Rita Bosaho é a primeira mulher negra eleita deputada em Espanha

O resultado das recentes eleições é histórico também porque Rita Bosaho conseguiu um mandato no Congresso dos Deputados. Era a número um da lista Podemos-Compromís-Es el momento, por Alicante. “Já era tempo!”, disse, referindo a quase inexistente representação política da população imigrante.

Do Esquerda.Net

Em Espanha, a população imigrante representa 15 por cento do total, porém, a sua representação política ao nível do poder legislativo quase nem chega ao 1 por cento. Por isso, não espanta que Rita Bosaho tenha perguntado – “Já era tempo, não?” – quando interpelada pelos jornalistas, após saber-se que se tornou a primeira mulher negra eleita para o Congresso dos Deputados espanhol, nas históricas eleições do último domingo.

Bosaho, com nacionalidade espanhola, nasceu na Guiné Equatorial. Conforme indica o El Diario, embora durante o período colonial, alguns guineenses tenham tido representação nas cortes franquistas (a Guiné Equatorial era tratada como uma província), Bosaho é a primeira deputada  eleita, em democracia, com origem nesse país.

Nascida na antiga colónia espanhola, três anos antes da independência, Bosaho tem então 50 anos e vive há mais de 30 anos em Espanha, para onde veio trabalhar como enfermeira, e há 20 em Alicante.

Motivada pelo que chama de “obsessão” pelos Direitos Humanos, cita o The Guardian, e preocupada com o tipo de mundo que o seu filho herdará, Rita Bosaho aceitou encabeçar a lista do Podemos que foi a eleições este domingo, na cidade costeira de Alicante. “É uma janela aberta para o futuro”, disse Rita, referindo-se ao projeto do seu partido.

Numa entrevista à agência EFE, Bosaho afirmou que compreendia que a sua candidatura “chamasse a atenção”, mas encarava isso “com naturalidade”.

Conhecida em Alicante pelo seu ativismo social na Plataforma Feminista da cidade ou na ONG Projeto, Cultura e Solidariedade, Rita Bosaho teve de se defender muitas vezes de ataques “por ser radical”. Mas, segundo o El Diario, a recém eleita deputada do Podemos afirma que “o feminismo é uma questão de responsabilidade e seriedade”, uma constatação que justifica, entre outras coisas, a luta intransigente contra o flagelo da violência machista no país e, especialmente, na Comunidade de Valência, bem como pela igual representação política das mulheres.

Bosaho critica também a falta de representação política e institucional das pessoas imigrantes ou com nacionalidade espanhola, embora nascidas no estrangeiro. Trata-se de “um problema estrutural que deve ser colocado em contexto, observando-se a paisagem social” do nosso país, afirma.

Temos de ser iguais em direitos, sim, mas diferentes na forma de encarar a vida e de pensar.

Toda esta situação de discriminação “tem a ver com a cultura, com a forma como educamos e os valores transmitidos”, mas também se deve “ao paternalismo abrangente e ao sistema patriarcal”, bem como “ao modo como se enraízam os preconceitos”, explicou.

“A Espanha é isso, a Espanha é diversa, não podemos ser iguais, nunca”, disse. “Temos de ser iguais em direitos, sim, mas diferentes na forma de encarar a vida e de pensar, e isso é o que nos enriquece”, acrescentou, sublinhando ainda que “as nossas múltiplas identidades permitem-nos ter uma visão do mundo mais ampla e transversal”.

+ sobre o tema

A publicidade brasileira é ridícula

Ontem foi lançada uma nova peça publicitária da marca...

Olhar para o futuro

Este ano chegamos aos 26 anos da instituição do...

Feminicídio: como estancar as veias abertas da impunidade

No debate sobre a tipificação de crimes, a problemática...

Mulheres negras na política: “Verba vai primeiro para loiras de olho azul”

Desde que a primeira mulher negra foi eleita para...

para lembrar

O ano passou, a dor permaneceu, mas a luta continua

Desde que assumi a minha identidade, comecei a ver...

Projeto Escola + Diversa| Chamada para Juventudes LGBTQIA+

O Escola +Diversa é um projeto desenvolvido pelo CIEDS,...

Homem dispara tiro em frente a casa da covereadora Samara Sosthenes (PSOL-SP)

A covereadora Samara Sosthenes (PSOL-SP) publicou nas redes sociais...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=