Reparação social da população negra através da arte e cultura

Acredito que as injustiças e perversidades que a população negra sofre desde o período da escravidão podem ser minimizadas por meio de políticas públicas voltadas à arte e cultura, através de um maior investimento dos órgãos públicos competentes com o objetivo de fomentar as manifestações culturais negras, para que assim se obtenha uma reparação social histórica através da reconstrução da nossa identidade.  

Por atuar desde a minha adolescência em ações ligadas à cultura negra tradicional e contemporânea, como a Capoeira e o Hip Hop, as quais tenho propriedade em mencionar, analiso que nestas importantes manifestações artísticas há diversidades, portanto, com representações distintas, por exemplo, a  Capoeira que através da oralidade, musicalidade e luta, explana  a história da população negra desde o século XVI. Jáá o Movimento Hip Hop nacional surge na década de 80 relata através de protestos as injustiças ainda presentes, além disso, explica o motivo pelo qual a população negra está inserida nas grandes periferias sobrevivendo na precariedade devidos os reflexo das atrocidades causadas pela escravidão no Brasil.

As manifestações culturais citadas, como tantas outras existentes criadas pela população negra , são nossas verdadeiras heranças e possuem extrema importância  para o nosso autoconhecimento e conscientização diante  das injustiças e violações de direitos ainda presentes, num contexto histórico longe de uma democracia e equidade racial. 

Com poucos incentivos culturais e o preconceito racial enraizado em nosso país, se torna desafiador fomentar as manifestações artísticas negras em sua essência, sem que seja necessário maquiar ou agradar os racistas. Estas manifestações,  por si só, na sua originalidade podem  servir de   mecanismo  potente para uma luta maior contra o racismo, desde que ouvida. Sabemos que seus efeitos positivos, formam  tornar cidadãos críticos, criativos e intelectualizados capazes de mudar as realidades e combater o preconceito racial.  

A cultura é um direito estabelecido por lei conforme prescreve o art. 215 da Constituição Federal de 1988, mas como não há grandes promoções por parte governo, cabe a nós, agentes culturais negras, nos mantermos firmes e fortes, para que possamos realizar artes, manifestos originais e independentes,  termos a responsabilidade de buscar meios e manter a essência da cultura negra, além de promover ações envolventes, implantar e fortalecer o ser cultural em nossos semelhantes, em particular aqueles que se identificam, apreciam arte e cultura porém não têm acesso nem estímulo. 

 

Renata Santos /SP –  “Meduza com Z” é Grafiteira, Capoeirista e Pedagoga e  Líder do Programa de Aceleração de Mulheres Negras Marielle Franco do Fundo Baobá. @meduzacomz.
** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Na paz e na guerra, continua-se negro

Inicio esse texto já alertando que não sou historiadora...

A Consciência Negra e seus múltiplos sentidos

A celebração do Dia da Consciência Negra, todos os...

Quantas professoras negras você já teve na universidade?

Quantas professoras negras eu já tive? Foi uma questão...

para lembrar

Tocantins: Livro de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana será distribuído para Escolas

O livro “História e Cultura Afro-Brasileira e Africana”, que...

Governo troca cultura por mais armas na favela

Em meio à violência que recrudesce nas favelas do...

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...

Camisa Verde e Branco abre hoje desfile do grupo especial em SP

A escola de Samba Camisa Verde e Branco abre hoje (9), às 23h15, a primeira noite de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial...
-+=