Rota sofre 2º atentado em menos de 17h – São Paulo

Homem foi morto na madrugada de ontem ao supostamente atirar contra a sede da tropa especial da PM paulista

Moacyr Lopes Junior/Folha Imagem

Sede da Rota, a tropa de elite da PM, que foi alvo de tiros na madrugada de ontem; batalhão fica na região central de SP

ANDRÉ CARAMANTE
DE SÃO PAULO 

A sede da Rota (Rondas Tobias de Aguiar), espécie de tropa de elite da Polícia Militar paulista, no bairro da Luz (região central de SP), foi alvo de um atentado a tiros às 3h30 de ontem e, no revide, um ex-detento foi morto.
Menos de 17 horas antes do atentado contra a sede da Rota, por volta das 11h de sábado, o chefe da corporação, o tenente-coronel Paulo Adriano Lopes Telhada, 48, escapou de um atentado.
No ataque à sede da Rota, diz a polícia, dois homens pararam um veículo na lateral do batalhão, na esquina da avenida Tiradentes com a rua João Teodoro, e um deles atirou seis vezes contra o prédio centenário.
Os PMs que faziam a guarda do local, segundo a polícia, revidaram e mataram o balconista Frank Ligieri Sons, 33, que havia descido do carro com um coquetel molotov ainda apagado e uma pistola .40.
Ex-presidiário que cumpriu pena de 11 anos por roubo e lesão corporal, Sons tomou dois tiros e foi levado para o hospital, mas morreu.
Após o ataque ao coronel e à sede da Rota, e a informação de que ao menos dez carros haviam sido incendiados na zona leste, o policiamento foi reforçado na capital.
Mas autoridades do Estado, entre elas o governador Alberto Goldman (PSDB) e o secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, se apressaram em descartar ligação entre os ataques à Rota e os veículos queimados e a associar os casos com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).
Para o secretário, os ataques visavam diretamente o chefe da Rota e não as forças de segurança do Estado.
Alguns bairros da zona norte registraram o maior número de ocorrências de homicídios na cidade no primeiro semestre do ano. Além disso, a Polícia Civil investiga cerca de 40 homicídios envolvendo PMs.

REVIDAR
Telhada saía da garagem de sua casa, na região da Freguesia do Ó (zona norte de SP), quando o passageiro de um Corsa abriu o vidro do carro e disparou 11 vezes.
“Não é só a minha pessoa [que sofreu o ataque]. É com a família da gente. E com família ninguém mexe, velho. Mexeu com família a pegada é outra, entendeu? A gente vai revidar os disparos e, com certeza, quem vai levar a pior é o crime, o bandido”, disse Telhada, logo após o ataque.
A Polícia Civil, a Corregedoria da PM e os serviços secretos da PM e da Rota também investigam o caso.

+ sobre o tema

Salve Zumbi e João Cândido, o mestre sala dos mares

Por Olívia Santana   Há 15 anos, após uma grande marcha...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

Procurador-geral da República, Janot, pede prisão de Renan, Sarney, Jucá e Cunha

Janot também pediu afastamento de Calheiros da presidência do...

Passagem de ônibus em SP vai aumentar para R$ 3

Declaração foi feita pelo prefeito Gilberto Kassab na manhã...

para lembrar

PSDB e PMDB perdem prefeituras; PT, PSD e PSB ganham peso

O PSDB saiu menor das urnas, em comparação...

Em prédio novo, escola de SP não possui itens básicos para estudar.

Prédio novo também continha sobras de material de construção...

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

A Guiana ganhou na loteria e está prestes a...

Haddad tem 49%, e Serra, 33%, diz Ibope

O Ibope divulgou, nesta quarta-feira (17), a segunda pesquisa de intenção...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=