (somam 75% da população), e o de não-negros, em brancos e amarelos.

Nesse tempo, a taxa de desemprego da população negra caiu de 23,9% para 20,9% e a da não-negra de 21,1% para 16,3%. Em 2008, a RMR possuía um total de 335 mil desempregados – 260 mil negros e 75 mil não-negros. As reduções nas taxas de desemprego ocorreram porque aumentou o número de postos de trabalho (128 mil para a população de pele escura e 52 mil para a clara). Mesmo assim, o número de pessoas que ingressaram no mercadode trabalho da região foi inferior (119 mil negros e 38 mil não-negros). As mulheres enfrentam maior dificuldade de inserção na esfera produtiva. As negras ainda são mais prejudicadas, apresentando uma taxa de desemprego de 24,7%, em 2008, enquanto a das não-negras correspondia a 18,4%.

Com relação à taxa de participação das populações estudadas, que expressa a proporção de pessoas com 10 anos ou mais incorporadas ao mercado de trabalho como ocupadas ou desempregadas, ambas ficaram empatadas no ano passado. A pesquisa apontou que a taxa de participação dos negros cresceu 1,7%, passando de 52,2% para 53,1%. E dos não-negros aumentou 3,1%, passando de 51,6% para 53,2%. Isso revela que os negros tendem a entrar mais cedo no mercado e permanecem por mais tempo empregados.

Ao mesmo tempo em que começam a trabalhar mais jovens, os negros ainda têm o rendimento médio real por hora mais baixo. Em 2004, era R$ 3 contra R$ 4,67 dos não-negros. Entre 2004-2008 esta relação agravou-se. A elevação da renda média das pessoas de pele clara ocupadas foi maior. No entanto, o ganho médio dos ocupados de cor escura ficou em R$ 3,44 contra R$ 5,55 dos ativos não-negros.

A pesquisa revelou também um lado favorável. “Cresceu o número de pessoas negras ocupando cargos de destaque em empresas, nos postos de direção, gerência e planejamento”, destacou o coordenador da Pesquisa de Empreso e Desemprego do Dieese. A contratação com carteira de trabalho assinada também aumentou de 62,6%, em 2004, para 66,1%, em 2008. Destaca-se menos contratação desta forma entre os negros (64,7%), e maior entre os não-negros (69,6%). Os de pele escura superam os mais claros quando trabalham sem carteira assinada, são autônomos que trabalhavam para uma empresa ou assalariados subcontratados.

O estudo observou no período que, segundo sexo e raça/cor, o número de negros nos postos de trabalho dos setores da indústria de transformação, construção civil e serviços domésticos aumentou. Porém, houve redução na área comercial, de serviços e em outros setores. Na outra categoria, houve queda no comércio, serviços domésticos e outros setores.

Matéria original

+ sobre o tema

FEIRA PRETA

Encontro de cultura, cidadania, educação e economia solidária, a...

CEARÁ: IX Semana Paulo Freire

  A Semana Paulo Freire chega a sua nona edição...

ONU lança Ano Internacional para Afro-Descendentes

Em mensagem à Assembleia-Geral, Ban Ki-moon diz que o...

para lembrar

Programação: Mês da Consciência Negra 2010

05 de novembroSolenidade de Abertura do Mês da...

Zumbi Vive 2010 continua com apresentações artísticas

Iniciando as comemorações em torno do mês da Consciência...

Éle Semog: Tudo que está solto – Lançamento do livro

Tudo que está solto  Ele Semog 23 novembro 2010...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=