Rio 2016: Anistia Internacional entregará 200 mil assinaturas e balanço sobre violações de direitos humanos na Secretaria de Segurança

Pessoas de mais de 20 países pediram uma política de segurança pública que respeite os direitos humanos

Por Juca Kfouri Do Blog do Juca

Homicídios cometidos pela polícia aumentaram 103% entre abril e junho na cidade do Rio

No próximo dia 15 de setembro, a Anistia Internacional entregará as mais de 200 mil assinaturas coletadas pela campanha “A violência não faz parte deste jogo” à Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro.

Junto com as assinaturas, a Anistia Internacional também vai protocolar o documento “Um Legado de Violência”, que aponta violações cometidas pelas forças de segurança no contexto da Rio 2016, como homicídios praticados pela polícia, repressão a protestos e a militarização da cidade.

A concentração da atividade terá início às 10h na Praça Duque de Caxias (em frente à Central do Brasil).

A campanha “A Violência não faz parte deste jogo” foi lançada pela Anistia Internacional em junho deste ano apontando para o risco de violações de direitos humanos no campo da segurança pública antes e durante a realização de um megaevento esportivo como a Olimpíada.

A organização alertou para o histórico de aumento de mortes decorrentes de intervenção policial no contexto de
megaeventos anteriores, como os Jogos Panamericanos (2007) e a Copa do Mundo (2014) e exigiu a adoção de medidas preventivas.

Os alertas, porém, foram ignorados e o padrão de abuso da força letal pelos agentes de segurança pública se repetiu na preparação e realização da Olimpíada Rio 2016.

Entre abril e junho, trimestre que antecedeu os Jogos Olímpicos, a cidade do Rio de Janeiro sofreu um aumento de 103% no número de homicídios cometido por policiais em serviço em comparação ao mesmo período de 2015.

Nas duas semanas de Olimpíada, entre 5 e 21 de agosto, pelo menos 8 pessoas morreram durante operações policiais e 92 tiroteios foram registrados na cidade do Rio de Janeiro. A repressão à manifestações e protestos foi outra violação de direitos por agentes do Estado durante os Jogos Olímpicos

Em pouco menos de três meses, a Anistia Internacional reuniu mais de 200 mil assinaturas , sendo cerca de 30 mil do Brasil, pedindo políticas de segurança pública que respeitem os direitos humanos.

Os apoiadores incluem cidadãos e cidadãs do Reino Unido, Espanha, Noruega, Holanda, Coréia do Sul, Japão, Argentina e Paraguai, entre outros países, que se mobilizaram para exigir medidas contra o uso excessivo e desnecessário da força pela polícia, além de garantias de investigação rápida e imparcial de violações e apoio psicológico a vítimas.

img_5524-4

+ sobre o tema

Profissionais negras demandam mais políticas afirmativas no mercado corporativo brasileiro

As empresas brasileiras e multinacionais com atuação no Brasil...

Frei Betto: Infelicianeidade

Vocábulos nascem de expressões populares. Assim como nomes próprios...

Países devem se preparar para epidemia global de microcefalia, alertam pesquisadores

Realizado por grupo de pesquisa que reúne especialistas brasileiros...

Juventude do PSDB reage a Coronel Telhada em Comissão de Direitos Humanos

No sábado (9), setores tucanos divulgaram nota em que...

para lembrar

Conselho Federal de Medicina deu atestado de ignorância ao repudiar campanha contra racismo

Fátima Oliveira: “O CFM não tem a menor noção...

Câncer de próstata pode ser sexualmente transmissível, segundo especialistas

Por:Correiodobrasil De acordo com um grupo de cientistas norte-americanos, o câncer...

Por que Brasil parou de divulgar ‘lista suja’ de trabalho escravo tida como modelo no mundo?

Apesar de ser reconhecido internacionalmente por seus esforços de...
spot_imgspot_img

Levantamento aponta crescimento da população de rua em São Paulo

Levantamento do Observatório Brasileiro de Políticas Públicas com a População em Situação de Rua revela aumento do número de pessoas vivendo nestas condições na...

Proposta de Geledés para empoderamento da mulher negra é retomada na ONU

Geledés - Instituto da Mulher Negra, em fala conjunta com as organizações Coalizão Negra por Direitos, Criola e Coletivo Danêji, conseguiu obter bons resultados...

SP inicia campanha de vacinação contra paralisia infantil na segunda

A partir da próxima segunda-feira (27) crianças até cinco anos de idade começam a ser vacinadas contra a Poliomielite (paralisia infantil) no estado de...
-+=