A revolução dos cachos infantis: uma lição de amor e resistência

No Dia da Mulher, mães abrem o coração sobre a maternidade negra em relatos emocionantes e dão dicas para valorizar o cabelo afro.

Tipos de cabelos cacheados

Os cachos são classificados de acordo com suas características:

Tipo 2 – ondulado

2A: raiz lisa e ondas suaves, bem próximo do cabelo liso.
2B: um pouco mais definido do que o 2A, mas ainda com pouco volume.
2C: começa a formar ondas marcantes mais próximas da raiz e é mais cheio.

Tipo 3 – cacheados

3A: cachos abertos definidos da raiz às pontas e fios volumosos, costuma ficar com frizz em dias de chuva.
3B: cachos bem definidos e menores, como molinhas, que tendem a ficar ressecado nas pontas.
3C: muitos cachos pequeninos, que formam volume e fios mais grossos.

Tipo 4 – crespos ou afros

4A: cachos estreitos e fios grossos, formam um S quando esticados.
4B: os cachos têm formato de “z” e encolhem bastante de tamanho.
4C: os fios são grossos e o cachos quase imperceptíveis. Esse tipo de cabelo é mais seco naturalmente.

Ensinamentos do passado

Histórias como a de Aliya são uma constante para as mães de meninas negras. Mesmo assim, houve um tempo em que o cenário era ainda pior. “Quando eu era mais nova não se aceitava cabelo afro, nem eu me aceitava”, conta Carla Cavallieri, 33 anos, mãe de três meninas: Ágatha, de 11, Aisha, de 4, e Akillah, de 9 meses.

Henê, bobes, brow, pente quente, relaxamento afro… São inúmeras as técnicas agressivas utilizadas no passado – algumas até hoje – para alisar ou reduzir o volume dos fios. “Isso detonava o cabelo e acabava com a nossa autoestima. Com uns 12 anos, minha mãe foi obrigada a cortar o meu bem curto, pois estava muito danificado”, relembra Priscilla.

“Eu olho as fotos daquela época e não estou sorrindo em nenhuma, me odiava muito”, completa a mãe de Aliya, que há nove anos passou pela transição capilar. “Nossas mães não faziam por mal, mas foi imposto para elas culturalmente que o cabelo afro não era aceito”, explica Carla, que voltou ao seu cabelo natural – que ela nem lembrava mais como era – aos 26 anos de idade.

“São lembranças de muita dor e tristeza”, resume Priscilla. A experiência negativa de ontem virou aprendizado para hoje. E as coisas, felizmente, evoluíram. “Hoje eu posso criar minhas filhas com cabelo crespo. Elas vão desde cedo se amar, se reconhecer, não vão passar pelo mesmo processo que eu passei”, comemora Carla.

A mãe é, como sempre, espelho. “A relação da minha filha com o cabelo foi totalmente diferente, porque ela já nasceu com uma mãe com o cabelo natural”, concorda Priscilla. Mesmo assim, há altos e baixos.

“A família do pai da Ágatha é branca de cabelo liso, então ela queria muito ter o cabelo liso quando era menor. Mas não alisamos e hoje, com 11 anos, ela é tão militante como eu e já fez meninas da idade dela terem vontade de voltar ao cabelo natural”, relata Carla.

Carla Cavallieri no centro, a filha Ágatha à direita, Akillah com a chupeta, o marido Samuel e Aisha de rosa.  (Carla Cavallieri/Arquivo Pessoal)

Texturas diferentes

Renata Germano, de 31 anos, tem a pele branca, os fios lisos e é casada com um homem negro. A filha, Rafaella, hoje com 6 anos e lindos cachos 3B na cabeça, nasceu em Moçambique, na África, enquanto os pais, missionários, trabalhavam lá.

“Tive dificuldades no início porque não sabia lidar com o cabelo dela, então pesquisei bastante”, conta a mãe, que, ao ter uma filha negra, passou também por um processo de descoberta. “A minha infância foi muito diferente da dela, pois o cabelo liso é aceito. Mas antes de ter a Rafaella eu não entendia isso”.

Há alguns anos, a pequena foi vítima de racismo na van escolar, relato compartilhado aqui no Bebê.com.br. “Ela normalmente é a única negra na escola e entre os amigos, então tento enaltecer a todo momento a negritude dela e inserir a temática negra em sua vida”, conta Renata. “Hoje ela tem muito orgulho do cabelo, da cor e, principalmente, de ser africana”, comemora.

+ sobre o tema

Sobre cabelos, relacionamentos e outras coisas!

Após uma atividade na minha universidade em celebração ao...

Mãe preta pode ser? Mulheres negras e maternidade

Débora Silva Maria, do Movimento Mães de Maio, há...

Quem vestiu a Globeleza?

Enviado para o Portal Geledés Engana-se os que acham que...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

A mulher e o cabelo – uma relação de servidão

Eu ligo muito pouco para comprimento do cabelo. Gosto...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=