Rima Triste

Há uns dias Marielle questionou,

Ninguém veio responder.

Quantos corpos negros serão calados,

Pra você entender?


Por 
Maria Joana Dourado Guerra enviado para o Portal Geledés 

 

Todos os dias,

Não importa o meu grito,

Vejo morte nas vias,

E a cor da pele é um veredito.

 

 

No Cabula, Maré, Engenho Velho, Acari,

Dentro da escola,

Não pisa na bola,

Se duvidar, você também vai cair.

 

 

Nove balas tentaram calar,

A voz de Marielle Franco,

Quatro conseguiram atabafar,

A vereadora no carro branco.

 

 

Marielle não será silenciada!

Não aceitaremos mais uma voz abafada!

Não sei se você sabe:

Somos Hydras multi faceta de cachos,

Corte uma cabeça, ressurgimos feito vespa,

Fortes, até mais do que certos machos.

 

 

Somos o quinto país do mundo

Que mais mata mulher,

Nunca ficaremos mudas,

Se é isto que quer!

 

 

Quantas mais vão pra conta?

Feminicídio é também o nome!

Uma vida negra te afronta?

Ou é só mais uma sem sobrenome?

 

 

Hoje foi Marielle, amanhã pode ser você.

Levante, escreva, lute.

Se movimente, aponte, estude!

Descendente de Dandara, nosso verbo é enegrecer.

 

 

Use as suas armas também,

para denunciar o que importa.

Eu, por enquanto batalho daqui,

pedindo forças a Nzinga e Zumbi,

Mais uma de nós está morta.

 

 

Não #SomosTodosMarielle

Não cabe mais repetir,

A mulher de sorriso largo se foi,

Já não pode mais sorrir.

Você me lendo,

Eu escrevendo,

Por enquanto mana, ainda, estamos aqui!

 

 

Mas Marielle, quem agora mais importa,

Foi assassina, executada, depois de um dia de função,

Uma irmã… morta.

 

**Joanna Guerra é negra, nordestina, mulher, professora e nasceu no Sertão Baiano. Costuma dizer que acumula minorias. Tem um blog de life style, o Blog Moda Modesta, onde motiva mulheres afro empreendedoras a desenvolverem seus negócios indo do artesanato, passando por estética e empoderamento.

 

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

A “empregada” no centro de uma sociedade cindida

“Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert, segue linhagem...

Paulina Chiziane e a liberdade de quem conta suas próprias histórias

“Se queres conhecer a liberdade Segue o rastro das andorinhas” (Ditado...

para lembrar

Lei institui o Dia de Luta contra Genocídio da Muher Negra no Rio

A lei estabelece que instituições públicas e privadas promovam...

Em resposta a racismo e bullying, jovem desenha vestido de formatura em estilo africano

A norte-americana Kyemah McEntyre, de 18 anos, conta que,...

Sede do Neab homenageia Ya Mukumbi

Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros funcionará em casa de madeira...

Conexões diaspóricas: mobilização da Marcha das Mulheres Negras no mundo

Mulheres negras de 21 países da América Latina, Caribe...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=