Salve sua força, Marlene Silva! Obrigada.

Não há em Belo Horizonte, gente negra de mais de 40 anos, envolvida com o Movimento Negro ou com a cultura negra da dança que desconheça o significado do nome Marlene Silva para a cena da dança afro local e brasileira. E que alegria, senhora, saber que as devidas homenagens lhe foram prestadas em vida.

Artistas negros da dança na cidade, na casa dos 40 anos ou mais, se não foram formados por Marlene Silva, passaram por suas mãos, receberam sua orientação, seu carinho e sua benção. Os mais jovens também, pois um currículo de dança rico e respeitável precisava abrigar os ensinamentos da mestra maior da dança afro.

Marlene Silva, seu nome e seu legado povoam meu imaginário há 35 anos. Discípulos seus são amigos queridos e sempre me contaram de seu alto nível de exigência, compensado pelo sorriso largo.

Pedimos desculpas, querida Marlene Silva, mas nossa responsabilidade uns com os outros nesse tempo de pandemia não permitirá que lhe prestemos a última homenagem com um gurufim à sua altura, repleto de história contada e cantada, uma cachacinha e comida de angu com rabada, pra dar sustança aos que comporiam seu cortejo fúnebre pela Afonso Pena, Praça Sete, Amazonas. Liderado por djembês, congas, atabaques, agogôs, seus alunos e alunas de todas as gerações, em lindas roupas coloridas, à frente de um corpo dançante que puxaria o caminhão do corpo de bombeiros que transportaria seu corpo para o descanso final.

Aos transeuntes que perguntassem que autoridade era homenageada naquele cortejo, nós, suas admiradoras e as amigas responderíamos felizes e agradecidas: É Marlene Silva, Rainha da Dança Afro em Minas Gerais.

Leia Também: 

Morreu Sarah Maldoror, pioneira do cinema africano

+ sobre o tema

Geledés Instituto da Mulher Negra com pesar noticia o falecimento do fotógrafo Mário Espinosa

Mário Espinosa nasceu em Montevidéu - Uruguai em 1943....

Morre, aos 74 anos, o lendário boxeador Muhammad Ali

Ex-campeão mundial dos pesos-pesados e um dos mais conhecidos...

Doutora Fátima de Oliveira, presente em nossa história e nossa luta

Fátima Oliveira, 63 anos, médica, feminista emancipacionista, escritora, avó...

Morre em São Paulo 1ª Deputada Negra do Estado

Acabamos de perder uma das figuras mais emblemáticas e...

para lembrar

Crônicas no limiar do poético: Baú de miudezas, sol e chuva

Um texto só é um texto se ele oculta...

A merendeira e os biscoitos na escola

Dona Elvira era uma preta de formas generosas, tão...

As lições da campanha #SeráQueÉRacismo a um país que não se assume racista. Por Cidinha da Silva

Como os blogues, que tiveram diferentes gerações, com características...

Cidinha da Silva: Sete historias de negro

Por: Cidinha da Silva   Antes de comentar o livro preciso...
spot_imgspot_img

Parece, mas não é

Carnaval é uma época do ano em que o Brasil parece ter orgulho de suas raízes africanas —apesar de a festividade ter origem europeia. Quem...

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses passado pela corrupção institucional, te faltaria um pedaço importante de percepção desta terra de mártires...

“Inácia” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.5

— Senhora, senhora! Eu corri atrás da zungueira para entregar-lhe um galho seco e sem cheiro que caíra da bacia que carregava na cabeça....
-+=