Revelações de ‘Olhos D’água’

Doutor em letras analisa a obra de Conceição Evaristo, sensação brasileira no recente Salão do Livro de Paris

“A maior parte de qualquer presente é feita de passado. A história (…) é em grande medida continuidade. Faz parte de seu complexo peso material não poder ser constantemente remodelada. E, mesmo quando conseguimos transformá-la de fato, podemos perceber que seu peso repousa como um pesadelo no cérebro dos vivos.”

Terry Eagleton

O público leitor que ainda não teve a oportunidade de conhecer a literatura construída pelos textos de Conceição Evaristo pode começar pelo seu mais recente livro: “Olhos D’água”, publicado em 2014, coedição da Fundação Biblioteca Nacional e da editora Pallas. O livro é constituído de 15 contos, muitos deles publicados nos “Cadernos Negros” e que, agora reunidos, constituem um novo e intrigante mosaico de personagens e situações baseadas no cotidiano da comunidade negra/afro-brasileira urbana. É o que a própria escritora, sensação no recente Salão do Livro de Paris, denomina “escrevivência”, conceito-atitude que pode ser identificado em escritores como Lima Barreto, Carolina Maria de Jesus e João Antônio, para citar apenas três exemplos.

Este modo de escrita é fundamentalmente comprometido com a vida, sem o receio de que o trato da lida cotidiana afete a qualidade literária, pois escrevemos justamente porque estamos aqui, vivos… Alguns o fazem e fizeram também no intuito de suportar a própria vida, o que não chega a ser o caso de Conceição Evaristo.

Outra característica marcante de sua criação literária é o que o professor Eduardo de Assis Duarte denomina de “brutalismo poético”, pois a violência também integra a maioria dos enredos de suas narrativas. O que surpreenderá não somente aos novos leitores e leitoras é a maneira como a escritora tece e costura cenas de profundo impacto, no que diz respeito à violência urbana, imprimindo a quase inexplicável leveza no trato do tema. Esses dois fatores que compõem seu modo de criação literária, a meu ver, operam como estratégia e/ou convite para que leitores sejam surpreendidos ao se perceberem imersos na história contada. Arrisco pensar que a voz que narra tais histórias, em terceira pessoa, é feminina e negra, o que por si só não seria suficiente para manter o tom poético no ato de narrar e/ou construir/sugerir as imagens e/ou características das personagens. Entretanto, é fundamental para representar a proximidade da voz que narra aos acontecimentos que se desenvolvem vorazmente diante dos olhos-ouvidos do receptor.

Interligação. Devo agora trazer para o diálogo com o texto de Conceição Evaristo a epígrafe de Terry Eagleton que faz referência aos conceitos de passado e história. Originalmente, no texto do teórico inglês, ao mencionar o segundo conceito indica significado mais amplo, que poderíamos chamar de a grande narrativa ou história humana. O texto de Evaristo, no entanto, pontua de forma suplementar o conceito ao abrir o livro com o conto “Olhos D’água”: o presente e o passado são apresentados/relidos a partir da perspectiva feminina e negra/afro-brasileira, mesclando a memória afetiva do indivíduo com a de sua comunidade de pertencimento. Ter o passado histórico como “um pesadelo no cérebro dos vivos” parece ser o componente que salta das páginas de forma repentina, chegando a tirar o fôlego de quem lê. Estas narrativas, na forma breve do conto, foram possíveis justamente pela “transformação” diária de sua própria história feita pela comunidade. E mais, é a história recente dos desdobramentos da diáspora africana no Brasil, operada pelo sistema escravista até que foi “oficialmente” concluído com a Abolição, em 1888. A “escrevivência” de Conceição Evaristo aponta, a partir de seu “brutalismo poético” a permanência e reatualização da violência do passado que atua, ainda, como pesadelo.

Críticos literários e escritores concordam, não pacífica e prontamente, num ponto: o trabalho literário deve ocorrer de maneira quase incansável, com a exploração de novos caminhos com linguagem, sempre em busca de renovação ou criação de algo único ou, ainda, de uma “assinatura” estética. No que diz respeito à produção de Evaristo, nesta coleção de contos, especialmente, ressalta o recurso de escrita que se baseia na hifenização, a qual passo a denominar, neste caso específico, palavras siamesas (cuja lista a seguir, aviso, pode estar incompleta): “lava-lava” e “passa-passa” (p. 16); “peitos-maçãs” (p. 22); “gozo-pranto” (p. 23); o nome de uma de suas mais contundentes de sua galeria de personagens, “Duzu-Querença” (p. 31); “flor-criança” (p. 46); “borboleta-menina” e “dedos-desejos” (p. 51); “ave-mãe” (p. 55); “corpo-coração”, “gozo-dor” e “jorro-d’água” (p. 60); “barrigas-luas”, “águas-lágrimas”, “dança-amor” e “buraco-perna” (p. 61); “alma-menina” (p. 63); “figurinha-flor” (p. 74); “quarto-marquise” (p. 76); “coragem-desespero” (p. 80); “beija-beija” (p. 82); “verdades-mentiras” e “peito-coração” (p. 83); “Deus-menino”, “imagem-mulher” e “imagem-homem” (p. 84); “rio-mar” (p. 99); “fumacinha-menina” e “contra-contra” (p. 101); “mar-amor” e “mundo-canal” (p. 104); “mar-amar” e “mar-morrente” (p. 107).

