Saiba como realizar denúncia de violação de direitos humanos

É importante que as pessoas saibam onde recorrer, caso sejam alvo dos ataques ou testemunhas da violação

Qualquer tipo de violência contra uma pessoa, desde violência física, psicológica e crimes contra a vida até agressões que violam a honra, o direito à liberdade civil e política e violações gerais podem ser consideradas violação de direitos humanos.

Segundo a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, os principais sujeitos que são passíveis dessas violações são mulheres, população LGBTQIA+, imigrantes e refugiados, grupos minoritários, população em situação de rua, crianças e adolescentes, pessoas idosas e pessoas com algum tipo de deficiência. 

Vale ressaltar que dentro de cada tipo de violência ainda existem desdobramentos, como o abuso ou exploração sexual, assédio moral, maus tratos, trabalho infantil, trabalho escravo, falta de acessibilidade, cárcere privado e ameaças. 

Com o objetivo de combater tais práticas e informar sobre os direitos dos cidadãos, é importante que as pessoas saibam onde recorrer caso sejam alvo dos ataques ou testemunhas da violação. 

Conheça abaixo algumas plataformas de denúncias de violações de direitos humanos. Os serviços são de responsabilidade do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

As denúncias são gratuitas, anônimas e a pessoa recebe um número de protocolo para que possa acompanhar o andamento do processo. 

Disque 100

O Disque Direitos Humanos é um serviço considerado como “pronto socorro” das denúncias. Basta a vítima ou a testemunha ligar gratuitamente discando o número 100 de qualquer telefone fixo ou celular. As ligações podem ser feitas de todo o Brasil e o serviço funciona 24 horas por dia, incluindo finais de semana e feriados. 

Disque 180

Central de Atendimento à Mulher funciona da mesma maneira que o Disque 100, mas atende casos de violência contra as mulheres. A ligação também é gratuita e confidencial e pode ser feita em qualquer horário, todos os dias da semana. 

Whatsapp

A população também pode denunciar as violações de direitos humanos enviando uma mensagem de texto para o número (61) 99656-5008. Você também pode iniciar uma conversa clicando aqui. A depender do caso, esta pode ser uma forma mais prática e sigilosa de realizar a denúncia. Esse canal é de responsabilidade da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos.

Na sequência do contato inicial, a pessoa receberá uma mensagem automática e em seguida será atendida por um atendente, que irá encaminhar a denúncia aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização em direitos humanos. 

Telegram

Ainda no intuito de facilitar as denúncias, os cidadãos podem realizar a busca no aplicativo inserindo o nome “direitoshumanosbrasilbot”. Na sequência é só enviar uma mensagem e aguardar o retorno. 

Chat da Ouvidoria

No site da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos também é possível realizar a denúncia. Basta acessar o link do Chat, informar alguns dados e a conversa com um atendente será iniciada. Por este meio é possível também ter orientações sobre como realizar as denúncias. 

Para quem está fora do Brasil

Se você está fora do país e deseja realizar uma denúncia, este passo a passo organizado pelo governo brasileiro mostra o que deve ser feito e quais números devem ser acionados, a partir do país em que você se encontra. 

+ sobre o tema

Idosa fica 50 anos em trabalho análogo à escravidão e sem ver família em SP

Yolanda, hoje com 89 anos, passou cinco décadas de...

Presidenta da Funai toma posse prometendo reconstrução

Numa cerimônia marcada pela emoção e por discursos fortes,...

Comissão debate enfrentamento ao racismo na primeira infância

A Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial...

para lembrar

Lupita Nyong’o estrelará adaptação do livro de memórias do comediante Trevor Noah

A atriz Lupita Nyong’o, famosa por participar de grandes...

Ceará registrou 1.535 casos de violência doméstica neste ano

Fortaleza lidera a estatística com 421 registros nos cinco...

Justiça de SP concede mais de 44 mil medidas protetivas neste ano

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) expediu...
spot_imgspot_img

13 leis sobre proteção à mulher que precisam ser efetivadas em 2024

Se é verdade que, no Brasil, o novo ano só começa depois do Carnaval, ainda é tempo de realizar uma retrospectiva, para divulgar leis...

Estereótipos sobre crianças e adolescentes alimentam violências cotidianas

Quando o assunto é proteção de adolescentes, nós, pessoas adultas, temos muito o que aprender. E eu estou me incluindo nessa conta aí, viu?...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...
-+=