Risco de estupro triplica com mulheres bêbadas, diz pesquisa

Uma nova análise do Levantamento Nacional de Álcool e Drogas divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo nesta sexta-feira aponta que mulheres que abusam de bebidas alcoólicas têm 3,6 vezes mais chances de serem vítimas de estupro.  A pesquisa feita pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) ouviu 4.607 pessoas acima de 14 anos, em 149 cidades. A margem de erro é de cinco pontos percentuais.

Segundo o relatório, quando as mulheres já têm um diagnóstico de dependência de álcool, as chances de serem estupradas sobem para cinco vezes. “Ao usar álcool abusivamente elas não evitam ou não previnem situações de risco”, afirma a psicóloga e pesquisadora Clarice Sandi Madruga, que apresentará os dados em um seminário internacional sobre álcool e violência, nesta sexta-feira.

Ainda de acordo com o levantamento, sob o efeito do álcool, 89% das mulheres não evitam situações de risco. “Mas a mulher pode prevenir vários tipos de violência, inclusive o estupro, evitando a intoxicação por álcool”, disse, ao jornal, a psicóloga.

Fazer sexo com uma pessoa alcoolizada é considerado crime de estupro de vulnerável, independentemente de consentimento.

Fonte: Terra 

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

Robinho chega à penitenciária de Tremembé (SP) para cumprir pena de 9 anos de prisão por estupro

Robson de Souza, o Robinho, foi transferido para a Penitenciária 2 de Tremembé, no interior de São Paulo, na madrugada desta sexta-feira (22). O ex-jogador foi...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...
-+=