Esse jogo de busca-descoberta com palavras, devo mencionar também, passa pela experiência de Evaristo como leitora e produtora de poesia. Talvez, seja justamente essa particularidade de transitar tanto pela poesia quanto pela prosa, que contribua para a carga poética mesmo quando suas narrativas tratam de temática tão contundente quanto a condição feminina negra/afro-brasileira. E tal ludicidade séria não se resume às palavras siamesas. Os nomes escolhidos para seus personagens são criados a partir da aglutinação de palavras – “Luamanda” – exemplo formado pelo substantivo lua e o verbo “mandar” (conjugado no presente do indicativo, terceira pessoal do singular) – “Dorvi” – novamente utilizando um substantivo “dor”, aliado ao verbo “ver” (conjugado na primeira pessoa do pretérito perfeito). Outras fontes preciosas para a denominação de personagens são as culturas Banto e Iorubá. E não são utilizadas apenas para este fim, pois as referências às narrativas míticas africanas se apresentam ora como poderosas metáforas, ora como alegorias que podem se referir, direta e/ou indiretamente, à diáspora africana no passado brasileiro e seus desdobramentos em nosso “presente-cotidiano”.

Lições. Enquanto o mundo se modifica brutal ou tediosamente à nossa volta, os contos de “Olhos D’água” (2014) nos impulsionam a pensar sobre a condição humana vivenciada pela comunidade negra/afro-brasileira. E as narrativas não operam com objetivo de dar respostas prontas e fáceis ao público leitor, pois o desafiam constantemente a aventurar-se pela seara indagadora de nossa própria existência: “Mãe, qual é a cor úmida de seus olhos?” (p. 19); “Esqueceu da vida? Esqueceu de você?” (p. 29); “Não está vendo que ela era uma menina?” (p. 33); “Por que estavam fazendo isto com ela?” (p. 42); “Já que não estava dando para viver, por que não procurar a morte?” (p. 94). Entretanto, a esta última pergunta parece ser dada resposta em forma de um fio de luz no conto que encerra o livro. Para descobrir, sugiro que se aventure pelo mundo das personagens que brotam das narrativas de “Olhos D’água”.

* Adélcio de Sousa Cruz é doutor em letras, estudos literários (UFMG), professor de literatura brasileira e teoria da literatura do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa (UFV); pesquisador dos núcleos NEIA e NELAP, ambos da UFMG; autor de “Narrativas Contemporâneas da Violência: Fernando Bonassi, Paulo Lins e Ferréz” (editora 7 Letras, 2011).

 

+ sobre o tema

Wilson das Neves e músicos cubanos e africanos na TV Brasil

Ai, gente, eu adoro a programação da TV...

“É Tudo Nosso”

"É Tudo Nosso" é o novo programa da Rede TVT em...

para lembrar

Michelle Obama e Beyoncé: amigas e feministas?

As declarações públicas e as escolhas feitas por ambas...

Históricas relações entre Brasil e continente africano avançam no campo da parceria

  POR HÉLIO CAMPOS MELLO E LUIZA VILLAMÉA As históricas relações...

Serena Williams vence Sharapova e está na semi da Austrália

A tenista americana Serena Williams, primeira cabeça de chave...

Basquiat leva 3 000 pessoas ao CCBB na abertura de exposição

Retrospectiva foi inaugurada na quinta (25); ingressos para o...
spot_imgspot_img

Ex-seguranças da Chic Show, amigas se emocionam em festival: ‘Chorei muito’

A Chic Show, festa/baile black símbolo da resistência cultural negra paulistana, celebra 50 anos em grande estilo com um festival no Alianz Parque neste...

Gilberto Gil afirma que não se aposentará totalmente dos palcos: “continuo querendo eventualmente cantar”

No fim de junho, saiu a notícia de que Gilberto Gil estava planejando sua aposentadoria dos palcos. Segundo o Estadão, como confirmado pela assessoria do...
-+=